“Desenredo”, de João Guimarães Rosa

prosoema, metapoesia, necrológio prévio ou “autobiografia irracional”?

Palavras-chave: Desenredo, João Guimarães Rosa, Autobiografia irracional

Resumo

Em março de 1956, João Guimarães Rosa, antes mesmo de lançar Grande sertão: veredas (sua “autobiografia irracional”), anuncia em jornal o projeto de ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras (ABL), apesar de sua condição de escritor praticamente inédito, por então. Foi a primeira entre três tentativas, todas marcadas por intenso desgaste emocional: somente sete anos mais tarde, em 1963, Rosa será finalmente eleito, quase à unanimidade. Paradoxalmente, passa a inexplicavelmente adiar a cerimônia de posse e vem a falecer exatamente três dias depois do evento postergado por quatro longos anos. Nos jornais do dia seguinte, chega-se até mesmo a anunciar que ele teria previsto a própria morte. Com base nesse enredo biopoético, buscamos “desentramar”, ao longo deste artigo, os indícios de uma narrativa metapoética em cujas linhas Rosa poderia ter eventualmente ficcionalizado sua relação com a poesia, com a planejada eleição, com a posse fatal e com a rivalidade própria aos membros da ABL, tal como se entrevê em “Desenredo”, de Tutameia – Terceiras estórias (1967). O presente ensaio percorre esse célebre prosoema em busca de elementos de reflexão sobre a seguinte questão genealógica: Quais são os limites entre ficção e biografia, entre narrativa poética e prosoema, entre estória e história, entre interpretação crítica e transcriação poética, entre imortalidade e pervivência, no caso de um autor que leva ao paroxismo derradeiro a noção de “autobiografia irracional”? Em outras palavras: Em sua genealogia, caberia ler “Desenredo” como um irreverente texto metapoético?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Marinho, Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Doutorado em Literatura Geral e Comparada pelo Université Sorbonne Nouvelle - Paris 3. Professor Adjunto da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila, PR).

David Lopes da Silva, Universidade Federal de Alagoas

Mestre e Doutor em Literatura Brasileira pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor adjunto da Universidade Federal de Alagoas.

Referências

ALMEIDA, Rodrigo de. Privilégios de um membro da ABL vão além da imortalidade. Último Segundo [on-line]. 04/03/2010. Disponível em: https://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/privilegios-de-um-membro-da-abl-vao-alem-da-imortalidade/n1237589695437.html. Acesso em: 12 mar. 2019.

BARBOSA, Alaor. Sinfonia Minas Gerais: a vida e a literatura de João Guimarães Rosa. Brasília: LGE, 2007.

BORTOLOTI, Marcelo. O mausoléu da ABL tem poucas vagas – e a fila continua andando. Revista Época [on-line]. 22/01/2017. Disponível em: https://epoca.globo.com/cultura/noticia/2017/01/o-mausoleu-da-abl-tem-poucas-vagas-e-fila-continua-andando.html. Acesso em: 12 mar. 2019.

BORTOLOTI, Marcelo. O beija-mão na Academia Brasileira de Letras. Revista Época [on-line]. 29/03/2018. Disponível em: https://epoca.globo.com/cultura/noticia/2018/03/o-beijamao-na-academia-brasileira-de-letras.html. Acesso em: 12 mar. 2019.

CALLADO, Antônio. Versos de Guimarães aguardam resgate. Folha de São Paulo (Ilustrada), caderno 4, 25/07/1992, p. 8.

CAMPOS, Mateus; BIANCHI, Paula. Conceição Evaristo. The Intercept (Brasil) [on-line]. Rio de Janeiro, 30/08/2018. Disponível em: https://theintercept.com/2018/08/30/conceicao-evaristo-escritora-negra-eleicao-abl/. Acesso em: 12 mar. 2019.

CAMPOS, Paulo Mendes. Eis os imortais. Blog do IMS. Instituto Moreira Salles. 12/04/2013. Disponível em: https://blogdoims.com.br/eis-os-imortais-por-paulo-mendes-campos/. Acesso em: 12 mar. 2019.

CESAR, Camila Moreira; MARINHO, Marcelo. A mídia e a construção de personagens de autoficção biográfica: uma leitura semântico-lexical de três notícias sobre a morte enigmática de João Guimarães Rosa. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 52, n. 2, jun. 2017, pp. 115-128. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/lh/v52n2/0101-3335-letras-52-02-0115.pdf. Acesso em: 12 mar. 2019.

COSTA, Ana Luiza Martins. Veredas de Viator. Cadernos de Literatura Brasileira. Instituto Moreira Salles, v. 12, n. 20-21, 2006, pp. 10-58.

FIGUEIREDO, Guilherme. As excelências ou como entrar para a Academia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.

FLUSSER, Vilém. Guimarães Rosa. Datiloscrito com anotações manuais. Novembro de 1967. In: BRAGA, Mariana Fontenele. Poesia talhada em madeira: João Guimarães Rosa e Arlindo Daibert. Dissertação de Mestrado (Comunicação). Fortaleza, Universidade Federal do Ceará, 2014, pp. 91-92. Disponível em: http://www.flusserbrasil.com/art24.html. Acesso em: 12 mar. 2019.

FOUCAULT, Michel. Les mots et les choses. Paris, Gallimard, 1966.

GALVÃO, Walnice Nogueira. Metáforas náuticas. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, v. 41, 1996, pp. 123-134. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/73095/77143. Acesso em: 12 mar. 2019.

GAMA, Mônica. Caminhos da consagração: Guimarães Rosa e o julgamento crítico. O eixo e a roda, Belo Horizonte, v. 27, n. 3, 2018, pp. 151-174. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/article/view/13529/1125611960. Acesso em: 12 mar. 2019.

