Quatrocentos anos num filme: Pindorama (Arnaldo Jabor, 1971) e a relação dos cinemanovistas com a história

  • Carlos Eduardo Pinto de Pinto Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Cinema novo. Filme histórico. Cultura histórica.

Resumo

Após 1968, no âmbito das produções vinculadas ao Cinema Novo, se encontra uma série de filmes históricos construídos por meio de narrativas de vanguarda e visões críticas do passado. Tais produções, muitas vezes encaradas como alegorias que usavam o passado como metáfora para tratar do presente, no auge da repressão da ditadura civil-militar, também podem ser entendidas como agenciadoras de sentidos históricos. Afinal, em sua realização, importava o diálogo com pesquisas historiográficas e, sobretudo, as reflexões a respeito dos mecanismos de funcionamento da história, sendo os cinemanovistas encarados como intelectuais avalizados para esta tarefa. A partir de "Pindorama" (Arnaldo Jabor, 1971), procuro pensar o papel do Cinema Novo na construção de uma História Pública no Brasil, por meio do circuito de criação e circulação do filme, bem como da cultura histórica de Jabor e outros cinemanovistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Pinto de Pinto, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Possui bacharelado e licenciatura em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2001), mestrado em História Social da Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2005) e Doutorado em História pela Universidade Federal Fluminense (2013). Usufruiu, no primeiro semestre de 2012, de Bolsa CAPES de Doutorado Sanduíche no Exterior, com atividades na Université Paris 8 e no Laboratoire d'Histoire Visuelle Contemporaine (Lhivc), vinculado à École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS). É professor adjunto do Departamento de História da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, e pesquisador do Nucleo de Estudos sobre Biografia, História, Ensino e Subjetividades/UERJ (NUBHES), do Laboratório de História Oral e Imagem/UFF (LABHOI) e do Núcleo de Estudos Visuais em Periferias Urbanas/FEBF-UERJ (NuVisu). É membro do GT Imagem, Cultura Visual e História da Anpuh-Rio. Tem experiência na área de Ciências Humanas, com ênfase em História do Brasil República, atuando principalmente nos seguintes temas: Rio de Janeiro, representações, imagens, cinema, cidades, subjetividades, Estado Novo, Período Democrático e ditadura militar.

Referências

AARÃO REIS Filho, Daniel. A revolução faltou ao encontro. São Paulo: Brasiliense, 1991.

ALMEIDA. Juniele Rabêlo; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (Orgs.). Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011.

COMO É MESMO? Veja, nº 161, 6/10/1971.

FERREIRA, Rodrigo de Almeida. Produção Cinematográfica e História Pública: Chico Rei (1985). In.: BELCHIOR, Luna Halabi; PEREIRA, Luisa Rauter; MATA, Sérgio Ricardo da (Orgs.). Anais do 7º. Seminário Brasileiro de História da Historiografia – Teoria da história e história da historiografia: diálogos Brasil-Alemanha. Ouro Preto: EdUFOP, 2013.

GOMES, Angela de Castro. Cultura política e cultura histórica no Estado Novo. In: ABREU, Martha et al. Cultura política e leituras do passado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Faperj, 2007.

JABOR, Arnaldo. O verdadeiro artista tem de aguentar firme. Filme Cultura, Ano III, nº 17, nov/dez 1970.

ODIN, Roger. Les espaces de communication. Introduction à la sémio-pragmatique. Paris: Presses Universitaires de Grenoble, 2011.

PAISAGEM VAZIA. Veja, n. 158, 15/ 09/ 1971.

PINDORAMA. O Globo, 18/03/72.

PINTO, Carlos. E. P. de. O futuro do pretérito: a representação da história em filmes cinemanovistas (1968-1980). Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

PINTO, Carlos. E. P. de. Luz, câmera, política! Pindorama e a busca pela identidade histórica brasileira. In: Anais eletrônicos [do] XIII Encontro de História Anpuh-Rio - Identidades, 2008.

PINTO, Carlos. E. P. de. História, sexo, risos: quem tem medo de Xica da Silva? Fronteiras (Florianópolis), v. 1, p. 33-52, 2013a.

PINTO, Carlos. E. P. de. Relatos Fantasmas: os filmes históricos cinemanovistas e a política cultural da ditadura civil-militar nos anos 1970. REBECA. Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual, v. Ano 2, p. 62-88, 2013b.

PINTO, Carlos. E. P. de. Sob o signo da ambiguidade: uma análise de Anchieta, José do Brasil. Significação-Revista de Cultura Audiovisual, v. 40, p. 74-95, 2013c.

ROSENSTONE, Robert. A história nos filmes, os filmes na história. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

XAVIER, Ismail. O cinema brasileiro moderno. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

Publicado
2015-01-29
Como Citar
Pinto, C. E. P. de. (2015). Quatrocentos anos num filme: Pindorama (Arnaldo Jabor, 1971) e a relação dos cinemanovistas com a história. Resgate: Revista Interdisciplinar De Cultura, 22(2), 47-54. https://doi.org/10.20396/resgate.v22i28.8645778