Formação profissional e CTS

uma abordagem dos institutos federais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/riesup.v5i0.8653374

Palavras-chave:

Ciência, tecnologia e sociedade. Institutos federais. Formação profissional.

Resumo

Este texto faz uma abordagem dos princípios da formação profissional dos Institutos federais (IFs) e sua correlação com a abordagem Ciência Tecnologia e Sociedade (CTS). Seu objetivo foi mostrar como os IFS contribuem para pensar a formação profissional na perspectiva CTS, isto é, de forma socialmente engajada. A partir de uma apresentação crítica do campo CTS e do tipo de formação profissional a ele associado, foram indicadas as bases ético-políticas da educação no IFs retomando o documento relativo a suas concepções e diretrizes e a lei de sua criação, a Lei nº 11.892. Mostra-se que os Ifs se apresentam como um espaço privilegiado para a formação CTS, podendo ser ocasião para a associação dessa com uma concepção de formação profissional de trabalhadores, pesquisadores e cidadãos capazes de intervir nos processos de decisão pública envolvendo ciência tecnologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sidney Reinaldo da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná

Doutor em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas. Professor de Filosofia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná - Campus Paranaguá.

Rodrigo Rafael Fernandes, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Paraná

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Paraná.

Referências

ACEVEDO-DÍAZ, José Antonio; GARCÍA-CARMONA, Antonio. Controversias en la historia de la ciencia y cultura científica. Madrid: Catarata, 2017, 108 p. ISBN: 978-84-9097-323-3. Disponível em: https://www.oei.es/historico/salactsi/Controversias.pdf. Acesso em: 15 maio2018.

ARAÚJO, A. B.; SILVA, M. A. Ciência, tecnologia e sociedade; trabalho e educação: possibilidades de integração no currículo da educação profissional tecnológica. Rev. Ensaio, Belo Horizonte, v. 14, n. 01, p.99-112, jan.-abr., 2012. ISSN 1983-2117. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/epec/v14n1/1983-2117-epec-14-01-00099.pdf. Acesso em: 15 set. 2017.

BETTELHEIM, C. A luta de classes na União Soviética. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979, 320 p. ISBN: 9721013278.

BRASIL. Decreto nº 7.566, De 23 de Setembro de 1909. Crêa nas capitaes dos Estados da Republica Escolas de Aprendizes Artifices, para o ensino profissional primario e gratuito. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1900-1909/decreto-7566-23-setembro-1909-525411-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 20 ago. 2017.

BRASIL. O plano de desenvolvimento da educação: razões, princípios e programas. Brasília, DF: MEC, 2007, 43 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/livro/livro.pdf. Acesso em: 15 maio2018.

BRASIL, Histórico. Portal da rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (atualizado em 2016). Disponível em: http://redefederal.mec.gov.br/historico. Acesso em: 11 fev. 2018.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União-Seção 1 -30/12/2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm. Acesso em: 20 ago. 2017.

BRASIL. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia: um novo modelo em educação profissional e tecnológica –concepção e diretrizes. Brasília: SETEC –MEC, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=6691-if-concepcaoediretrizes&Itemid=30192. Acesso em: 12 jul. 2017.

CIAVATTA, M. O ensino integrado, a politécnica e a educação omnilateral. Por que lutamos? Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v.23, n.1, p. 187-205, jan.-abr. 2014. ISSN 1516-9537. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/7693/5935. Acesso em: 21 jul. 2017.

DAGNINO, R; BRANDÃO, F. C.; NOVAES, H. T. Sobre o marco analítico conceitual da tecnologia social. In: DE PAULO, A.; MELLO, C. (Ed.). Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004.p. 15-64. ISBN 85-86392-13-8. Disponível em: https://www.oei.es/historico/salactsi/Teconologiasocial.pdf. Acesso em: 15 set. 2017.

DAGNINO, R. (Org.) Tecnologia social e economia solidária: construindo pontes. [Documento de trabalho do curso Gestão Estratégica em Tecnologia Social]. Campinas: Gapi/Unicamp, 2012. mimeo.

DAGNINO, R. A tecnologia social e seus desafios. In: DAGNINO, R. (Org.). Tecnologia social: ferramenta para construir outra sociedade. 2. ed. rev. ampl. Campinas: Komedi, 2010.p. 53-70. ISBN 978-85-85369-08-8.

