Educação política nas bases de dados na área da saúde

uma revisão integrativa

Palavras-chave: Política, Ensino, Sistema único de saúde, Revisão

Resumo

Desde o golpe de Estado de 2016 no Brasil, a discussão sobre a educação política retornou à cena educacional com muita força, especialmente no âmbito da saúde com a aceleração do desmonte do SUS (Sistema Único de Saúde). Revisar a literatura científica mundial indexada em bases de dados na área da saúde sobre o conceito de educação política. Tratou-se de uma revisão integrativa teórica, orientada pela captura do conceito de educação política e dos elementos teóricos-educacionais que embasaram esse conceito. Trabalhou-se como os portais Bireme e PubMED e as bases de dados Web of Science e SCOPUS.  A maior parte dos artigos incluídos (17) se encontrou indexados na Bireme (65,4%) e 61,5% (16) apresentaram o conceito de ‘educação política’. Majoritariamente, a concepção de educação política na saúde está associada à ideia de cidadania e contraditoriamente trabalha com as perspectivas críticas da educação. Por fim, os conceitos de educação política foram considerados reduzidos em termos qualitativos, mas esta revisão ajuda a traçar caminhos na ordem de um pensamento mais crítico sobre a educação política considerando a saúde como um direito social em uma sociedade capitalista. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Carnut, Universidade Federal de São Paulo

Professor Adjunto da Universidade Federal de São Paulo. Concluiu o doutorado em Saúde Pública (Política, Gestão e Saúde) pela Universidade de São Paulo.

Raquel Aparecida de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutorado em Enfermagem pela Universidade de São Paulo. É professora Assistente Doutor na Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde- PUC/SP.

Referências

AKERMAN, Marco. Práticas de avaliação em saúde no Brasil: diálogos. Porto Alegre: Rede Unida, 2015. 374 p. (Série Atenção Básica e Educação na Saúde).

ALVES, Edivaldo Alberto Bolsam; SILVA, Márcia Terra. Processo de trabalho em saúde: estudo da relação entre recursos imateriais e resolutividade. Espacios, Caracas, v. 36, n. 16, p. 1-12, 2015.

ARISTÓTELES. A política. Traduzido por R. L. Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

AUGUSTO, Kathiane Lustosa et al. Educação e humanidades em saúde: a experiência do grupo de humanidades do curso de medicina da Universidade Estadual do Ceará (Uece). Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, DF, v. 32, n. 1, p. 122-126, 2008.

BARRETO, Idaly; BORJA, Henry. Violencia política: algunas consideraciones desde la psicología social. Diversitas: Perspectivas en Psicologia, Bogotá, v. 3, n. 1, p. 109-119, 2007.

BENEVIDES, Maria Victoria de Mesquita. Educação para democracia. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, v. 38, p. 223-237, 1996.

BERHENS, Marilda. O paradigma emergente e a prática pedagógica. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

BERHING, Eliane Rossetti. Política social no capitalismo tardio. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autentica, 2013. 206 p.

BOBBIO, Norberto. Capítulo 1. Filosofia política. In: BOBBIO, Norberto. Teoria geral da política: a filosofia política e a lição dos clássicos. Rio de Janeiro: Elsevier; 2000. p. 67-100.

BOSI, Maria Lúcia Magalhães. Desafios atuais para a pesquisa qualitativa: considerações no cenário da saúde coletiva brasileira. Forum Sociológico, Lisboa, v. 24, n. 1, p. 19-26, 2014.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação? 51. reimpr. São Paulo: Brasiliense, 2007.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. A gestão do trabalho e da educação na saúde. Brasília, DF: CONASS, 2011. 120 p. (Coleção Para Entender a Gestão do SUS 2011, 9).

BRASIL. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana, na forma definida nesta Resolução. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2016/res0510_07_04_2016.html. Acesso em: 24 jun. 2019.

BRAVO, Maria Inês de Souza; MENEZES, Juliana Souza Bravo de. A saúde nos governos do Partido dos Trabalhadores e as lutas sociais contra a privatização. Rio de Janeiro: UERJ; Rede Sirius, 2014. 98 p.

