As bases institucionais da política de extensão universitária

entendendo as propostas de universidades federais nos planos de desenvolvimento institucional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/riesup.v5i0.8652870

Palavras-chave:

Extensão universitária, Bases institucionais, Universidade pública

Resumo

A política de extensão universitária tem como princípio promover a comunicação entre a universidade e a comunidade, cuja finalidade é a divulgação do conhecimento. Partindo deste pressuposto, adotamos como objetivo neste estudo, analisar a política de extensão de universidades públicas federais, tendo como base as orientações declaradas nos Planos de Desenvolvimento Institucional. A metodologia adotada foi a abordagem qualitativa, embora apareçam dados em percentuais, mas como a análise não resulta em um aprofundamento estatístico propriamente dito, dizemos que se trata de uma pesquisa, predominantemente, qualitativa. A técnica de coleta de dados baseou-se nos princípios da análise documental, adotando como objeto os Planos de Desenvolvimento Institucional de 27 universidades federais, com sede nas capitais. A síntese conclusiva aponta para o seguinte entendimento: a política de extensão na universidade pública brasileira, conforme está posta nos documentos, remete ao cumprimento da função social e educacional, de formação acadêmica, com a implementação de ações de caráter teórico-prático para a promoção do conhecimento e da cultura, do acesso ao saber e à solidariedade humana, de forma participativa, dialógica e de valorização de parcerias.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raimunda Maria da Cunha Ribeiro, Universidade Estadual do Piaui

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Professora Adjunto Nível III da Universidade Estadual do Piauí.

Referências

ANDRÉ, Marli E. A. Técnicas qualitativas e quantitativas de pesquisa: oposição ou convergência. Cadernos CEPU, n. 3, Série II, p. 161-165, 1991.

ANTÔNIO DE PAULA, João. A extensão universitária: história, conceito e propostas. Interfaces Revista de Extensão, v. 1, n. 1, p. 05-23, jul./nov. 2013.

BARDIN, Lurence. Análise de conteúdo. Lisboa: 70-LDA, 2010.

BRASIL. Constituição Federal. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Decreto n. 19.831, de 11 de abril de 1931. Dispõe que o ensino superior no Brasil obedecerá, de preferência, ao systema universitário, podendo ainda ser ministrado em institutos isolados, e que a organização technica e administrativa das universidades é instituída no presente Decreto, regendo-se os institutos isolados pelos respectivos regulamentos, observados os dispositivos do seguinte Estatuto das Universidades Brasileiras. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19851-11-abril-1931-505837-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 15 mar. 2018.

BRASIL. Decreto n. 6.495, de 30 de junho de 2008. Institui o Programa de Extensão Universitária – PROEXT. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/decreto/d6495.htm. Acesso em: 23 mar. 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Senado Federal, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 23 mar. 2018.

BRASIL. Lei 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/109783/lei-5540-68. Acesso em: 23 mar. 2018.

CARBONARI, Maria Eliza Ehrhardt; PEREIRA, Adriana Camargo. A extensão universitária no Brasil, do assistencialismo à sustentabilidade. Revista de Educação, Itatiba, v. 10, n. 10, p. 23-28, 2007.

CASADO, Frank Leonardo; SILUK, Julio Cezar Meirese; ZAMPIERI, Nilza Luiza Venturine. Universidade empreendedora e desenvolvimento regional sustentável: proposta de um modelo. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, v. 5, Edição Especial, p. 633-650, dez. 2012.

CUNHA, Luiz Antônio. A universidade temporã: o ensino superior da Colônia à Era Vargas. São Paulo: Unesp, 2007.

DUARTE, Roberto Gonzalez; LIMA JÚNIOR, Antônio Ferreira de; BATISTA, Raquel Viana Lessa. O processo de internacionalização das instituições de ensino superior: o caso das Pontifícias Universidades Católicas de Minas Gerais e do Paraná. E&G Economia e Gestão, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 1-178, 2007.

JEZINE, Edineide. As práticas curriculares e a extensão universitária. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, 2., 2004, Belo Horizonte. Anais. Belo Horizonte: [s.n.], 2004. p. 1-6. Disponível em: https://www.ufmg.br/congrext/Direitos/area_de_direitos_humanos.html. Acesso em: 23 mar. 2018.

LEITE, Márcia da Silva Pereira. Políticas sociais e cidadania. PHYSIS. Revista de Saúde Coletiva, v. 1, n. 1, p. 117-131, 1991.

MAZZILLI, Sueli. Ensino, pesquisa e extensão: reconfiguração da universidade brasileira em tempos de redemocratização do Estado. RBPAE, v. 27, n. 2, p. 205-221, maio/ago. 2011.

MORGADO, José Carlos. Processo de Bolonha e ensino superior num mundo globalizado. Edu. Soc., Campinas, v. 30, n. 106, p. 37-62, jan./abr. 2009.

NOGUEIRA, Maria das Dores Pimentel (Org.). Extensão universitária: diretrizes conceituais e políticas. Documentos básicos do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras 1987–2000. Belo Horizonte: PROEX/UFMG, 2000. Disponível em: http://proex.ufsc.br/files/2016/04/Política-Nacional-de-Extensão-Universitária-e-book.pdf. Acesso em: 14 mar. 2018.

NOGUEIRA, Maria das Dores Pimentel. Fórum de Pró-reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras: um ator social em construção. Interfaces Revista de Extensão, v. 1, n. 1, p. 35-47, jul./nov. 2013.

OLIVEIRA, Carlos Eduardo C. de; ROCHA, Saulo José dos Santos. Estado, políticas públicas e extensão universitária. Revista de Desenvolvimento Econômico, ano 13, n. 22, p. 121-129, 2010.

PERNALETE, Mariela Torres; ORTEGA, Mirian Trápaga. Responsabilidad social de la universidad: retos y perspectivas. Buenos Aires: Paidós, 2010.

POLÍTICA NACIONAL DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Fórum de Pró-Reitores das Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras. Manaus: 2012. Disponível em: http://proex.ufsc.br/files/2016/04/Política-Nacional-de-Extensão-Universitária-e-book.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

SANTOS, Boaventura Sousa. A universidade no século XXI. São Paulo: Cortez, 2004.

SANTOS, Boaventura Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 2010.

SAVIANI, Dermeval. Ensino público e algumas falas sobre universidade. São Paulo: Cortez, 1985.

VALLAEYS, François. O que significa responsabilidade social universitária? Estudos, v. 24, n. 36, p. 35-56, jun. 2006.

Publicado

2019-01-11

Como Citar

RIBEIRO, R. M. da C. As bases institucionais da política de extensão universitária: entendendo as propostas de universidades federais nos planos de desenvolvimento institucional. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 5, p. e019021, 2019. DOI: 10.20396/riesup.v5i0.8652870. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8652870. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Pesquisas