DAGNINO, R. Para que ensinar CTS? Revista Brasileira de gestão e desenvolvimento regional, v. 10, n. 3, p. 156-183, set/2014. ISSN 1809-239x. Disponível em: http://www.rbgdr.net/revista/index.php/rbgdr/article/view/1476. Acesso em: 11 abr. 2018.

DAGNINO, R. Ajudando a pensar a universidade pública. Jornalggn, 14/08/2016. Disponível em: https://jornalggn.com.br/noticia/ajudando-a-repensar-nossa-universidade-publica-por-renato-dagnino. Acesso em: 19 set. 2017.

DANTAS, Éder; SOUZA JUNIOR, Luiz. Na contracorrente: a política do governo lula para a educação superior. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, Caxambu, 32., 2009. Anais eletrônicos. Caxambu: ANPED, 2009.p. 1-17. Disponível em: http://32reuniao.anped.org.br/arquivos/trabalhos/GT11-5581--Int.pdf. Acesso em: 23 ago. 2017. (“Sociedade, cultura e educação: novas regulações?).

EAGLETON, Terry. As ilusões do pós-modernismo. Rio de Janeiro: Zahar, 1996. p. 144. ISBN-8571104631.

FEENBERG, A. CriticaI theory of technology. New York: Oxford University Press, 1991, 256 p. ISBN: 7301082207.

FEENBERG, A. Racionalización semocrática: tecnologia, poder y líbertad. 1992. Disponível em http://www-rohan.sdsu.edu. Acesso: 12 mar. 2017.

FEENBERG, A. Transforming technology. New York: Oxford University Press, 2003,218 p. ISBN 0-19-514615-8.

FRIGOTTO, G., CIAVATTA, M.; RAMOS, M. A gênese do Decreto n. 5154/2004: um debate no contexto controverso da democracia restrita. In: FRIGOTTO, G., CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (Org.). Ensino médio integrado: concepções e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.p. 21-56. ISBN: 9788524919855

FRIGOTTO, G. DICKMANN, I. PERTUZATTI, I. Currículo integrado, ensino médio técnico base nacional comum curricular: entrevista com Gaudêncio Frigotto. Revista e-Curriculum, São Paulo, v.15, n3, p. 871-884, jul./set. 2017. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/download/30272/23739. Acesso em: 19 mar. 2018.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Tradução de. Carlos Nelson Coutinho. 4. a edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982, 244 p. ISBN 85-200-0097-5.

HERRERA, A. Los determinantes sociales de la política científica en América Latina. Política científica explícita y política científica implícita, Redes, v. 2, n. 5, diciembre, p. 117-131,1995. ISSN: 1851-7072. Disponível em: http://docs.politicascti.net/documents/Teoricos/Herrera.pdf. Acesso em: 12 maio2017.

JESUS, V. M. B. de; COSTA, A. B. Tecnologia social: breve referencial teórico e experiências ilustrativas. In: COSTA, A. B. Tecnologia social e políticas públicas. Brasília: Fundação Banco do Brasil, 2013. p. 17-33. ISBN: 978-85-7561-063-3

LACEY, H. Como devem os valores influenciar a ciência? Filosofia Unisinos, v.6, n.1, p. 41-54, jan/abr 2005. ISSN: 1984-8234. Disponível em: revistas.unisinos.br/index.php/filosofia/article/view/6333/3482. Acesso em: 20 jul 2017.

LACEY, H. Is science value free? London: Routledge, 1999, 304 p. ISBN: 0415349036.

LINSINGEN, I. CTS na educação tecnológica: tensões e desafios. In: Congreso Iberoamericano de Ciencia, Tecnología, Sociedad y Innovación CTS+I, 1º, 2006. Memórias del Congreso IberoCTS+I. México D.F: UNAM, 2006. v.1, p. 1-14. Disponível em: https://www.oei.es/historico/memoriasctsi/mesa4/m04p18.pdf. Acesso em: 15 out. 2017.

LORENZETO, V. C.; MOREIRA, A. F. Uma reflexão sobre abordagem CTS e sua relação com a Educação profissional e tecnológica em contexto brasileiro. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA, 4., Anais ...Belo Horizonte: CEFET-MG, 2014, p. 1-15. ISSN 1983-1315. Disponível em: http://www.senept.cefetmg.br/site/AnaisSENEPT/anaisIVsenept.html. Acesso em: 20 set. 2017. (Tema: Perspectivas para a Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica no cenário brasileiro atual).

