Proust e a busca da cena ausente

o desvio da escrita em a prisioneira e a fugitiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v41i2.8660554

Palavras-chave:

Marcel Proust, Crítica francesa do século XX, Foco narrativo

Resumo

Este artigo analisa a composição de dois volumes de Em busca do tempo perdido (À La recherche du temps perdu, 1913-1927), de Marcel Proust: A prisioneira (La Prisonnière, publicado postumamente em 1923) e A fugitiva (Albertine disparue, publicado postumamente em 1927), como uma derivação do desvio da escrita literária que, por sua vez, é decorrente do desvio do comportamento homossexual de determinados personagens da obra proustiana. O foco narrativo da obra se faz, assim, a partir da influência de duas cenas homossexuais com componentes de perversão sadomasoquista observadas pelo narrador na sua infância e juventude, as quais o levam à elaboração da cena imaginária que coloca sua companheira, Albertine, como protagonista de uma cena do desvio homossexual. Derivadas dessa cena, as narrativas de A prisioneira e A fugitiva originam uma escrita que se estrutura na ambivalência, uma vez que se desenvolvem por meio do imaginário ciumento do narrador e se constituem pela alternância entre as cenas reais de sua relação com Albertine e as cenas ficcionais elaboradas pelo ciúme, através das tentativas infrutíferas do narrador em compor a cena ausente, a cena que, nunca acontecendo efetivamente, finda por se concretizar em obra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Renato de Souza, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Pós-doutorando no Programa de Pós-graduação em Ciência da Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Bolsista FAPERJ.

Referências

BATAILLE, Georges. A literatura e o mal. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

BATAILLE, Georges. Documents. Trad. João Camillo Penna e Marcelo Jacques de Moraes. Desterro: Cultura e Barbárie, 2018.

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. Trad. Antonio Piquet e Roberto Machado. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

PROUST, Marcel. À sombra das raparigas em flor. Trad. Mario Quintana. 3. ed. São Paulo: Globo, 2006a.

PROUST, Marcel. No caminho de Swann. Trad. Mario Quintana. 3. ed. São Paulo: Globo, 2006b.

PROUST, Marcel. O caminho de Guermantes. Trad. Mario Quintana. 3. ed. São Paulo: Globo, 2007.

PROUST, Marcel. Sodoma e Gomorra. Trad. Mario Quintana. 3. ed. São Paulo: Globo, 2008.

PROUST, Marcel. A prisioneira. Trad. Manuel Bandeira e Lourdes Sousa de Alencar. 13. ed. São Paulo: Globo, 2011.

PROUST, Marcel. A fugitiva. Trad. Carlos Drummond de Andrade. São Paulo: Globo, 2012.

PROUST, Marcel. O tempo redescoberto. Trad. Lúcia Miguel Pereira. 3. ed. São Paulo: Globo, 2013.

PROUST, Marcel. Salões de Paris. Trad. Caroline Fretin de Freitas e Celina Olga de Souza. 2. ed. São Paulo: Carambaia, 2018.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

SOUZA, F. R. de. Proust e a busca da cena ausente: o desvio da escrita em a prisioneira e a fugitiva. Remate de Males, Campinas, SP, v. 41, n. 2, p. 523–540, 2021. DOI: 10.20396/remate.v41i2.8660554. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8660554. Acesso em: 23 maio. 2022.