Nenhuma Bulgária existe

viagem e inexistência em O púcaro búlgaro, de Campos de Carvalho

  • Victor Luiz da Rosa Universidade Federal de Ouro Preto
Palavras-chave: Campos de Carvalho, Relato de viagem, Inexistência.

Resumo

O artigo analisa o último romance de Campos de Carvalho, O púcaro búlgaro (1964), por meio das noções de viagem e inexistência. E procura mostrar algumas consequências críticas e narrativas do impasse entre a promessa de uma “expedição ao fabuloso reino da Bulgária” – feita pelo narrador logo de saída com a eloquência de um viajante tarimbado – e seu constante adiamento ao longo do romance. Por meio de um estilo na maioria das vezes inexato e fabuloso, sempre verborrágico e exagerado, o narrador dessa expedição torna-se complexo não por dominar o assunto que supostamente é objeto de seu interesse (o púcaro búlgaro) e sim porque, ao contrário, ele gira no vazio. E nesse giro só pode “devanear sobre o nada”, como ele próprio diz, enquanto não atina para a razão de escrever o diário. Tal impasse, de um lado, dialoga de modo crítico e irônico com certa tradição dos relatos de viagem à medida que se apropria de alguns dos seus pressupostos, como a confiabilidade do narrador e a obsessão pelas classificações, para fazer deles objeto de piada; de outro, na tentativa de realizar um romance altamente experimental, toma de empréstimo o princípio que Breton formula no “Manifesto do surrealismo”, segundo o qual a “existência está em outro lugar”, ou seja, na Bulgária, que não existe. Desse modo, o romance de Campos de Carvalho poderia ser pensado como uma experiência de desarme da nossa maneira de ler os relatos de viagem nacionais, ao mimetizar tais narradores e expor – ao ridículo – os seus limites. É a hipótese que se propõe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Luiz da Rosa, Universidade Federal de Ouro Preto

Professor adjunto de literatura no curso de Letras da Universidade Federal de Ouro Preto. Mestrado e Doutorado em Literatura pela UFSC.

Referências

BRETON, André. Manifesto do surrealismo. In: TELES, Gilberto Mendonça (Org.). Vanguarda europeia e modernismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1978, pp. 168-202.

CANDIDO, Antônio. Oswald viajante. In: O observador literário. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2008, pp. 97-101.

CARVALHO, Campos de. O púcaro búlgaro. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

CARVALHO, Campos de. A lua vem da Ásia. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. Trad. Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

RANCIÈRE, Jacques. Políticas da escrita. Trad. Raquel Ramalhete. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

SUSSEKIND, Flora. O Brasil não é longe daqui. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Publicado
2019-06-12
Como Citar
Rosa, V. L. da. (2019). Nenhuma Bulgária existe. Remate De Males, 39(1), 389-402. https://doi.org/10.20396/remate.v39i1.8652490