Mário de Andrade e o apocalipse das imagens

Palavras-chave: Mário de Andrade, Macunaíma, Imagens

Resumo

Mário de Andrade foi um colecionador de imagens, tanto suas – os desenhos e fotos que produziu ao longo da vida –, quanto alheias – obras brasileiras e estrangeiras, dos mais variados gêneros, formatos e técnicas, que foi adquirindo ou ganhando de presente. Por outro lado, sua obra literária tem sido recriada imageticamente com notável frequência, seja em capas ou ilustrações dos livros, seja em telas e outros suportes pictóricos, seja em filmes, peças de teatro ou mesmo desfiles de carnaval. A partir dessas duas coleções sobrepostas, buscaremos pensar sobre os lugares ocupados pelas imagens no cruzamento de pesquisa histórica e antropológica, reflexão crítica e criação literária que singularizam esse autor: podemos depreender daí alguma teoria da imagem? Essa teoria da imagem, se existir, guiou a concepção e realização dos seus livros?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Sterzi, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Professor de teoria literária na Unicamp.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. «Angelologia e burocrazia». In: Il regno e la gloria. Per una genealogia teologica dell’economia e del governo (Homo sacer, II, 2). Vicenza: Neri Pozza, 2007.

AGAMBEN, Giorgio. «Vortici». In: Il fuoco e il racconto. Roma: nottetempo, 2015.

AGAMBEN, Giorgio e COCCIA, Emanuele (org.). Angeli. Ebraismo Cristianesimo Islam, 2009.

ANDRADE, Mário de. «Carnaval carioca» (1923). In: Clã do Jabuti (1927). Hoje em Poesias completas. Ed. crítica Diléa Zanotto Manfio. Belo Horizonte e São Paulo: Itatiaia e Edusp, 1987.

ANDRADE, Mário de. «Do desenho». In: Aspectos das artes plásticas no Brasil (1965). Belo Horizonte: Itatiaia, 1984.

ANDRADE, Mário de. «Flor nacional» (1930). In: Táxi e Crônicas no Diário Nacional. Ed. Telê Porto Ancona Lopez. São Paulo: Duas Cidades e Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia, 1976.

ANDRADE, Mário de. Macunaíma, o herói sem nenhum caráter (1928). Ed. crítica Telê Porto Ancona Lopez. 2ª ed. Madri, Paris, México, Buenos Aires, São Paulo, Rio de Janeiro e Lima: ALLCA XX, 1996.

ANDRADE, Mário de. Me esqueci completamente de mim, sou um departamento de cultura. Org. Carlos Augusto Calil e Flávio Rodrigo Penteado. São Paulo: Imprensa Oficial, 2015.

ANDRADE, Mário de. O banquete (1944-1945). São Paulo: Duas Cidades, 1989.

ANDRADE, Mário de. «Pintor contista» (1939). In: O empalhador de passarinho (1944). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

ANDRADE, Mário de e AMARAL, Tarsila do. Correspondência Mário de Andrade & Tarsila do Amaral. Org. Aracy Amaral. São Paulo: Edusp e Instituto de Estudos Brasileiros, 2001.

ANDRADE, Oswald de. Serafim Ponte Grande (1933). São Paulo: Globo, 1992.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão (1928). Trad. João Barrento. Lisboa: Assírio & Alvim, 2004.

BENTO, Antônio. «Comentários de Antônio Bento». In: CARYBÉ e BENTO, Antônio. Macunaíma. Ilustrações do mundo do herói sem nenhum caráter. Edição comemorativa do cinquentenário da publicação de Macunaíma, o herói sem nenhum caráter, de Mário de Andrade. 1928-1978. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1979.

CAMPOS, Haroldo de. «Ideograma, anagrama, diagrama. Uma leitura de Fenollosa». In: CAMPOS, Haroldo de (org.). Ideograma. Lógica, poesia, linguagem (1977). Textos traduzidos por Heloysa de Lima Dantas. 3ª ed. São Paulo: Edusp, 1994. pp. 23-107.

CAMPOS, Haroldo de. «Mário de Andrade: a Imaginação Estrutural» (1973a). In: Metalinguagem & outras metas. Ensaios de teoria e crítica literária. 4ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Perspectiva, 1992. pp. 167-182.

CAMPOS, Haroldo de. Morfologia do Macunaíma, São Paulo: Perspectiva, 1973b.

CAMPOS, Haroldo de. O sequestro do Barroco na Formação da literatura brasileira: o caso Gregório de Mattos. Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado, 1989.

DIDI-HUBERMAN, Georges. L’album de l’art à l’époque du «Musée imaginaire». Paris: Hazan e Musée du Louvre, 2013.

LÉVI-STRAUSS, Claude. «A estrutura dos mitos». In: Antropologia estrutural. Trad. Chaim Samuel Katz e Eginardo Pires. Rio de Janeiro: Tempo Universitário, 1967.

MORESCHI, Marcelo. «Mário de Andrade como ruína psicoetnográfica: o retrato de Flávio de Carvalho». Peixe-elétrico, 1 (jul. 2015), pp. 6-36.

PAIXÃO, Pedro A. H. Desenho. A transparência dos signos. Estudos de teoria do desenho e de práticas disciplinares sem nome. Lisboa: Assírio & Alvim, 2008.

PASSOS, José Luiz. Ruínas de linhas puras. Quatro ensaios em torno a Macunaíma. São Paulo: Annablume, 1998.

PESSANHA, Juliano Garcia. «Heterotanatografia» (1999-2000). In: Certeza do agora. Cotia: Ateliê, 2002.

PUCHEU, Alberto e GUERREIRO, Eduardo (org.). O carnaval carioca de Mário de Andrade. Rio de Janeiro: Azougue, 2011.

ROSSETTI BATISTA, Marta e SOARES DE LIMA, Yone. Coleção Mário de Andrade. Artes plásticas. 2ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros – Universidade de São Paulo, 1998.

SANTIAGO, Silviano (org.). Carlos & Mário. Correspondência de Carlos Drummond de Andrade e Mário de Andrade. Rio de Janeiro: Bem-Te-Vi, 2002.

STERZI, Eduardo. «A irrupção das formas selvagens». In: ANDRADE, Mário. Macunaíma, o herói sem nenhum caráter (1928). São Paulo: Ubu, 2017a.

STERZI, Eduardo. «Brasil-sintoma: como viver na pós-história?». In: PATIÑO, Roxana e CÁMARA, Mario (org.). Por qué Brasil, qué Brasil? Recorridos críticos. La literatura y el arte brasileños desde Argentina. Villa María: Eduvim, 2017b. pp. 127-148.

STERZI, Eduardo. «Resenha de Movimentos modernistas do Brasil: 1922-1928, de Raul Bopp». O Globo, blog Prosa, 4 fev. 2012, <https://blogs.oglobo.globo.com/prosa/post/resenha-de-movimentos-modernistas-do-brasil-1922-1928-de-raul-bopp-431434.html >.

STERZI, Eduardo e STIGGER, Veronica. Variações do corpo selvagem: Eduardo Viveiros de Castro, fotógrafo. São Paulo: Sesc São Paulo, 2017.

VICTOR, Nestor. «Macunaíma» (1928). In: Os de hoje. Figuras do movimento modernista brasileiro. São Paulo: Cultura Moderna, 1938.

Publicado
2019-07-11
Como Citar
Sterzi, E. (2019). Mário de Andrade e o apocalipse das imagens. Remate De Males, 39(1), 246-264. https://doi.org/10.20396/remate.v39i1.8654549