A mediação local

Antonio Candido e a teoria literária do modernismo brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v40i2.8655861

Palavras-chave:

Antonio Candido, Modernismo, Formação

Resumo

As relações de Antonio Candido com o modernismo brasileiro são conhecidas, embora o seu significado, no âmbito da teoria literária, ainda esteja em aberto. A proposta deste ensaio é acompanhar não somente a vinculação dele com o movimento modernista, sobretudo o de São Paulo, mas também o modo como ele desdobrou com originalidade própria o núcleo estético desse movimento em um núcleo crítico e teórico, mediado pela figura intelectual de Mário de Andrade. Com esse fim, a ideia de formação será pensada aqui como o resultado de uma depuração de seu comprometimento e estudo do modernismo, e que pode, a partir de um retorno à matriz inicial de sua elaboração, transformar-se em uma perspectiva nova de leitura tanto da obra de Antonio Candido quanto da noção de modernismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Pasini, Universidade Federal de São Paulo

Professor no Departamento de Letras, Universidade Federal de São Paulo.

Referências

ADORNO, Theodor W. O ensaio como forma. In: Notas de literatura. São Paulo: Editora 34, 2013.

ALCIDES, Sérgio. O momentâneo na Formação. O eixo e a roda, Belo Horizonte, v. 20, n. 1, 2011, pp. 141-154.

ALMEIDA, Jorge de. Crítica dialética em Theodor Adorno. Música e verdade nos anos vinte. São Paulo: Ateliê, 2007.

ANDRADE, Mário de. O Movimento Modernista. In: Aspectos da literatura brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia, 2002, pp. 253-280.

ANDRADE, Oswald. A utopia antropofágica. São Paulo: Globo/Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, 1990.

ARANTES, Paulo. Sentimento da dialética na experiência intelectual brasileira: dialética e dualidade segundo Antonio Candido e Roberto Schwarz. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

ARANTES, Paulo. Providências de um crítico literário na periferia do capitalismo. In: ARANTES, Paulo; ARANTES, Otília. Sentido da formação. São Paulo: Paz e Terra, 1997, pp. 11-66.

BAPTISTA, Abel Barros. O cânone como formação. In: O livro agreste. Campinas: Editora da Unicamp, 2005, pp. 41-80.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. São Paulo: Autêntica, 2011.

CAMPOS, Haroldo de. O sequestro do Barroco na Formação da literatura brasileira: o caso Gregório de Matos. São Paulo: Iluminuras, 2011.

CAMPOS, Augusto; CAMPOS, Haroldo; SCHNEIDERMAN, Boris (Orgs.). Antologia da poesia russa moderna. São Paulo: Perspectiva, 2012.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Vol. 1. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975a.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Vol. 2. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975b.

CANDIDO, Antonio. A Revolução de 30 e a Cultura. In: A educação pela noite. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

CANDIDO, Antonio. Clima. In: Teresina etc. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2007, pp. 141-156.

CANDIDO, Antonio. Literatura e cultura de 1900 a 1945. In: Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2008, pp. 117-145.

CANDIDO, Antonio. Antonio Candido: Cómo y por qué escribí Formação da literatura brasileira. [Entrevista a Jorge Ruedas de la Serna]. Revista Casa de las Américas, n. 268, 2012, pp. 117-128.

CAVALCANTE, Maria Neuma Barreto. Clima. Contribuição para o estudo do modernismo. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1978.

CHURCHILL, Suzanne W. The Little Magazine Others and the Renovation of Modern American Poetry. Burlington, VT: Ashgate Publishing, 2006.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mille plateaux. Paris: Les éditions de minuiit, 1980.

DINCAO, Mariangela; SCARABÔTOLO, Eloísa (Orgs.). Dentro do texto, dentro da vida. Ensaios sobre Antonio Candido. São Paulo: Companhia das Letras/Instituto Moreira Salles, 1992.

EAGLE, Herbert. Cubo-Futurism and Russian Formalism. In: LAWSON, Anna (Ed.). Russian Futurism through its Manifestoes. Ithaca/London: Cornell University Press, 1988, pp. 218-304.

ELIOT, T. S. Ensaios. São Paulo: Art Editora, 1989.

ELIOT, T. S. The Complete Prose of T. S. Eliot. Eds. Jewel Spears Brooker e Ronald Schuchard. Vol. 1. Baltimore/London: Johh Hopkins University Press/Faber and Faber, 2014.

FISCHER, Luís Augusto. A formação vista desde o sertão. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 18, 2011, pp. 41-72.

MACHADO, Carlos Eduardo Jordão. Um capítulo da história da modernidade estética. Debate sobre o expressionismo. São Paulo: Editora da Unesp, 2016.

MARKOV, Vladimir. Russian Futurism: A History. Washington, DC: New Academia Publishing, 2006.

MOORE, Marianne. Observations. New York: Farrar, Straus and Giroux, 2016.

PAULA, Rosângela Asche. O expressionismo na biblioteca de Mário de Andrade: da leitura à criação. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

PONTES, Heloísa. Destinos mistos. Os críticos do grupo Clima em São Paulo (1940 – 1968). São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SCHWARZ, Roberto. Sequências brasileiras. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SIMON, Iumna Maria. Analisar o poema. In: FONSECA, Maria Augusta; SCHWARZ, Roberto. Antonio Candido 100 anos. São Paulo: Editora 34, 2018, pp. 396-415.

Downloads

Publicado

2020-12-04

Como Citar

PASINI, L. A mediação local : Antonio Candido e a teoria literária do modernismo brasileiro. Remate de Males, Campinas, SP, v. 40, n. 2, p. 767–790, 2020. DOI: 10.20396/remate.v40i2.8655861. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8655861. Acesso em: 17 jun. 2021.