Inclusão na educação superior

apontamentos sobre a afiliação de universitários com deficiência

Palavras-chave: Inclusão educacional, Educação superior, Aluno com deficiência

Resumo

O presente artigo vincula-se a uma pesquisa cujo objetivo foi compreender a trajetória de afiliação de estudantes com deficiência na Educação Superior. A investigação envolveu cinco universitários de uma instituição de ensino superior federal, com deficiência autodeclarada no formulário de matrícula. O material empírico gerado mediante entrevista semiestruturada foi examinado à luz do Interacionismo Simbólico, perspectiva teórica que parte do pressuposto de que os atores sociais atribuem significado aos seus atos e às interações com base em um código simbólico. A metodologia utilizada foi o estudo de caso e para este texto elegeu-se fragmentos das narrativas dos estudantes que refletem os desafios que circunscrevem as suas trajetórias. A investigação trouxe como resultado a compreensão de que a trajetória universitária dos estudantes com deficiência é marcada por desafios semelhantes aos dos demais estudantes, em termos de estranhamento e aprendizagem dos complexos códigos do universo acadêmico. Contundo, para os primeiros, as demandas de natureza acadêmica precisam coexistir com àquelas de ordem simbólica, como o enfrentamento da discriminação, do preconceito e do julgamento estético em função da diferença/deficiência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gracy Kelly Andrade Pignata Oliveira, Universidade Federal da Bahia

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Pesquisadora vinculada ao Grupo de Pesquisa em Educação Inclusiva e Necessidades Educacionais Especias.

Susana Couto Pimentel, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Professora associada da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, DF: MEC; SEEP, 2008.

BARBOSA, Lívia; DINIZ, Debora; SANTOS, Wederson Rufino dos. Diversidade corporal e perícia médica: novos contornos da deficiência para o Benefício de Prestação Continuada. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 8, p. 377-390, 2009.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2014.

COULON, Alain. Etnometodologia e educação. Petrópolis: Vozes, 1995.

COULON, Alain. A condição de estudante: a entrada na vida universitária. Tradução de: Georgina Gonçalves dos Santos, Sônia Maria Rocha Sampaio. Salvador: EDUFBA, 2008.

COULON, Alain. O ofício de estudante: a entrada na vida universitária. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 1239-1250, out./dez. 2017.

DINIZ, Débora. O que é deficiência. São Paulo: Brasiliense, 2007.

DINIZ, Débora; MEDEIROS, Marcelo; BARBOSA, Lívia. Deficiência e igualdade. Brasília: Letras Livres, EdUnB, 2010.

GLAT, Rosana. Inclusão total: mais uma utopia? Revista Integração, Brasília, ano 8, n. 20, p. 26-28, 1991.

GLAT, Rosana. Integração dos portadores de deficiências: uma questão psicossocial. Temas em Psicologia, n. 2, 89-94, 1995.

GOFFMAN, Erving. Os quadros da experiência social: uma perspectiva de análise. Petrópolis, Editora Vozes, 2012.

GOFFMAN. Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

MATOS, Rosângela da Luz; SAMPAIO, Sônia Maria Rocha. A orientação acadêmica entre a disciplinaridade e a interdisciplinaridade. In: SANTOS, G. G.; SAMPAIO, S. M. R. (Org.). Observatório da vida estudantil: universidade, responsabilidade social e juventude. Salvador: EDUFBA, 2013.

MENDONÇA, Ricardo Fabrino; SIMÕES, Paula Guimarães. Enquadramento: diferentes operacionalizações analíticas de um conceito. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 27 n. 79, jun. 2012.

MYNAIO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9 ed. São Paulo: Hucitec; 2006.

OMOTE, Saldão. Estigma no tempo da inclusão. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.10, n.3, p.287-308, set/dez. 2004.

OLIVEIRA, Soraia Santos; ROSA, Dora Leal. Afiliação universitária de estudantes cotistas e não cotistas: abordagens iniciais no âmbito dos aportes teóricos. Disponível em: http://www.equidade.faced.ufba.br/.../artigo_afiliacao_estudantes_cotistas_e_nao_cotistas.p. Acesso em: 29 de out. 2016.

PAIVANDI, Saeed. Que significa o desempenho acadêmico dos estudantes? IN: SANTOS, G. G.; SAMPAIO, S. M. R.; CARVALHO, A. (Org.). Observatório da vida estudantil: avaliação e qualidade no ensino superior: Formar como e para que mundo? Salvador: EDUFBA, 2015.

SAMPAIO, Sônia; SANTOS, Georgina Gonçalves. O interacionismo simbólico como abordagem teórica aos fenômenos educativos. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 6, jan./jun. 2011.

SANTOS, Jaciete Barbosa. Preconceito e inclusão: trajetórias de estudantes com deficiência na universidade. 2013. 399 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2013.

SILVA, LM. O estranhamento causado pela deficiência: preconceito e experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v.11, n.33, 2006.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução Cristhian Matheus Herrera. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

Publicado
2019-01-11
Como Citar
Oliveira, G. K. A. P., & Pimentel, S. C. (2019). Inclusão na educação superior . Revista Internacional De Educação Superior, 5, e019017. https://doi.org/10.20396/riesup.v5i0.8653637
Seção
Artigos