BRICEÑO-LEÓN, Roberto. Tendências da pesquisa em ciências sociais e saúde na América Latina: uma perspectiva sociológica. In: CANESQUI, Ana Maria. Dilemas e desafios das ciências sociais na Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Abrasco, 1995. p. 31-47.

CAME, Hather; GRIFFITH, Derek. Tackling racism as a “wicked” public health problem: enabling allies in anti-racism praxis. Social Science and Medicine, United Kingdom, v. 199, p. 181-188, 2018.

CANESQUI, Ana Maria. Ciências sociais e saúde. São Paulo: Hucitec/ABRASCO, 1997. 287 p. (Saúde em Debate, 107).

CARNEIRO, José Mario Brasiliense. Ensina boa política com palavras e testemunhos. Cadernos da Adenauer, Rio de Janeiro, v. 3, p. 111-126, 2010.

CARNUT, Leonardo. Pesquisa social ou pesquisa qualitativa? Uma dis(des)cu(constru)ss(ç)ão em pauta na saúde coletiva. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 43, p. 170-180, 2019.

CARNUT, Leonardo; GORAIEB, Thaís Teodoro; GUERRA, Lúcia Dias da Silva. Educação política e pensamento freireano: sistematizando o diálogo entre luta social e saúde. Revista Educación, Política y Sociedad, Madrid, v. 5, n. 2, p. 1-24, 2020. (No prelo).

CASTELO, Rodrigo. O social-liberalismo: auge da crise da supremacia burguesa na era neoliberal. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

CAVALCANTI NETO, Pedro Gomes; LIRA, Geison Vasaconcelos; MIRANDA, Alcides Silva de. Interesses dos estudantes pela medicina de família: estado da questão e agenda de pesquisa. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, DF, v. 33, n. 2, p.198-204, 2009.

CECCIM, Ricardo Bugg; BILIBIO, Luiz Fernando Silva. Articulação com o segmento estudantil da área da saúde: uma estratégia de inovação na formação de recursos humanos para o SUS. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Projeto piloto da Ver-SUS Brasil: cadernos de textos. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2004. p. 9-31.

CECCIM, Ricardo Bugg; FEUERWERKER, Laura Camargo Macruz. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, p. 1400-1410, 2004.

CECILIO, Luiz Carlos de Oliveira. Escolhas para inovamos na produção do cuidado, das práticas e do conhecimento: como não fazermos mais do mesmo. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 280-289, 2012.

COSTA, Angelo Brandelli et al. Construção de uma escala para avaliar a qualidade metodológica de revisões sistemáticas. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 8, p. 2441-2452, 2015.

CRUZ, Sebastião C. Velasco. 1968: movimento estudantil e crise na política brasileira. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 2, p. 37-55, 1994.

DANTAS, Humberto. Apresentação: o caráter essencial da educação política e o desenvolvimento da democracia no Brasil. Cadernos da Adenauer, Rio de Janeiro, v. 3, p. 7-24, 2010.

DEMIER, Felipe. Da ditadura bonapartista à democracia blindada: regimes políticos e dominação de classe no Brasil recente. In: MATTOS, M. B. Estado e formas de dominação no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequência, 2017. p. 67-102.

DIRETORIA NACIONAL DO CEBES. Em defesa do direito universal à saúde: saúde é direito e não negócio. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 38, n. 11, p. 194-199, 2014.

DRUCK, Graça. Os sindicatos, os movimentos sociais e o governo Lula: cooptação e resistência. OSAL Observatorio Social de America Latina. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, v. IV, n. 19, p. 329-340, 2006.

EFFERTH, Thomas. Didactics of molecular ecology. Theory in Biosciences, Jena, v. 120, n. 2, p. 139-148, 2001.

FRANQUEZ, Reginaldo Tavares. Prescrição de medicamentos por enfermeiros e farmacêuticos: overview de revisões sistemáticas. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Universidade de Sorocaba, Sorocaba, 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. p. 21-45.

