Sobrenatureza, Água Viva

o conceito à luz da ficção de Clarice Lispector

Palavras-chave: Sobrenatureza, Lispector, Metamorfose

Resumo

Este artigo examina pontualmente o tratamento que Lispector dedica ao “it”, pronome que, em Água viva, ela utiliza para paradoxalmente nomear o inominável. Este exame pontual da obra de contestada classificação de Lispector, aproxima o “it” do conceito de “sobrenatureza”, tal como contemporaneamente entendido, em particular pelo antropólogo Eduardo Viveiros de Castro e pelo filósofo Marco Antonio Valentim. Desse modo, vemos como a escrita de Lispector cultiva o inefável enquanto tal, investindo no “espaço-entre”, assim evitando cristalizar formas e linearizar as metamorfoses. Ao cultivar um outro espaço e um outro tempo, a autora inventa um espaço sobrenatural, que não pertence à natureza, nem à cultura – o “it”. Além de explorar o texto de Lispector, é propósito deste artigo iluminar o conceito de “sobrenatureza”, ressaltando suas contribuições para a superação da oposição natureza/cultura, que fundamenta o pensamento ocidental moderno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Sammer, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Pós-doutoranda junto ao Departamento de História da PUC-Rio, em Literatura Comparada, e bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj).

Referências

BATESON, Gregory. Steps to an Ecology of Mind. Chicago: University Press, 2000[1972].

LÉVY-BRUHL, Lucien. Le Surnaturel et la nature dans la mentalité primitive. Paris: Presses Universitaires de France, 1963[1931].

CIXOUS, Hélène. Aproximação de Clarice Lispector. Deixar-se ler (por) Clarice Lispector – A paixão segundo C. L. Revista Tempo Brasileiro, v. 1, n. 1, 1962, pp. 9-24.

INGOLD, Tim. Lines: A Brief History. London/New York: Routledge Classics, 2016.

KANT, Immanuel. Ideia de uma História Universal de um ponto de vista cosmopolita. Trad. Ricardo Ribeiro Terra. São Paulo: Martins Fontes, 2004[1784].

LATOUR, Bruno. Enquête sur les modes d’existence: une anthropologie des modernes. Paris: La Découverte, 2012.

LÉVY-BRUHL, Lucien. Le Surnaturel e la nature dans la mentalité primitive. Paris: Presses Universitaires de France, 1963[1931].

LÉVY-BRUHL, Lucien. How Natives Think (Les Fonctions Mentales dans Les Sociétés Inferieures). Trad. Lilian A. Clare. Mnasfield Centre: Martino Publishing, 2015[1925].

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural dois. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Cosac Naify, 2013[1973].

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984[1977].

LISPECTOR, Clarice. Água viva. Rio de Janeiro: Rocco, 1998a[1973].

LISPECTOR, Clarice. Perto do coração selvagem. Rio de Janeiro: Rocco, 1998b[1943].

LISPECTOR, Clarice. A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 2009[1964].

NODARI, Alexandre. A sombra da palavra. Blog do IMS. [on-line.] São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2018.

NUNES, Benedito. O dorso do tigre. São Paulo: Perspectiva, 1969.

PRADO JR., Plinio W. O impronunciável: notas sobre um fracasso sublime. Remate de Males, v. 9, 1989, pp. 21-29.

RILKE, Rainer Maria. Coisas e anjos de Rilke. 130 poemas traduzidos. Trad. Augusto de Campos. São Paulo: Perspectiva, 2013.

STENGERS, Isabelle. Reativar o animismo. Trad. Jamille Pinheiro Dias. Belo Horizonte: Chão da Feira, 2017.

STENGERS, Isabelle Cosmopolitics I. I. The Science Wars; II. The Invention of Mechanics; III. Thermodynamics. Translated by Robert Bononno. Minneapolis/London: University of Minnesota Press, 2010.

UEXKÜLL, Jakob von. A Foray into the Worlds of Animals and Humans: With a Theory of Meaning. Translated by Joseph O’Neil. Minnesota: University of Minnesota Press, 2010[1934].

VALENTIM, Marco Antonio. A sobrenatureza da catástrofe. Revista Landa, Florianópolis, UFSC, v. 3, n. 1, 2014, pp. 3-25.

VALENTIM, Marco Antonio. Extramundanidade e sobrenatureza. Ensaios de ontologia infundamental. Desterro [Florianópolis]: Cultura e Barbárie, 2018.

VALENTIM, Marco Antonio. Cosmopolítica e entropia. In: DIAS, Susana O.; WIEDEMANN, Sebastian; ALMEIDA, Antonio Carlos R. de (Orgs.). Conexões: Deleuze e cosmopolíticas e ecologias radicais e nova terra e... Campinas: FE/Unicamp, 2019, pp. 137-150.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas canibais. Elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Ubu Editora/n-I edições, 2018.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Perspectivismo e naturalismo na América Indígena. In: A inconstância da alma selvagem e Outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2011[1996], pp. 345-399.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A floresta de cristal: notas sobre a ontologia dos espíritos amazônicos. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 14/15, 2006, pp. 319-382.

Publicado
2020-05-29
Como Citar
Sammer, R. (2020). Sobrenatureza, Água Viva . Remate De Males, 40(1), 205-221. https://doi.org/10.20396/remate.v40i1.8656951