A violência institucionalizada pela indústria cultural: debates educativos

Palavras-chave: Violência. Indústria cultural. Debates. Educação

Resumo

As obras cinematográficas nos oferecem rica matéria-prima para novos entendimentos de mundo, de cultura e de linguagens que podem ser reconstruídos em diferentes contextos, bem como lançam questões sensíveis e ambíguas, que surgem como inquietações para aprender a pensar sobre a violência institucionalizada. Por meio de uma abordagem hermenêutica, interpretamos e compreendemos a série Game of Thrones como uma possibilidade de estabelecer um contraponto às complexas dinâmicas da violência física na arena social, pois há questões técnicas vinculadas ao mercado subjacentes ao filme que nos provocam reflexões sobre os problemas pungentes na vida contemporânea. A educação, nesse sentido, possui uma dimensão política de desafiar com a própria obra cinematográfica os padrões instituídos, viabilizando novos debates à reeducação dos modos de agir massificados e violentos, a fim de respeitar e valorizar as diferenças socioculturais. Somente por um caminho de infindável reconciliação com o outro em suas diferenças e conflitos sociais poderemos superar o sentimento individualista diante da violência e das permanentes relações controversas e conflitos que nos assolam. Os resultados indicam que é preciso levar em consideração a forma institucionalizada em que a educação se concretiza como apropriação de conhecimentos da indústria cultural, para superar as obviedades e banalidades do mundo e instaurar diálogos educativos menos opressores, apassivadores e conformistas, articulando projetos sociais contra a reincidência ou perpetuação das violências comercializadas e outros tipos de barbárie na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adilson Cristiano Habowski, Universidade La Salle
Graduado em Teologia e Mestrando em Educação pela Universidade La Salle. Membro do Núcleo de Estudos sobre Tecnologias na Educação - NETE/CNPq.
Elaine Conte, Universidade La Salle
Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente é professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNILASALLE. Líder do Núcleo de Estudos sobre Tecnologias na Educação - NETE/CNPq.
Lilian Soares Alves Branco, Universidade La Salle
Graduada em Pedagogia Multimeios (PUCRS) e Mestranda em Educação pela Universidade La Salle. Membro do Núcleo de Estudos sobre Tecnologias na Educação - NETE/CNPq.

Referências

ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

ADORNO, Theodor W. Palavras e sinais – modelos críticos. Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

ADORNO, Theodor W; HORKHEIMER, Max. A Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

ADORNO, Theodor W. O Fetichismo na Música e a Regressão da Audição. São Paulo: Nova Cultura, 1996. (Col. Os Pensadores).

ADORNO, Theodor W. Indústria cultural e sociedade. Trad. Julia Elisabeth Levy. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

ADORNO, Theodor W. Teoria da semicultura. Trad. Newton Ramos-de-Oliveira, Bruno Pucci, Claudia B. Moura Abreu. Educação & Sociedade: revista quadrienal de ciência da educação, Campinas, ano XVII, n. 56, p. 388-411, dez./ 1996.

ADORNO, Theodor W. A indústria cultural. In: COHN, Gabriel (org.). Theodor Adorno. São Paulo: Ática, 1986. (Col. Grandes Cientistas Sociais).

BECKER, Fernando. Freire e Piaget em Relação: um ensaio interdisciplinar. Educação e debate, Mauá, v. 1, p. 46-53, mar. 1998.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. v. 1. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras escolhidas).

FREIRE, Paulo. Política e educação. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREITAS, Verlaine. Adorno e a arte. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

Game of Thrones. HBO / Home Box Office. Criador: David Benioff e D. B. Weiss. Produção: Bernadette Caulfield, Frank Doelger, David Benioff, D. B. Weiss, Lynn Styles e George R. R. Martin. (2011-2016).

HABERMAS, Jürgen. O Discurso Filosófico da Modernidade. Lisboa: Dom Quixote, 1990.

HORKHEIMER, Max. Teoria Tradicional e Teoria Crítica. In: BENJAMIN, W.; HORKHEIMER, M.; ADORNO, T. W.; HABERMAS, J. Textos Escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1991. (Os Pensadores).

KANT, I. Resposta à pergunta: que é esclarecimento (Aufklãrung)?. In: KANT, I. Textos seletos. Petrópolis: Vozes, 1974. p. 101-117.

LATOUR, Bruno. Reflexão Sobre o Culto Moderno aos Deuses Fe(i)tiches. Trad. Sandra Moreira. Bauru: EDUSC, 2002.

LOUREIRO, Robson. Educação, cinema e estética: elementos para uma reeducação do olhar. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 33, n.1, p. 135-154, jan/jun. 2008. Disponível em: < http://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/6691>. Acesso em: 12 maio 2017.

TÜRCKE, Christoph. Sociedade excitada: filosofia da sensação. Campinas: Editora da Unicamp, 2010.

VANOYE, Francis; GOLIOT-LÉTE, Anne. Ensaio sobre a análise fílmica. São Paulo. Papirus Editora, 2005.

ZANOLLA, Rosa Silva. Educação e barbárie: aspectos culturais da violência na perspectiva da teoria crítica da sociedade Sílvia. Soc. e Cult., Goiânia, v. 13, n. 1, p. 117-123, jan./jun. 2010.

ZUIN, Antônio. Copiar, colar e deletar: a Internet e a atualidade da semiformação. Pro-Posições, Campinas, v. 24, n.3, p. 139-159, set./dez. 2013.

ZUIN, Antonio A. S.; PUCCI, Bruno; OLIVEIRA, Nythamar Ramos de. Adorno: O poder educativo do pensamento crítico. Petrópolis: Vozes, 2008.

Publicado
2018-02-12
Como Citar
Habowski, A. C., Conte, E., & Branco, L. S. A. (2018). A violência institucionalizada pela indústria cultural: debates educativos. Revista Internacional De Educação Superior, 4(2), 481-498. https://doi.org/10.20396/riesup.v4i2.8651336