GAN, Lu; GAO, Yoggang. Influence of mobile media application on university students' psychological health education. Eurasia Journal of Mathematics, Science and Technology Education, v. 13, n. 10, p. 6973-6978, 2017.

GENTILI. Pablo; MARÍA, Victor Santa; TROTTA, Nicolás. Golpe en Brasil: genealogía de una farsa. Buenos Aires: CLACSO, 2016. 212 p.

GONÇALVES, Patricia Elaine et al. Análise qualitativa do conteúdo ministrado na disciplina de bioética nas faculdades de Odontologia brasileiras. Acta Bioethica, Santiago, v. 16, n. 1, p. 70-76, 2010.

GREENHALGH, Trisha. Como ler artigos científicos: fundamentos da medicina baseada em evidências. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.

GUTIÉRREZ, Francisco. Educação como práxis política. São Paulo: Summus, 1998. 125 p.

HICKLING-HUDSON, Anne. The environment as radical politics: can “Third-World” education rise to the challenge. International Review of Education, Jena, v. 40, n. 1, p. 19-36, 1994.

HUR, Domenico Uhng. Da guerrilha ao Estado: a estratopolítica. Revista Electrónica de Psicología Política, San Luis, v. 12, n. 32, p. 16-36, jul.-ago. 2014.

LAURELL, Asa Cristina. Avançando em direção ao passado: a política social no neoliberalismo. In: LAURELL, Asa Cristina (Org.). Estado e políticas sociais no neoliberalismo. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002. p. 151-178.

LIBÂNEO, J. C. Tendências pedagógicas na prática escolar. In: Práxis Vivida Blog. 2014. Disponível em: https://praxistecnologica.files.wordpress.com/2014/08/tendencias_ pedagogicas_libaneo.pdf. Acesso em: 13 abr. 2019.

LIBONI, Marcos; SIQUEIRA, José Eduardo. Competência moral do estudante de medicina. Revista da Associação Médica Brasileira, Rio de Janeiro, v. 55, n. 2, p. 226-228, 2009.

LIMA, Juliana Gagno et al. Qualidade da atenção básica por tipos de regiões de saúde. (Novos Caminhos, n. 12. Pesquisa Política, Planejamento e Gestão das Regiões e Redes de Atenção à Saúde no Brasil). 2016. Disponível em: http://www.resbr.net.br/wp-content/uploads/2016/07/NovosCaminho12.pdf. Acesso em: 14 mar. 2017.

LOCH, Murialdo; GÜNTHER, Helen Fischer. Estratégias de não mercado: uma revisão integrativa. Revista de Administração FACES Journal, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 80-94, jan.-mar. 2015.

MENDES, Áquilas. Tempos turbulentos na saúde pública brasileira: os impasses do financiamento no capitalismo financeirizado. São Paulo: Hucitec, 2012. 176 p.

MENDES, Karina Dal Sasso; SILVEIRA, Renata Cristina de Campos Pereira; GALVÃO, Cristina Maria. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto & Enfermagem, Santa Catarina, v. 17, n. 4, p. 758-764, 2008.

MICCAS, Fernanda Luppino; BATISTA, Sylvia Helena Souza da Silva. Educação permanente em saúde: metassíntese. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 48, n. 1, p. 170-185, 2014.

MOURA, Marcilene Rosa Leandro. O grêmio estudantil na gestão da escola democrática: protagonismo e resiliência ou despolitização das práticas formativas? Revista Ciências da Educação, São Paulo, ano. 12, n. 23, p. 273-292, 2010.

OCKÉ-REIS, Carlos; GAMA, Filipe Nogueira da. Radiografia do gasto tributário em saúde 2003-2013. Brasília, DF: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 2016. 35 p. (Nota Técnica n. 19).

OTRENTI, Eloá et al. Avaliação de processos educativos formais para profissionais da saúde. Investigación y Educación en Enfermería, Antioquia, v. 32, n. 1, p. 103-112, 2014.

PAIM, Jairnilson da Silva. A reforma sanitária brasileira e o CEBES. Rio de Janeiro: CEBES, 2012. 27 p.

