A reversibilidade da imagem e a definição da poesia

Palavras-chave: Imagem, Indícios flutuantes, Poesia.

Resumo

Ao discutir a origem, a acepção e a tradução da noção central da pesquisa formalista de Iuri Tynianov, a saber, a dos indícios oscilantes, o trabalho procura relacionar a definição da poesia com a imagem da reversibilidade. Trazendo importantes ecos do romantismo alemão e procurando elaborar os paradoxos do presente, a teoria de Tynianov demonstrou uma grande preocupação com o vocabulário utilizado para a descrição da forma dinâmica e de sua inscrição dinâmica dentro dos âmbitos do saber. Entusiasta do experimento e do potencial criativo do paradoxo, o autor hesitou entre as imagens orgânicas herdadas do vocabulário romântico e as imagens espaciais inspiradas tanto pela literatura produzida no início do século XX quanto pela pintura pós-cézanneana. Voltado para o aprimoramento do discurso da teoria da literatura, seu esforço teórico encontrou desenvolvimentos relevantes no trabalho de Julia Kristeva (entre outros), que insistiu na subversão da visão do espaço em termos de um recipiente neutro, ou de um meio de separação, procurando debruçar-se sobre a relação entre o texto e o espaço, investidos pelos angustiantes desdobramentos causados pela experiência da perda.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Olga Kempinska, Universidade Federal Fluminense

Doutorado em História Social da Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Professora 40h DE de Teoria da Literatura da Universidade Federal Fluminense.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Nudez. Trad. D. Pessoa. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos. Ensaio sobre a imaginação da matéria. Trad. A. de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas I. Trad. S. P. Rouanet. Rio de Janeiro: Ed. Brasiliense, 1985.

CHKLOVSKI, Viktor. Arte como procedimento. In: OLIVEIRA TOLEDO, Dionísio de. (Org.). Teoria da literatura. Formalistas russos. Trad. A. M. Ribeiro et al. Porto Alegre: Editora Globo, 1971.

CONLEY, Tom. A writing of space: on french critical theory in 1973 and its aftermath. Diacritics, 33, 2003, pp. 188-203.

CZAYKOWSKI, Bogdan. The idea of reality in the poetry of Czesław Miłosz. In: Between Anxiety and Hope. The poetry and writing of Czesław Miłosz. Alberta: The University of Alberta Press, 1988, pp. 88-111.

FRANK, Joseph. La forme spaciale dans la littérature moderne. Poétique, v. 10. Paris: Seuil, 1972, pp. 244-266.

ГУДКОВ, Л. Д. Понятие и метафоры истории у Тынянова и Опоязовцев. In: Тыняновский сьборник. III Тыняновские чтения. Riga: Zinatne, 1986, pp. 91-108.

HAROCHE, Claudine. Da palavra ao gesto. Trad. A. Montoia e J. Seixas. Campinas: Papirus, 1998.

HARWIG, Julia. Zawsze powroty. Z dzienników podróży. Varsóvia: Sic!, 2005.

KRISTEVA, Julia. La révolution du langage poétique. Paris: Seuil, 1974.

KRISTEVA, Julia. Polylogue. Paris: Seuil, 1977.

KRISTEVA, Julia. Pouvoirs de l’horreur. Essai sur l’abjection. Paris: Seuil, 1980.

НИКОЛЬСКАЯ, Т. Л. “Взгляды Тынянова на практику поэтыческого эксперимента”. In: Тыняновский сьборник. II Тыняновские чтения. Riga: Zinatne, 1986, pp. 1-77.

МАЛЕВИЧ, Казимир. От Сезанна до Супрематизма. [S.l.]: Narkompros, 1920.

MIŁOSZ, Czesław. Não mais. Trad. H. Siewierski e M. Paiva de Souza. Brasília: Editora UnB, 2003.

MIŁOSZ, Czesław. Wiersze wszystkie. Cracóvia: Znak, 2011.

MIŁOSZ, Czesław. Ogród nauk. Cracóvia: Znak, 2013.

NOVALIS, F. von H. Pólen. Fragmentos. Diálogos. Monólogo. Trad. R. Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Iluminuras, 1988.

PIGNATARI, Décio. (Org. e trad.). Marina Tsvetáieva. Curitiba: Travessa dos Tradutores, 2005.

RIFFATERRE, Michel. Le poème comme représentation. In: Poétique, n. 4, 1970, pp. 401-418.

RILKE, Rainer. M. Auguste Rodin. Leipzig: Insel Verlag, 1984.

SCHNAIDERMAN, Boris. Prefácio. In: TOLEDO, Dionísio de Oliveira (Org.). Teoria da literatura. Formalistas russos. Trad. A. M. Ribeiro et al. Porto Alegre: Editora Globo, 1971, pp. IX-XXII.

SICA, Giorgio. O vazio e a beleza. De Van Gogh a Rilke: como o Ocidente encontrou o Japão. Campinas: Unicamp, 2017.

SIEWIERSKI, H.; SOUZA, M. Paiva de Introdução. Introdução. In: MIŁOSZ, Czesław. Não mais. Trad. H. Siewierski e M. Paiva de Souza. Brasília: Editora UnB, 2003, pp. 9-31.

TSVETÁIEVA, Marina. Indícios flutuantes. Trad. A. F. Bernardini. São Paulo: Martins pontes, 2006.

TYNIANOV, Iuri. O problema da linguagem poética II. O sentido da palavra poética. Trad. M. J. Azevedo Pereira e C. Barone. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

TYNIANOV, Iuri. O ritmo como fator construtivo do verso. In: COSTA LIMA, Luiz. Teoria da literatura em suas fontes. Vol. 2. Trad. L. Lobo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002, pp. 473-486.

ТЫНЯНОВ, Юрий. Проблема стихотворного языка. Статьи. Moscou: Sovetski Pisatel, 1965.

ТЫНЯНОВ, Юрий. Литернатурная эволюция. Избранные труды. Moscou: Agraf, 2002.

Publicado
2019-06-24
Como Citar
Kempinska, O. (2019). A reversibilidade da imagem e a definição da poesia. Remate De Males, 39(1), 321-336. https://doi.org/10.20396/remate.v39i1.8653596