O Teatro de Mamulengos de ontem e de hoje: a importância do reconhecimento do Teatro de Bonecos Tradicional Brasileiro como patrimônio imaterial cultural do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v23i30.8645807

Palavras-chave:

Teatro de bonecos. Teatro de Mamulengos. Patrimônio cultural

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão sobre o Teatro de Mamulengos na atualidade à luz de sua história, acentuando sua resistência como manifestação cultural ao longo dos tempos.  Discorre sobre aspectos relacionados ao recente reconhecimento deste teatro como patrimônio imaterial e cultural do Brasil, pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Para tanto, utiliza bibliografia específica e entrevista com Danilo Cavalcanti, mamulengueiro e organizador do Encontro de Mamulengos, festival de grande relevância na área. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kely Elias de Castro, Instituto de Artes - Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Atriz, educadora e pesquisadora nas áreas de : teatro de animação, processos de criação do ator, teatro e educação e poética da cena. Doutoranda em Artes Cênicas no Instituto de Artes da UNESP, onde sob orientação do Prof. Dr. Wagner Araújo Cintra estuda a trajetória do grupo teatral Sobrevento. Mestra em Artes pela Escola de Comunicação e Artes da USP. Orientada pelo Prof. Dr. Felisberto Sabino da Costa e com o apoio da FAPESP sua pesquisa de mestrado teve como foco o trabalho de criação do ator no Teatro de Animação Contemporâneo. Graduada em Educação Artística - Habilitação em Artes Cênicas pelo Instituto de Artes da Unesp em 2004. Desde 2004 atua profissionalmente como atriz. De 2009 à 2013 integrou a Cia Truks Teatro de Bonecos, atuando em todos os espetáculos de repertório da companhia, tendo participado do processo de criação de tês deles: Isto Não é Um Cachimbo, Os Vizinhos e Por Uma Estrela. Possui pesquisa empírica como atriz solista, em que integra atuação com objetos e bonecos, "contação de histórias" e música. Em consequência desta investigação fundou a Cia AnimaLenda em 2010 onde criou, em parceria com os músico Vinícius Camargo, diversos repertórios de "contações de histórias" e os espetáculos A Moça da Janela (2011) e Furdunçu no Casamento de Marieta (2015). Atua também como educadora na área de Teatro, atualmente ministrando oficinas e cursos sobre o tema "atuação como objetos e bonecos". Na área de arte-educação já atuou em importantes projetos como Teatro Vocacional, Formação de Público, Escola da Família e trabalhou como professora do ensino formal na rede municipal de ensino.

Referências

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. 1955. Disponível em: http://ideafixa.com/wp-content/uploads/2008/10/texto_wbenjamim_a_arte_na_era_da_reprodutibilidade_tecnica.pdf. Acesso em: 08 jul. 2015.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1987, v. 1.

BORBA FILHO, Hermilo. Fisionomia e Espírito do Mamulengo. Rio de Janeiro: INACEN, 1987.

BRASIL. Ministério da Cultura. Dossiê Interpretativo Registro do Teatro de Bonecos Tradicional do Nordeste: Mamulengo, Casimiro Coco, Babau e João Redondo. Brasília: Iphan, 2014.

BROCHADO, Isabela. A participação do público no Mamulengo. Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Jaraguá do Sul, v. 3, n. 3, p. 36-37, 2007.

BROCHADO, Isabela. O mamulengo e as tradições africanas do teatro de bonecos. Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Jaraguá do Sul, v. 2, n. 2, p. 140-155, 2006.

BROCHADO, Isabela. Teatro de bonecos popular do nordeste – Mamulengo, babau, Casimiro Coco: Patrimônio Cultural do Brasil. Arte da cena, Goiânia, v.1, n.2, p. 67-87, 2015. Disponível em: http://www.revistas.ufg.br/index.php/artce/index. Acesso em: 12 jul. 2015.

CANCLINI, Néstor García. O patrimônio cultural e a construção imaginária do nacional. Revista do Iphan, v. 3, n. 23, p. 94-115, 1994.

CAVALCANTI, Danilo. Entrevista, mar. 2015. Entrevistadora: Kely Elias de Castro. Itanhaém, SP. Arquivo digital. Entrevista concedida exclusivamente para este artigo (não transcrita, não publicada).

COSTA, Felisberto Sabino da. A Poética do Ser ou Não Ser: procedimentos dramatúrgicos no Teatro de Animação. 2001. Tese (Doutorado em Artes) – Universidade de São Paulo, São Paulo. 2001.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2007. (Coleção Museu, Memória e Cidadania).

SANTOS, Fernando Augusto Gonçalves. Mamulengo: o teatro de bonecos popular no Brasil. Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Jaraguá do Sul, v. 3, n. 3, p. 16-35, 2006.

SIMÕES, Chico. Mamulengueiro é ator? Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Jaraguá do Sul, v. 1, n. 1, p. 119-145, 2005.

Downloads

Publicado

2015-12-23

Como Citar

CASTRO, K. E. de. O Teatro de Mamulengos de ontem e de hoje: a importância do reconhecimento do Teatro de Bonecos Tradicional Brasileiro como patrimônio imaterial cultural do Brasil. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 69–80, 2015. DOI: 10.20396/resgate.v23i30.8645807. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8645807. Acesso em: 4 dez. 2021.