A terceira mão é a outra hipótese tentada

Manuel Gusmão continua a poesia de Carlos de Oliveira em A terceira mão (2008)

Palavras-chave: Manuel Gusmão, Carlos de Oliveira, Poesia portuguesa moderna e contemporânea

Resumo

O propósito deste artigo é investigar a maneira como Manuel Gusmão se assume como continuador da obra poética de Carlos de Oliveira, no livro A terceira mão, publicado em 2008. Para tanto, é preciso levar em consideração que o autor também atua como crítico literário, tendo se dedicado por anos ao estudo da obra de Carlos de Oliveira. Nesse sentido, vê-se que, ao expandir o universo da poesia do poeta da Gândara, o cenário mítico onde ambienta sua obra, Manuel Gusmão encontra como ponto de partida a ideia da mão, como uma espécie de hipótese, tendo em mente que há sempre a possibilidade de alternativas várias. Assim sendo, a partir da discussão acerca dos versos do poema “A terceira mão de Carlos de Oliveira”, este texto investigará a maneira como o universo poético de outro autor pode ser expandido, especialmente quando se leva em consideração o esforço empregado por Manuel Gusmão em seu procedimento para continuar os aspectos centrais de Finisterra: paisagem e povoamento (1978), última narrativa publicada por Carlos de Oliveira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Resende Pereira, Universidade Federal de São Carlos

Pós-doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Literatura da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), como bolsista PNPD, da Capes

Referências

BARTHES, Roland. O rumor da língua. Trad. Mario Laranjeira. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.

BORGES, Jorge Luis. Borges oral & sete noites. Trad. Heloisa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

COMPAGNON, Antoine. O trabalho da citação. Trad. Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

EIRAS, Pedro. Retrato de Manuel Gusmão enquanto poeta na polis. Revista do CESP, Belo Horizonte, v .25, n. 2, 2015, pp. 25-39.

LIMA, Marleide Anchieta de. Uma câmera no corpo da linguagem: a poética cinematográfica de Manuel Gusmão. 2015. 265 f. Tese (Doutorado em Literatura Comparada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2015.

GUSMÃO, Manuel. Da literatura enquanto construção histórica. In: GUSMÃO, Manuel; BUESCU, Helena; DUARTE, João Ferreira (Orgs.). Floresta encantada: novos caminhos da literatura comparada. Lisboa: Dom Quixote, 2001.

GUSMÃO, Manuel. Finisterra. O trabalho do fim: reCitar a origem. Coimbra: Ângelus Novus, 2009.

GUSMÃO, Manuel. Tatuagem & palimpsesto: da poesia em alguns poetas e poemas. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010.

GUSMÃO, Manuel. Uma razão dialógica: ensaios sobre literatura, a sua experiência do humano e a sua teoria. Lisboa: Editorial “Avante! ”, 2011.

GUSMÃO, Manuel. Contra todas as evidências: poemas reunidos I. Lisboa: Editorial “Avante! ”, 2013a.

GUSMÃO, Manuel. Contra todas as evidências: poemas reunidos III. Lisboa: Editorial “Avante! ”, 2013b.

GUSMÃO, Manuel. Contra todas as evidências: poemas reunidos II. Lisboa: Editorial “Avante! ”, 2014.

MAGALHÃES, Isabel Allegro de. Música e migrações do fogo. Gubaidulina, Mahler e Bach – Notas para um comentário. In: BUESCU, Helena Carvalhão; BASÍLIO, Kelly Benoudis (Orgs.). Poesia e arte. A arte da poesia. Homenagem a Manuel Gusmão. Lisboa: Editorial Caminho, 2008, pp. 125-142.

MARTELO, Rosa Maria. Carlos de Oliveira e a referência em poesia. Campo das Letras: Porto, 1998.

MARTELO, Rosa Maria. Manuel Gusmão – brevíssimo retrato em forma de alfabeto. Revista do CESP, Belo Horizonte, v. 35, n. 53, 2015a, pp. 11-24.

MARTELO, Rosa Maria. Livros, filmes, metalepses. In: ROWLAND, Clara; BÉRTOLO, José (Orgs.). A escrita do cinema: ensaios. Lisboa: Documenta, 2015b.

OLIVEIRA, Carlos de. O aprendiz de feiticeiro. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1995.

OLIVEIRA, Carlos de. Trabalho poético. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003a.

OLIVEIRA, Carlos de. Finisterra: paisagem e povoamento. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003b.

Publicado
2020-05-29
Como Citar
Pereira, P. R. (2020). A terceira mão é a outra hipótese tentada. Remate De Males, 40(1), 236-257. https://doi.org/10.20396/remate.v40i1.8657210