PAIM, Jairnilson Silva. Sistema Único de Saúde (SUS) aos 30 anos. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 6, p. 1723-1728, 2018.

PELLUCHON, Corine. La autonomía quebrada: bioética y filosofía. Colombia: El Bosque, 2008.

PEREIRA, Adriana Lenho de Figueiredo. As tendências pedagógicas e a prática educativa nas ciências da saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 5, p. 1527-1534, 2003.

PINTO, Isabela Cardoso de Matos et al. Trabalho e educação na saúde: a produção técnico-científica. Rio de Janeiro: Abrasco, 2012. 448 p.

PISTRAK, Moisey Mikhaylovich. M. Fundamentos da escola do trabalho: uma pedagogia social. São Paulo: Expressão Popular, 2000.

QUEIROZ, Isabela Saraiva. Adoção de ações de redução de danos direcionadas aos usuários de drogas: concepções e valores de equipes do Programa de Saúde da Família. Pesquisas e Práticas Psicossociais, São João del Rei, v. 2, n. 1, p. 152-163, mar.-ago. 2007.

SAVIANI, Dermeval. A pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 9. ed. Campinas: Autores Associados, 2005.

SCHEFFER, Mario; BAHIA, Lígia. Representação política e interesses particulares na saúde: a participação de empresas de planos de saúde no financiamento de campanhas eleitorais em 2014. 2015. Disponível em:

http://www.abrasco.org.br/site/wp-content/uploads/2015/02/Planos-de-Saude-e-Eleicoes-FEV-2015-1.pdf. Acesso em: 14 mar. 2017.

SELL, Carlos Eduardo. Sociologia clássica: Marx, Durkheim e Weber. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

SOARES, Cassia Baldini et al. Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 48, n. 2, p. 335-345, 2014.

SOUZA, Caroline Gomes. Movimentos sociais na saúde: construindo a advocacia de casos e causas. 2016. Dissertação (Mestrado do Programa de Pós-graduação em Enfermagem) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

SOUZA, Marcela Tavares de; SILVA, Michelly Dias da; CARVALHO, Raquel de. Revisão integrativa: o que é e como fazer? Einstein, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 1, p. 102-106, 2010.

SOUZA, Patrícia Alves de; ZEFERINO, Angélica Maria Bicudo; DA ROS, Marco Aurélio. Currículo integrado: entre o discurso e a prática. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, DF, v.35, n.1, p. 20-25, 2011.

TAQUETTE, Stella Regina; MINAYO, Maria Cecilia de Souza. Análise de estudos qualitativos conduzidos por médicos publicados em periódicos científicos brasileiros entre 2004 e 2013. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 26, n. 2, p. 417-434, 2016.

TAVARES, Clotilde. Iniciação à visão holística. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 1997. p. 76-92.

UNESP. Faculdade de Ciências Agronômicas. Biblioteca Prof. Paulo de Carvalho Mattos. Tipos de revisão de literatura. Botucatu: Faculdade de Ciências Agrônomicas, 2015.

VIDAL, Márcia Rosana Farias de Oliveira Alencar et al. Em busca de uma educação política para estudantes de Odontologia: percepções acerca do fenômeno político e suas aproximações. Revista da ABENO, Londrina, v. 16, n. 1, p. 125-137, 2016.

ZANETTI, Carlo Henrique Goretti. A formação do cirurgião-dentista. In: DIAS, A. A. Saúde bucal coletiva: metodologia de trabalho e práticas. São Paulo: Santos, 2007. p. 21-42.

ZILBOVICIUS, Celso et al. A paradigm shift in predoctoral dental curricula in Brazil: evaluating the process of change. Journal of Dental Education, Washington, v. 75, n. 4, p. 557-564, 2011.

Publicado
2020-02-27
Como Citar
Carnut, L., & Oliveira, R. A. de. (2020). Educação política nas bases de dados na área da saúde . Revista Internacional De Educação Superior, 6, e020042. https://doi.org/10.20396/riesup.v6i0.8656296
Seção
Pesquisas