Banner Portal
A mediação local
PDF

Palavras-chave

Antonio Candido
Modernismo
Formação

Como Citar

PASINI, Leandro. A mediação local : Antonio Candido e a teoria literária do modernismo brasileiro. Remate de Males, Campinas, SP, v. 40, n. 2, p. 767–790, 2020. DOI: 10.20396/remate.v40i2.8655861. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8655861. Acesso em: 12 jul. 2024.

Resumo

As relações de Antonio Candido com o modernismo brasileiro são conhecidas, embora o seu significado, no âmbito da teoria literária, ainda esteja em aberto. A proposta deste ensaio é acompanhar não somente a vinculação dele com o movimento modernista, sobretudo o de São Paulo, mas também o modo como ele desdobrou com originalidade própria o núcleo estético desse movimento em um núcleo crítico e teórico, mediado pela figura intelectual de Mário de Andrade. Com esse fim, a ideia de formação será pensada aqui como o resultado de uma depuração de seu comprometimento e estudo do modernismo, e que pode, a partir de um retorno à matriz inicial de sua elaboração, transformar-se em uma perspectiva nova de leitura tanto da obra de Antonio Candido quanto da noção de modernismo.

https://doi.org/10.20396/remate.v40i2.8655861
PDF

Referências

ADORNO, Theodor W. O ensaio como forma. In: Notas de literatura. São Paulo: Editora 34, 2013.

ALCIDES, Sérgio. O momentâneo na Formação. O eixo e a roda, Belo Horizonte, v. 20, n. 1, 2011, pp. 141-154.

ALMEIDA, Jorge de. Crítica dialética em Theodor Adorno. Música e verdade nos anos vinte. São Paulo: Ateliê, 2007.

ANDRADE, Mário de. O Movimento Modernista. In: Aspectos da literatura brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia, 2002, pp. 253-280.

ANDRADE, Oswald. A utopia antropofágica. São Paulo: Globo/Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, 1990.

ARANTES, Paulo. Sentimento da dialética na experiência intelectual brasileira: dialética e dualidade segundo Antonio Candido e Roberto Schwarz. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

ARANTES, Paulo. Providências de um crítico literário na periferia do capitalismo. In: ARANTES, Paulo; ARANTES, Otília. Sentido da formação. São Paulo: Paz e Terra, 1997, pp. 11-66.

BAPTISTA, Abel Barros. O cânone como formação. In: O livro agreste. Campinas: Editora da Unicamp, 2005, pp. 41-80.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. São Paulo: Autêntica, 2011.

CAMPOS, Haroldo de. O sequestro do Barroco na Formação da literatura brasileira: o caso Gregório de Matos. São Paulo: Iluminuras, 2011.

CAMPOS, Augusto; CAMPOS, Haroldo; SCHNEIDERMAN, Boris (Orgs.). Antologia da poesia russa moderna. São Paulo: Perspectiva, 2012.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Vol. 1. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975a.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Vol. 2. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975b.

CANDIDO, Antonio. A Revolução de 30 e a Cultura. In: A educação pela noite. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

CANDIDO, Antonio. Clima. In: Teresina etc. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2007, pp. 141-156.

CANDIDO, Antonio. Literatura e cultura de 1900 a 1945. In: Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2008, pp. 117-145.

CANDIDO, Antonio. Antonio Candido: Cómo y por qué escribí Formação da literatura brasileira. [Entrevista a Jorge Ruedas de la Serna]. Revista Casa de las Américas, n. 268, 2012, pp. 117-128.

CAVALCANTE, Maria Neuma Barreto. Clima. Contribuição para o estudo do modernismo. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1978.

CHURCHILL, Suzanne W. The Little Magazine Others and the Renovation of Modern American Poetry. Burlington, VT: Ashgate Publishing, 2006.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mille plateaux. Paris: Les éditions de minuiit, 1980.

DINCAO, Mariangela; SCARABÔTOLO, Eloísa (Orgs.). Dentro do texto, dentro da vida. Ensaios sobre Antonio Candido. São Paulo: Companhia das Letras/Instituto Moreira Salles, 1992.

EAGLE, Herbert. Cubo-Futurism and Russian Formalism. In: LAWSON, Anna (Ed.). Russian Futurism through its Manifestoes. Ithaca/London: Cornell University Press, 1988, pp. 218-304.

ELIOT, T. S. Ensaios. São Paulo: Art Editora, 1989.

ELIOT, T. S. The Complete Prose of T. S. Eliot. Eds. Jewel Spears Brooker e Ronald Schuchard. Vol. 1. Baltimore/London: Johh Hopkins University Press/Faber and Faber, 2014.

FISCHER, Luís Augusto. A formação vista desde o sertão. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 18, 2011, pp. 41-72.

MACHADO, Carlos Eduardo Jordão. Um capítulo da história da modernidade estética. Debate sobre o expressionismo. São Paulo: Editora da Unesp, 2016.

MARKOV, Vladimir. Russian Futurism: A History. Washington, DC: New Academia Publishing, 2006.

MOORE, Marianne. Observations. New York: Farrar, Straus and Giroux, 2016.

PAULA, Rosângela Asche. O expressionismo na biblioteca de Mário de Andrade: da leitura à criação. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

PONTES, Heloísa. Destinos mistos. Os críticos do grupo Clima em São Paulo (1940 – 1968). São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SCHWARZ, Roberto. Sequências brasileiras. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SIMON, Iumna Maria. Analisar o poema. In: FONSECA, Maria Augusta; SCHWARZ, Roberto. Antonio Candido 100 anos. São Paulo: Editora 34, 2018, pp. 396-415.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Licença Creative Commons

Downloads

Não há dados estatísticos.