Das tragédias à crítica

momentos de crise

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v40i2.8659654

Palavras-chave:

Engajamento intelectual, Tragédia, Política representativa

Resumo

O presente ensaio pretende abordar certas especificidades do engajamento intelectual diante da vida. Para tanto, organiza-se, de início, a partir da leitura de O espírito da ficção científica, de Roberto Bolaño, para, na sequência, interpelar como essas especificidades se apresentam na leitura cinematográfica que Pier Paolo Pasolini faz da Oresteia de Ésquilo. Traça algumas análises da questão da tragédia tanto a partir de Nietzsche como nos modos com os quais Pasolini desdobra os problemas que lê em Ésquilo em suas maneiras de enxergar seu tempo. Por fim, propõe-se a ler como esse procedimento pasoliniano, além de apontar para um modo de engajar-se intelectualmente, carrega uma potência de questionamento do funcionamento – e da falência – da política representativa contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Nicastro Honesko, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor do Departamento de História da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Brasil.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer. O poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. Trad. Iraci Poleti. São Paulo: Boitempo, 2005.

BENJAMIN, Walter. Imagens do pensamento. In: BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas. II Rua de Mão Única. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho e José Carlos Martins Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 1995.

BOLAÑO, Roberto. O espírito da ficção científica. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

BOLAÑO, Roberto. Os detetives selvagens. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

CARCHIA, Gianni. Orfismo e tragedia. Il mito trasfigurato. Macerata: Quodlibet, 2019.

COUPAT, Julien. Dialogo con i morti. In: CARCHIA, Gianni. Orfismo e tragédia. Il mito trasfigurato. Macerata: Quodlibet, 2019.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a filosofia. Trad. Ruth Joffily Dias e Edmundo Fernandes Dias. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1976.

DETIENNE, Marcel. Dioniso a cielo abierto. Un itinerário antropológico en los rostros y las moradas del dios del vino. Trad. Margarita Mizraji. Barcelona: Gedisa, 2003.

ÉSQUILO. Oresteia III. Eumênides. Trad. Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras/Fapesp, 2004.

GUINSBURG, Jacó. Nietzsche no Teatro. In: NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia. Trad. Jacó Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

JESI, Furio. A festa e a máquina mitológica. Trad. Vinícius N. Honesko. Boletim do Nelic, v. 14, n. 22, 2014, pp. 26-58.

NIETZSCHE, Friedrich. Crepúsculo dos ídolos. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich. Ecce Homo. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008a.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia. Trad. Jaime Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 2008b.

PASOLINI, Pier Paolo. Appunti per un’Orestiade africana. In: PASOLINI, Pier Paolo. Per il cinema I. Org. Walter Sitti e Franco Zabagli. Milano: Arnoldo Mondadori, 2001, pp. 1.173-1.196.

PASOLINI, Pier Paolo. Il sogno del centauro. In: PASOLINI, Pier Paolo. Saggi sulla politica e sulla società. Org. Walter Siti e Silvia De Laude. Milano: Arnoldo Mondadori, 2012a, pp. 1.401-1.550.

PASOLINI, Pier Paolo. Scritti corsari. In: PASOLINI, Pier Paolo. Saggi sulla politica e sulla società. (Org.). Walter Siti e Silvia De Laude. Milano: Arnoldo Mondadori, 2012b, pp. 265-535.

Downloads

Publicado

2020-11-30

Como Citar

HONESKO, V. N. Das tragédias à crítica: momentos de crise. Remate de Males, Campinas, SP, v. 40, n. 2, p. 486–500, 2020. DOI: 10.20396/remate.v40i2.8659654. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8659654. Acesso em: 20 jun. 2021.