EscreVivência na prática pedagógica

a narrativa de mulheres quilombolas em tensão com a política da morte no Brasil

Palavras-chave: Escrevivência, Prática pedagógica, Mulheres quilombolas

Resumo

Referindo-se a uma experiência de escrita literária com mulheres de comunidade quilombolas do baixo sul da Bahia – a saber, das comunidades Lagoa Santa, Jatimane, Jetimana e Boa Vista – o presente texto configura uma (auto)reflexão acerca das relações entre o conceito de “escrevivência” de Conceição Evaristo, a crítica literária e a prática pedagógica antirracista. Investigam-se as possibilidades das “escrevivências” enquanto contraponto à necropolítica no Brasil.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Carneiro da Silva, Universidade Federal da Paraíba

Doutorado em Letras (Teoria Literária e Literatura Comparada) pela Universidade de São Paulo, Brasil, 2017.
Professora Adjunta da Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Referências

BARROS, Surya Aaronovich Pombo de; FONSECA, Marcos Vinicius (Orgs.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016.

BONFIM, Vânia Maria da Silva. A identidade contraditória da mulher negra brasileira: bases históricas. In: Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro Edições, 2009, pp. 220-244.

CARAVANA MULHERES nas Artes. Coordenação geral: Renata Nascimento. Produção executiva: Sérgio Melo. Brasil, Equipe Caravana, [s.d.]. Vídeo (15min.32). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ZQMVhu2IOaE&t=7s>. Acesso em: 30 abr. 2020.

DERRIDA, Jacques. Essa estranha instituição chamada literatura: uma entrevista com Jacques Derrida. Trad. Marileide Dias Esqueda. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

EVARISTO, Conceição. Gênero e etnia: uma escre(vivência) de dupla face. In: MOREIRA, Nadilza Martins de Barros; SCHNEIDER, Liane (Orgs.). Mulheres no mundo: etnia, marginalidade e diáspora. João Pessoa: UFPB, Ideia/Editora Universitária, 2005, pp. 201-212.

EVARISTO, Conceição. Da grafia-desenho de minha mãe, um dos lugares de nascimento de minha escrita. In: ALEXANDRE, Marcos Antonio (Org.). Representações performáticas Brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte: Mazza, 2007, pp. 16-21.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma voz quilombola na literatura brasileira. In: PEREIRA, Edimilson de Almeida (Org.). Um tigre na floresta de signos: estudos sobre poesia e demandas sociais no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2010, pp. 132-142.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas/Fundação Biblioteca Nacional, 2016.

FLAUZINA. Ana Luiza Pinheiro. Corpo negro caído no chão: o sistema penal e o projeto genocida do Estado brasileiro. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

KILOMBA, Grada. Plantation Memories: Episodes of Everyday Racism. Münster: Unrast, 2008.

MARTINS, Leda Maria. Afrografias da memória. São Paulo/Belo Horizonte: Perspectiva/Mazza Edições, 1997.

MARTINS, Leda Maria. Arabescos do corpo feminino. In: ASSIS, Eduardo; BEZERRA, Kátia da Costa; DUARTE, Constância Lima (Orgs.). Gênero e representação na literatura brasileira: ensaios. Belo Horizonte: UFMG, 2012, p. 219-228.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

NASCIMENTO, Beatriz. O conceito de quilombo e a resistência cultural negra. Afrodiáspora, n. 6-7, 1985, pp. 41-49.

nascimento, tatiana. Baleias. In: lundu. brasília: padê editorial, 2017, pp. 58-59.

OLIVEIRA, Iris Verena. Escrevivências e limites da identidade na produção de intelectuais negras. Currículo sem Fronteiras, v. 17, n. 3, set./dez. 2017, pp. 633-658.

OLIVEIRA, Klebson. Negros e escrita no Brasil do século XIX: sócio-história, edição filológica de documentos e estudo linguístico. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

SANTOS, Maria Aparecida. Ser jovem e mãe. Bahia: Comunidade de Lagoa Santa, 2017. [Depoimento não publicado]

SOUZA, Lívia Maria Natália. Uma reflexão sobre os discursos menores ou a escrevivência como narrativa subalterna. Revista Crioula, São Paulo, v. 21, 2018, pp. 25-43.

Publicado
2020-05-29
Como Citar
Silva, F. C. da. (2020). EscreVivência na prática pedagógica. Remate De Males, 40(1), 105-119. https://doi.org/10.20396/remate.v40i1.8658746