Reprodução de gênero pela cinematografia

caminhos à educação?

Palavras-chave: Cinema, Gênero, Sexualidade, Educação.

Resumo

A pesquisa debate sobre as ideologias históricas transmitidas pela cinematografia, que causam a perda de sentido, insensibilidade e o enrijecimento intelectual pela ausência de (auto)crítica. Assim, o presente estudo, de caráter hermenêutico, propõe olhar as concepções de gênero e sexualidade veiculadas pelo cinema, na tentativa de rever suas repercussões na experiência do pensar educacional. Os problemas partilhados precisam de uma sensibilidade atenta e crítico-reflexiva frente às produções, para resistir à disseminação de desigualdades, exclusões e preconceitos, única forma de gerar novas compreensões, romper com os modismos e fazer desse dispositivo um veículo agregador de experiências humanizadoras da prática social. Subjacente às produções cinematográficas, sobrevive o domínio da indústria cultural, que em sua lógica de mercado promove a repetição de discursos até que se transformem em verdades apassivadoras frente ao mundo. Nesse cenário de determinações, marcado pela reprodutibilidade técnica, evidenciamos neste estudo que há uma pequena resistência da indústria cinematográfica, que descortina paradigmas de gênero e sexualidade, evidenciando questões contemporâneas. Concluímos que esses artefatos tecnológicos na educação precisam ser explorados sob pena dos processos de ensino não reproduzirem o pensar excludente, preconceituoso e uniformizador, insensível ao outro e à pluralidade de experiências, como caminho profícuo à reeducação que potencializa as diferenças humanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adilson Cristiano Habowski, Universidade la Salle
Mestrado em andamento em Educação pela Universidade La Salle (UNILASALLE).                          
Elaine Conte, Universidade La Salle

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, 2012). Professora da Universidade La Salle.

                   

Referências

ADORNO, Theodor Ludwig Wiesengrund. Indústria Cultural e Sociedade. 5. ed. Trad. Juba Elisabeth Levy.São Paulo: Paz e Terra, 2009.

ADORNO, Theodor Ludwig Wiesengrund; Horkheimer, Max. A Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

ARISTÓTELES. A Política. 1. ed. Tradução Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BORDWELL, David. Estudos de cinema hoje e as vicissitudes da grande teoria. In: Ramos, F. (org.). Teoria contemporânea do cinema. Volume I. São Paulo: Editora Senac, 2005.

CONTE, Elaine. Aporias da performance na educação. (Tese de Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

FEITOSA, Sônia de Melo; LIMA, Marwyla Gomes de; MEDEIROS, Milena Gomes de. Patriarcado e forró: uma análise de gênero. In: Anais... Seminário Internacional Fazendo Gênero 9: Diásporas, Diversidades, Deslocamentos. Florianópolis, 2010.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método II: complementos e índice. Trad. Ênio Paulo Giachini. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

GUBERNIKOFF, Giselle. A imagem: representação da mulher no cinema. Revista conexão - Comunicação e Cultura, Caxias do Sul, vol. 8, n. 15, pp. 65-77, 2009. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conexao/article/view/113/104. Acesso em: 05 fev. 2019.

KAPLAN, Ann. A Mulher e o Cinema: os dois lados da câmera. Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

KAPLAN, Ann. A mulher no cinema segundo Ann Kaplan - entrevista a Denise Lopes. Revista Contracampo, Rio de Janeiro, v.7, n. 1, p. 212, 2002.

LOUREIRO, Robson. Educação, cinema e estética: elementos para uma reeducação do olhar. Educação e Realidade, Porto Alegre. v. 33, n.1, pp. 135-154, 2008. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/6691. Acesso em: 16 fev. 2019.

MALUF, Sônia Weidner. Corporalidade e desejo: Tudo sobre minha mãe e o gênero na margem. Revista Estudos Feministas, ano 10, p. 143-153, 2002. Disponível em: http://marcoaureliosc.com.br/cineantropo/maluf2.pdf. Acesso em: 05 fev. 2019.

MULVEY, Laura. Entrevista. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 13 (2), pp. 351-362, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v13n2/26887.pdf. Acesso em: 04 fev. 2019.

NAPOLITANO, Marcos. Como usar o cinema em sala de aula. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2011.

Publicado
2019-12-05
Como Citar
Habowski, A. C., & Conte, E. (2019). Reprodução de gênero pela cinematografia. Revista Internacional De Educação Superior, 6, e020035. https://doi.org/10.20396/riesup.v6i0.8654759
Seção
Artigos