GIRON, Luís Antônio. Stendhal delicia com biografias prematuras. Folha de São Paulo [on-line], São Paulo, 13/09/1995. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/9/13/ilustrada/15.html. Acesso em: 12 mar. 2019.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Sales. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

LA SAINTE BIBLE. Le Livre de Job. Trad. H. Lesètre. Paris: P. Lethielleux, 1886.

LEAL, Claudio. Poder, farpas e táxis dividem a Academia Brasileira de Letras. Terra Magazine [on-line]. 12/08/2011. Disponível em: http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI5293050-EI6581,00-Poder+farpas+e+taxis+dividem+a+Academia+Brasileira+de+Letras.html. Acesso em: 12 mar. 2019.

LEXILOGOS. Dicionário [on-line]. 2002-2019. Disponível em: http://www.lexilogos.com/. Acesso em: 12 mar. 2019.

MARINHO, Marcelo. Grande sertão: veredas – lectures critiques et approche stylistique. Contribution à l’étude de la poétique de l’Enigme. Villeneuve d’Ascq: Presses Universitaires du Septentrion, 2001a.

MARINHO, Marcelo. GRND SRT~: vertigens de um enigma. Campo Grande: UCDB/Letra Livre, 2001b.

MARINHO, Marcelo. João Guimarães Rosa. Paris: L’Harmattan, 2003.

MARINHO, Marcelo. João Guimarães Rosa, “autobiografia irracional” e crítica literária: veredas da oratura. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 47, n. 2, abr.-jun. 2012, pp. 186-193. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/11315. Acesso em: 12 mar. 2019.

MARINHO, Marcelo. Raconter sa mort, puis la vivre : « autobiographie irrationnelle » chez João Guimarães Rosa. Études littéraires, Montréal, v. 48, n. 3, pp. 117-132, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.7202/1061863ar. Acesso em: 12 set. 2019.

MARINHO, Marcelo; SILVA, David. Anastasia e pervivência em João Guimarães Rosa: Vita brevis, Ars longa. O Eixo e a Roda, Belo Horizonte, v. 28, n. 1, 2019, pp. 253-281. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/article/view/13411. Acesso em: 12 mar. 2019.

MARQUES, Oswaldino. Canto e plumagem das palavras. In: A seta e o alvo: análise estrutural de textos e crítica literária. Rio de Janeiro: MEC: INL, 1957, pp. 9-128.

MEIRELES, Maurício. Entenda como funciona e o que faz a Academia Brasileira de Letras. Folha de São Paulo [on-line], Ilustrada, 02/08/216. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/08/1797694-entenda-como-funciona-a-academia-brasileira-de-letras.shtml. Acesso em: 12 mar. 2019.

MONTELLO, Josué. Diário completo. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998.

NOVIS, Vera. Tutameia: engenho e arte. São Paulo: Perspectiva, 1989. (Coleção Debates 223).

ROCHA, Marília Librandi. Maranhão – Manhattan. Ensaios de literatura brasileira. Rio de Janeiro: 7letras, 2009.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1970.

ROSA, João Guimarães. Diálogo com Guimarães Rosa. [Entrevista a Günter Lorenz]. In: Ficção completa. Vol. 1. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994, pp. 27-61.

ROSA, João Guimarães. Tutameia (Terceiras estórias). 10. Ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2017.

SANTA-CRUZ, Maria de. Guimarães Rosa: desenredos e projeções nas literaturas de língua portuguesa. Scripta, Belo Horizonte, v. 2, n. 3, 2º sem. 1998, pp. 242-250. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/10239/8340. Acesso em: 12 mar. 2019.

SANTOS, Adilson dos. A “despedidosa dose” de João Guimarães Rosa. Investigações, Recife, v. 21, n. 1, 2008, pp. 75-107. Disponível em: <https://periodicos.ufpe.br/revistas/INV/article/viewFile/1377/1047>. Acesso em: 12 mar. 2019.

SARAIVA, Arnaldo. A última entrevista de Guimarães Rosa (realizada em 24/11/1966). Revista Bula [on-line], 19/11/2015. Disponível em: https://www.revistabula.com/383-a-ultima-entrevista-de-guimaraes-rosa/. Acesso em: 12 mar. 2019.

SILVA, Gustavo de Castro. Em busca de Guimarães Rosa: o processo de construção de uma biografia. E-Compós, ago. 2018. Disponível em: http://www.e-compos.org.br/e-compos/article/view/1587. Acesso em: 12 mar. 2019.

SILVA, Telma Borges. A imortalidade de um mortal ou o eu que sou na linguagem. O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Belo Horizonte, v. 27, n. 3, dez. 2018, pp. 175-198. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/article/view/13533/1125611961. Acesso em: 8 maio 2019.

STENDHAL. Le rouge et le noir. Paris: Garnier Flammarion, 1964.

STENDHAL. Lucien Leuwen. Paris: Gallimard, 2002.

VERLANGIERI, Iná Valéria Rodrigues. J. Guimarães Rosa – Correspondência inédita com a tradutora norte-americana Harriet de Onís. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários) – Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Araraquara, 1993.

VICTOR, Fabio. Mais assíduos da Academia Brasileira de Letras recebem R$ 9.000 por mês. Folha de São Paulo [on-line], 16/03/2010. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2010/03/707481-mais-assiduos-da-academia-brasileira-de-letras-recebem-r-9000-por-mes.shtml. Acesso em: 12 mar. 2019.

Publicado
2019-11-21
Como Citar
Marinho, M., & Silva, D. L. da. (2019). “Desenredo”, de João Guimarães Rosa. Remate De Males, 39(2), 799-829. https://doi.org/10.20396/remate.v39i2.8655681