MÉSZÁROS,1. Para além do capital. Campinas: Editora da Unicamp, 2002. 1104 p. ISBN: 9788575590010.

MORENO, Arley. Área de humanidades na universidade tecnológica. In: BITTENCOURT, A.; FERREIRA, N. Formação humana e gestão da educação: a arte de pensar ameaçada. São Paulo: Cortez, 2008. p.83-101. ISBN: 9788524914485

NASCIMENTO, A.; RODRIGUES, M.; NUNES, A. O. A pertinência do enfoque ciência, tecnologia e sociedade (CTS) na educação profissional e tecnológica. RBEPT, v. 2, n. 11, p. 117-129, 2016. ISSN: 2447-1801. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/5457. Acesso em: 25 ago. 2017.

NOBLE, D. Social choice in machine design. In: ZIMBALIST, A. (Org.). Case 112 Studies on the labor process.New York: Monthly Review Press, 1989.p. 103-135. ISBN:1412818281.

NOVAES, H. DAGNINO, R. O fetiche da tecnologia. ORG & DEMO, v.5, n.2, p.189-210, 2004.ISSN: 1519-0110.

PINHEIRO, N. A. M.; SILVEIRA, R. M. C. F.; BAZZO, W. A. O contexto científico tecnológico e social acerca de uma abordagem crítico-reflexiva: perspectiva e enfoque. Revista Iberoamericana de Educación, v. 49, n.1, p. 1-14, 2009. ISSN: 1681-5653. Disponível em: https://rieoei.org/RIE/article/view/2116. Acesso em: 18 jul. 2017.

SANTOS, W. L. P; MORTIMER, E. F. Tomada de decisão para ação social responsável no ensino de ciências. Ciência & Educação, v.7, n.1, p.95-111, 2001. ISSN 1980-850X. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132001000100007. Acesso em: 27 set. 2017.

SAVIANI, Dermeval. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: FERRETTI, C.J. et al. (Org.) Novas tecnologias, trabalho e educação. Petrópolis /RJ: Vozes, 1994. p. 151-166. ISBN: 9788532611758

SAVIANI, Dermeval. O Plano de Desenvolvimento da Educação: Análise do Projeto do MEC. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 100 -Especial, p. 1231-1255, out. 2007. ISSN 1678-4626. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a2728100.pdf. Acesso em: 19 out. 2017.

SILVA, S. R.; FERNANDES, R.R. Institutos Federais: uma articulação entre Ciência, Tecnologia e Sociedade?. In: JORNADAS LATINO-AMERICANAS DE ESTUDOS SOCIAIS DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA, 11., 2016. Curitiba. Anais eletrônicos..., Curitiba: ESOCITE, 2016. Disponível em: http://www.esocite2016.esocite.net/resources/anais/. Acesso em: 20 mai. 2018. (Tema: ESOCITE 21 Anos: Trajetórias plurais entre passados e futuros).

UNIVERSIDADE DE HAVARD. Program on science, technology and society. (2018). Disponível em: http://sts.hks.harvard.edu/about/whatissts.html. Acesso em: 11 fev. 2018.

VELHO, L. Conceitos de ciência e a política científica, tecnológica e de inovação. Sociologias, Porto Alegre, ano 13, no 26, p. 128-153, jan./abr. 2011. ISSN:1807-0337. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/soc/v13n26/06.pdf. Acesso em: 14 mai. 2018.

WINNER. L. Artefatos têm política? Trad. Fernando Manso. In: WINNER. L. The Whale and the Reactor – a search for limits in an age of high technology. Chicago: The University of Chicago Press, 1986.p. 19-39. ISBN: 0226902110. Disponível em: http://www.necso.ufrj.br/Trads/Artefatos%20tem%20Politica.htm. Acesso em: 18 nov. 2017.

Publicado

2019-01-11

Como Citar

SILVA, S. R. da; FERNANDES, R. R. Formação profissional e CTS : uma abordagem dos institutos federais. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 5, p. e019019, 2019. DOI: 10.20396/riesup.v5i0.8653374. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8653374. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos