Caminhos da educação infantil

da constituição de 1988 até a BNCC

Palavras-chave: Políticas públicas educacionais. Educação infantil. BNCC.

Resumo

Neste artigo, que é parte de dissertação de mestrado, vamos expor e discutir os principais pareceres e princípios dos documentos legais desde a Constituição Federal de 1988 até a BNCC para a Educação Infantil, com o intuito de compreender a contribuição de cada documento para as Políticas de Educação Infantil. Foi baseado nos princípios da metodologia histórico-crítica e foi delineado de forma teórica, bibliográfica e documental, com enfoque qualitativo. Elegemos o procedimento de análise de conteúdos para a descrição, compreensão e interpretação dos materiais encontrados. Os resultados revelam as contradições entre a legislação e a prática educacional, assim como levanta os aspectos históricos constituintes da temática abordada. Pelo contexto, conclui-se que as Políticas Públicas Educacionais para a Educação Infantil necessitam urgentemente de medidas pelas quais os políticos e gestores invistam recursos no âmbito educacional,  tais como: amparo ao professor e os gestores com formação de qualidade (inicial e continuada), planejamento da infraestrutura de trabalho e dos materiais adequando-os à faixa etária, valorização profissional, com a presença de profissionais da educação na elaboração das leis e políticas públicas, entre outras ações. Isso significa deixar de lado as promessas, as incansáveis reformas e a descontinuidade de políticas públicas. E entendemos que a análise da BNCC é indispensável quando estudamos as políticas públicas de educação, pois é o documento mais recente da política curricular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Barbieri de Mello, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões

Mestra em Educação pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões. Fonoaudióloga da Secretaria de Educação (Maravilha do Sul, SC).

Edite Maria Sudbrack, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões

Doutorado e Pós-Doutorado em Educação pela UFRGS. Pró-reitora de Ensino da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões.

Referências

ALVES, Bruna Molisani Ferreira. Infâncias e educação infantil: aspectos históricos, legais e pedagógicos. Dossiê temático. Revista Aleph: Rio de Janeiro, ano V, n. 16, 2011. Disponível em: http://revistaleph.uff.br/index.php/REVISTALEPH/article/view/272/204. Acesso em: 16 fev. 2018.

ALVES FILHO, Manuel. Base Curricular é conservadora, privatizante e ameaça autonomia, avaliam especialistas. Jornal da UNICAMP: Campinas/SP, 2017. Disponível em: http://www.unicamp.br/unicamp/ju/noticias/2017/12/04/base-curricular-e-conservadora-privatizante-e-ameaca-autonomia-avaliam. Acesso em: 21 dez. 2017.

AMORIM, Karen Santos. Estado da arte sobre consciência fonológica na educação infantil no Brasil no período de 2001-2011. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal da Bahia, Salvador/Bahia, 2014.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO (ANFOPE). Repúdio ao processo de elaboração, discussão e aprovação da BNCC e a sua implementação. Posição da ANFOPE sobre a BNCC. Goiânia/GO: 2017. Disponível em: http://www.anpae.org.br/website/noticias/390-2017-09-11-17-16-17. Acesso em: 07 abr. 2018.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO (ANPAE). Comentários iniciais para a discussão do Documento preliminar da Base Nacional Comum Curricular BNCC. Goiânia/GO: 2015. Disponível em: http://www.anpae.org.br/website/documentos/ANPAE-Doc-Preliminar-de-Analise-da-BNCC-02-11-2015.pdf. Acesso em: 07 abr. 2018.

BITTENCOURT, Evaldo de Souza. Políticas de Educação na atualidade como desdobramento da Constituição Federal e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação. In: MORAES, Bianca Mota de. et al. (Org.). Políticas públicas de educação. Rio de Janeiro, RJ: Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro; Universidade Federal Fluminense, 2017. 113 p. ISBN: 978-85-93489-01-3.

BRASIL, 1988. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: http://Legis.senado.leg.br/legislacao/ListaTextoSigen.action?norma=579494&id=16434803&idBinario=16434817. Acesso em: 01 maio. 2017.

BRASIL, 1990. Planalto do Governo. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm. Acesso em: 22 jul.2018.

BRASIL, 1996. Planalto do Governo. Lei de Diretrizes e Bases. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 22 jul. 2018.

BRASIL, 1998. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Referenciais curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume3.pdf. Acesso em: 22 jul. 2018.

BRASIL, 1998. Ministério da Educação. Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério. Brasília, 1998. Disponível em: http://mecsrv04.mec.gov.br/sef/fundef/funf.shtm. Acesso em: 22 jul. 2018.

BRASIL, 2007. Ministério da Educação. Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação. Brasília, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/fundeb-sp-1090794249. Acesso em: 22 jul.2018.

BRASIL, 2010. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil / Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9769-diretrizescurriculares-2012&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 15 fev. 2018.

BRASIL, 2014. Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Educação 2014-2024. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Brasília: Edições Câmara, 2014. Disponível: http://www.observatoriodopne.org.br/uploads/reference/file/439/documento-referencia.pdf. Acesso em: 22 jul. 2018.

BRASIL, 2017a. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Linha do Tempo. Brasília, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/linha-do-tempo. Acesso em: 25 jan. 2018.

BRASIL, 2017b. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf. Acesso em: 30 jan.2018.

