Os ensaios longos do poeta-crítico Mário Faustino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v41i2.8666249

Palavras-chave:

Mário Faustino, Poesia brasileira, Crítica de poesia, Ensaios críticos

Resumo

O poeta-crítico Mário Faustino (1930-1962) – vitimado por um acidente de avião aos trinta e dois anos de idade, no auge da sua produção – raramente é ignorado pelos estudiosos da poesia brasileira dos anos 1950 e da sua crítica. Os poemas do autor e as discussões por ele levantadas na sua página “Poesia-Experiência” (publicada semanalmente no Suplemento Dominical do Jornal do Brasil entre 1956 e 1958) tornaram-se, de fato, tópicos incontornáveis para compreender os debates literários daquele momento. Neste artigo, o que se pretende é apresentar a trajetória crítico-criativa de Faustino para, assim, situar e abordar mais detidamente a parte da obra do autor que merece mais atenção: a dos ensaios longos, de caráter instrumental e didático, notadamente a daqueles compostos como “Diálogos de oficina”. Empreendemos a nossa investigação em seis breves etapas: na primeira, apresentamos um panorama da carreira do autor, destacando os desafios estéticos que ele buscou superar; na segunda, o modo como se organizou a sua obra, tendo em vista situar os três ensaios/diálogos de oficina eleitos para discussão nas etapas seguintes; na terceira, o modo como a última parte dessa obra se baseou em uma determinada poética de fragmentos; na quarta, o pensamento do autor sobre a relação poesia-sociedade, base do ensaio “Para que poesia?”; na quinta, as teses de Faustino sobre as relações poeta-mundo e poesia-objetos, bases dos ensaios “O poeta e seu mundo” e “Que é poesia?”, respectivamente; na sexta, enfim, tecemos uma síntese da nossa discussão acerca da posição assumida pelo poeta-crítico, nos seus ensaios, em relação ao sistema poético brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Moura Fernandes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutorando em Teoria da Literatura e Literatura Comparada pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Braulio Fernandes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutorando em Teoria da Literatura e Literatura Comparada pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Brasil. Professor adjunto do Colégio Pedro II.

Referências

ARTAUD, Antonin. Van Gogh, o suicidado da sociedade. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1993.

ASSIS BRASIL. Apresentação. In: FAUSTINO, Mário. Coletânea 2 – cinco ensaios sobre poesia. Org. Assis Brasil. Rio de Janeiro: Edições GRD, 1964, pp. 9-12.

ASSIS BRASIL. A nova literatura. Rio de Janeiro: Companhia Editora Americana, 1973.

CAMPOS, Augusto. Mário Faustino, o último Versemaker. In: Poesia, antipoesia, antropofagia & cia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

CAMPOS, Haroldo de. A obra de arte aberta. In: CAMPOS, Augusto; CAMPOS, Haroldo; PIGNATARI, Décio. Teoria da poesia concreta. São Paulo: Brasiliense, 1981, pp. 36-39.

CAMPOS, Haroldo de. Mário Faustino ou a impaciência órfica. In: Metalinguagem & outras metas. São Paulo: Perspectiva, 2006, pp. 189-212.

CAMPOS, Haroldo de. A ReOperação do texto. São Paulo: Perspectiva, 2013a.

CAMPOS, Haroldo de. Da transcriação: poética e semiótica da operação tradutora. In: Da transcriação. São Paulo: Perspectiva, 2013b, pp. 77-104.

FAUSTINO, Mário. Coletânea 2 – cinco ensaios sobre poesia. Org. Assis Brasil. Rio de Janeiro: Edições GRD, 1964.

FAUSTINO, Mário. Poesia-Experiência. São Paulo: Perspectiva, 1976.

FAUSTINO, Mário. Poesia completa / Poesia traduzida. São Paulo: Max Limonad, 1985.

FAUSTINO, Mário. O homem e sua hora e outros poemas. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

HEIDEGGER, Martin. A origem da obra de arte. Trad. Idalina Azevedo; Manuel António de Castro. São Paulo: Edições 70, 2010.

NUNES, Benedito. A poesia de meu amigo Mário. In: FAUSTINO, Mário. O homem e sua hora e outros poemas. São Paulo: Companhia das Letras, 2002, pp. 45-66.

NUNES, Benedito. O “fragmento” da juventude. In: BOSI, Alfredo (Org.). Leitura de poesia. São Paulo: Ática, 1996, pp. 175-190.

POUND, Ezra. ABC da literatura. Trad. Augusto de Campos; José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 2006.

VALÉRY, Paul. Poesia e pensamento abstrato. In: Variedades. Trad. Maiza Martins de Siqueira. São Paulo: Iluminuras, 2011, pp. 209-227.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

FERNANDES, J. M.; FERNANDES, B. Os ensaios longos do poeta-crítico Mário Faustino. Remate de Males, Campinas, SP, v. 41, n. 2, p. 569–595, 2021. DOI: 10.20396/remate.v41i2.8666249. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8666249. Acesso em: 23 maio. 2022.