Estratégias para motivar a aprendizagem da embriologia

um relato de experiência no curso de enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave: Ensino superior, Embriologia, Enfermagem, Aprendizagem significativa, Metodologias ativas

Resumo

O comportamento do discente no Ensino Superior em relação ao seu processo de aprendizagem é tema discutido frequentemente. O início dos currículos na área da saúde é teórico e da área biológica, que pode acarretar em desmotivação para a aprendizagem no aluno ingressante. Presente relato visa apresentar experiência da utilização de metodologias ativas no curso de Enfermagem com o intuito de tornar mais significativo o aprendizado da Embriologia. Essa investigação-ação teve como objetivos: relacionar conteúdos básicos teóricos com as práticas disciplinares e envolver a atenção do aluno com o conteúdo desenvolvido na sala de aula. Aproximação da teoria com a prática profissional foi obtida por meio da participação de monitores nos seminários apresentados pelos discentes. Os monitores contribuíam com relatos de vivências práticas, evidenciando a importância da teoria. Vídeos, esquemas, maquetes, aula prática e roteiro de estudos foram as estratégias utilizadas para acessar o conteúdo, contrapondo o modelo tradicional de aula expositiva. Um espaço extraclasse em rede social foi criado, que permitiu o compartilhamento de material suplementar às aulas. Avaliamos essa investigação-ação por meio da aplicação de um instrumento com perguntas fechadas, associado a relatos dos discentes. Constatamos que a participação dos monitores em sala de aula auxiliou a contextualização da importância da Embriologia para a atuação do profissional de Enfermagem. Por meio dos comentários dos discentes, observou-se que a introdução de estratégias didáticas variadas proporcionou maior participação e motivação. Conclui-se que a oferta diversificada de metodologias de aprendizagem mais interativas são caminhos a serem desenvolvidos na academia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Marcuzzo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Neurociências (UFRGS). Docente do Departamento de Ciências Morfológicas e do Programa de Pós-Graduação em Neurociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Paola Melo Campos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Júlia Schneider, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Claudenilson da Costa Régis, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

AUSUBEL, D. P. Algunos aspectos psicológicos de la estrutuctura del conocimiento. Buenos Aires: El Ateneo, 1973.

CÁRNIO, Evelin Capellari. As ciências básicas e a enfermagem. (Editorial). Rev. Latino-Am. Enfermagem, São Paulo, v.19, n.5, p. 1061-1062, set./out. 2011. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/4414. Acesso em: 19 abri 2018.

CARRARO, Telma Elisa et al. Socialização como processo dinâmico de aprendizagem na enfermagem: uma proposta na metodologia ativa. Invest. educ. enferm, Medellín, v. 29, n. 2, p. 248-254, jul. 2011. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0120-53072011000200010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25 Nov. 2018.

FERNANDES, Juliana. ABREU, Thaynara Alves. DANTAS Anne Joyce Lima. SILVA, Angélica Maria de Sousa. Influência da Monitoria Acadêmica no Processo de Ensino e Aprendizagem. Clínica & Cultura, v.2, n.1, jul./dez. 2016. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/clinicaecultura/article/download/5650/6220. Acesso em: 26 nov. 2018.

FINI, Maria Inês. Inovações no ensino superior. Metodologias inovadoras de aprendizagem e suas relações com o mundo do trabalho: desafios para a transformação de uma cultura. Administração: Ensino e Pesquisa, [S.l.], v. 19, n. 1, p. 176-183, jan. 2018. ISSN 2358-0917. Disponível em: https://raep.emnuvens.com.br/raep/article/view/982. Acesso em: 25 nov. 2018.

FRAGELLI, Taís Branquinho Oliveira. Gamificação como um processo de mudança no estilo de ensino aprendizagem no ensino superior: um relato de experiência. Rev. Inter. Educ. Sup., Campinas (SP), v.4 n.1, 2017, 2017. Disponível em https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8650843/16979. Acesso em: 04 de jun. 2018.

JESUS, Saul Neves de. Estratégias para motivar os alunos. Educação, Porto Alegre, v. 31, n. 1, p. 21-29, jan./abr. 2008. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/download/2753/2101. Acesso em 12 de mar. 2018.

MALNIC, Gerhard. SAMPAIO, Magda Carneiro. O ensino das ciências básicas. Estud. Av., São Paulo, v.8,n.22, set./dez. 1994. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141994000300081. Acesso em: 21 fev 2018.

MATOSO, Leonardo Magela. Lopes. A importância da monitoria na formação acadêmica do monitor: um relato de experiência. Rev Catussaba. v. 3. n. 2 (2014). Disponível em: https://repositorio.unp.br/index.php/catussaba/article/view/567. Acesso em: 17 jan 2018.

MITRE, Sandra Minardi et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva, São Paulo, v. 13, suppl. 2, p. 2133-2144, 2008. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S141381232008000900018&script=sci_abstract&tlng=es. Acesso em: 25 out 2017.

MOORE, Keith L. et al. Embriologia clínica. 10. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2016. ISBN 9788535285031

RAMOS, Susana Isabel Vicente. Motivação acadêmica dos alunos do ensino superior. Psicologia.pt Motivação acadêmica dos alunos do ensino superior. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0677.pdf. Acesso em: 28 nov 2017.

ROGERS, Carl. Liberdade de aprender. 2.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.

ROSÁRIO, Pedro. Comprometer-se com o estudar na universidade: "Cartas do Gervásio ao seu umbigo". Coimbra: Edições Almedina, S.A, 2006.

SILVA, Jaqueline Carvalho e et al. Pesquisa-ação: concepções e aplicabilidade nos estudos em enfermagem. Rev. bras. enferm., Brasília, v. 64, n. 3, p. 592-595, jun. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672011000300026&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25 nov. 2018.

SOBRAL, Dejano Tavares. Motivação do aprendiz de medicina: uso da escala de motivação acadêmica. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 19, n. 1, jan./abr. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v19n1/a05v19n1 Acesso em: 12 mar 2018.

SOBRAL, Fernanda Ribeiro; CAMPOS, Claudinei José Gomes. Utilização de metodologia ativa no ensino e assistência de enfermagem na produção nacional: revisão integrativa. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v.46, n. 1, p. 208-218, fev. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342012000100028&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25. nov. 2018.

THIOLLENT M. Metodologia da pesquisa-ação. 16a ed. São Paulo: Cortez; 2008.

XAVIER, L. N.; OLIVEIRA G. L.; GOMES A. A.; MACHADO, M. F. A. S.; ELOIA, S. M. C. Analisando as metodologias ativas na formação dos profissionais de saúde: uma revisão integrativa. SANARE: Revista de Políticas Públicas, v.13, n.1, p.76-83, 2014. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/436/291. Acesso em: 25. nov.2018.

Publicado
2019-01-11
Como Citar
Marcuzzo, S., Campos, P. M., Schneider, J., & Régis, C. da C. (2019). Estratégias para motivar a aprendizagem da embriologia. Revista Internacional De Educação Superior, 5, e019011. https://doi.org/10.20396/riesup.v5i0.8653470
Seção
Relato de experiências