CARRIJO, Menissa Cícera Fernandes de Oliveira Bessa. Educação infantil e políticas públicas: história, vazios e desafios. Revista da Faculdade de Educação, Cáceres, ano VI, n. 10, 2008.

DANTAS, Elaine Luciana Sobral. Educação Infantil, cultura, currículo e conhecimento: sentidos da discussão. 2016. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.

FREITAS, Luiz Carlos de. Dia D da BNCC: 12 razões para não ser coadjuvante. 2018. Disponível em: https://avaliacaoeducacional.com/2018/03/05/dia-d-da-bncc-12-razoes-para-nao-ser-coadjuvante//. Acesso em: 26 abr. 2018.

G1. Base Nacional Comum Curricular (BNCC) dos ensinos infantil e fundamental é aprovada. Globo Comunicação e Participações S.A: 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/base-nacional-comum-curricular-bncc-e-aprovada-em-conselho.ghtml. Acesso em: 10 abr. 2018.

GOBBATO, Heliana Lia Tissiani. A educação infantil brasileira no contexto das políticas educacionais: do direito à obrigatoriedade. In: SEMINÁRIO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 4., 2016, Joaçaba. Anais do... Joaçaba, SC: Unoesc, 2016. p.85-110.

HAJE, Lara. Fórum Nacional de Educação considera Base Nacional Curricular Comum ilegítima. Câmara dos Deputados: Brasília, 2017. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/educacao-e-cultura/535651-forum-nacional-de-educacao-considera-base-nacional-curricular-comum-ilegitima.html. Acesso em: 02 jun. 2017.

MARSIGLIA, Ana Carolina Galvão. et al. A base nacional comum curricular: um novo episódio de esvaziamento da escola no Brasil. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 9, n. 1, 2017.

MINUSCOLI, Maritânia Ferrazzo. Políticas públicas e educação infantil no Brasil: uma breve análise da (des) construção de uma consolidação da educação infantil como direito. In: IV SEMINÁRIO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 4., 2016, Joaçaba. Anais do... Joaçaba, SC: Unoesc, 2016. p.111-127.

MORENO, Ana Carolina. Base Nacional Curricular não apaga com 'mágica' as desigualdades na educação, dizem especialistas. Globo Comunicação e Participações S.A, G1: 2017a. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/base-nacional-curricular-nao-apaga-com-magica-as-desigualdades-na-educacao-dizem-especialistas.ghtml. Acesso em: 18 dez. 2017.

MORENO, Ana Carolina. Alfabetização antecipada é criticada por impacto no ensino infantil. Globo Comunicação e Participações S.A, G1: 2017b. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/antecipacao-da-alfabetizacao-na-base-curricular-levanta-debate-sobre-o-ensino-infantil.ghtml. Acesso em: 10 abr. 2018.

NEVES, Vanessa Ferra Almeida; CASTANHEIRA, Maria Lúcia; GOUVÊA, Maria Cristina Soares. O letramento e o brincar em processos de socialização na educação infantil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 20, n. 60, p.215-244, jan./mar. 2015.

REIS, Fábio Pinto Gonçalves dos; CUNHA, Delcimar de Oliveira. Políticas públicas e a educação infantil brasileira: problemas, embates e armadilhas. In: PIMENTA, Carlos Alberto Máximo; ALVES, Cecília Pescatores. (Org). Políticas públicas e desenvolvimento regional. Campina Grande: Eduepb, 2010. 211 p. ISBN 978-85-7879-016-5.

SANTOS, João Vitor. Base Nacional Comum Curricular – BNCC: documento determina currículo comum em todo o país para Educação Infantil e Ensinos Fundamental e Médio. Revista do Instituto Humanitas da Unisinos: OHU on-line, ano XVII, n. 516, dez. 2017. Disponível em: http://www.ihuonline.unisinos.br/media/pdf/IHUOnlineEdicao516.pdf. Acesso em: 15 mar. 2018.

SARGIANI, Renan de Almeida. Fases iniciais da aprendizagem da leitura e da escrita em português do Brasil: efeitos dos fonemas, gestos articulatórios e sílabas na aquisição do mapeamento ortográfico. 2016. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano) - USP, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

TRICHES, Eliane de Fátima; ARANDA, Maria Alice de Miranda. A formulação da base nacional comum curricular (BNCC) como ação da política educacional: breve levantamento bibliográfico (2014-2016). Revista on-line de extensão e cultura: Dourados, v. 3, n. 5, p. 81-98, jun. 2017. ISSN 2358-3401. Disponível em: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/realizacao/article/view/6362. Acesso em: 13 mar. 2018.

VIEIRA, Sofia Lerche. Políticas e gestão da educação básica: revisitando conceitos simples. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Recife, v. 23. n. 1. p. 53 – 69, jan./abr. 2007.

ZWETSCH, Patrícia dos Santos; ANTUNES, Jucemara. Da ampliação da oferta ao acesso à educação infantil como direito para as crianças de 0 a 5 anos de idade. In: SEMINÁRIO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 4., 2016, Joaçaba. Anais do... Joaçaba, SC: Unoesc, 2016. p. 129-139.

Publicado
2019-02-03
Como Citar
Mello, A. P. B. de, & Sudbrack, E. M. (2019). Caminhos da educação infantil. Revista Internacional De Educação Superior, 5, e019031. https://doi.org/10.20396/riesup.v5i0.8653416
Seção
Artigos