Tecendo saberes sobre as tecnologias assistivas para o sujeito surdo no ensino superior

Palavras-chave: Ensino superior, Tecnologia assistiva, Sujeito surdo, Regulação

Resumo

Refletir sobre a educação dos sujeitos surdos no Ensino Superior, reporta-nos a encontrar possibilidades junto ao uso das tecnologias assistivas. Esta pesquisa, de cunho bibliográfico, busca analisar como vem sendo regulamentada a acessibilidade do sujeito surdo através de tecnologia assistiva no Ensino Superior e quais dessas podem diminuir as barreiras comunicacionais entre ouvintes e surdos. Traz as principais considerações em uma reflexão sobre a comunidade surda, buscando amparos teóricos para caracterizá-la. Também, abordamos a evolução das tecnologias, realizando uma reflexão sobre a inserção das mesmas no cotidiano, bem como, as principais regulamentações que amparam o cuidado com o sujeito surdo. Ainda, pesquisamos sobre como no campo teórico vem sendo discutida a inclusão dos sujeitos surdos no Ensino Superior e como as IES podem diminuir as barreiras comunicacionais entre os sujeitos ouvintes e os sujeitos surdos. Concluímos que as tecnologias assistivas são instrumentos capazes de facilitar a comunicação entre os sujeitos e que, para haver a inclusão dos sujeitos surdos, precisamos romper as barreiras físicas, metodológicas e atitudinais, visando uma constituir que as IES construam um desenho universal na qual todos se sintam cidadãos com os mesmos direitos para expressarem-se e terem acesso à construção do conhecimento profissional e pessoal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisabete Cerutti, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões

Possui Doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2014). Professora titular da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões

Referências

ADORNO, Theodor Wiesengrund. Educação e emancipação. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

BETTS, D. N. Desafios para o docente do século XXI: o impacto das novas tecnologias de informação e comunicação. In: DANILUK, Ocsana Sônia. (Org).; QUEVEDO, Hercília Fraga de.; MATTOS, Mára Beatriz Pucci de. (Org.). Conhecimento sem fronteira. 1. ed. Passo Fundo: UPF Editora, 2005.

BRASIL. Decreto Federal nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Brasília, 20 de dezembro de 1999. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3298.htm. Acesso em: 28 jul. 2017.

BRASIL. Lei nº 12.319, de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12319.htm. Acesso em: 25 jul. 2017.

GALVÃO FILHO, Teófilo Alves. Tecnologia Assistiva para uma escola inclusiva: apropriação, demandas e perspectivas. 2009. 346 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, UFBA, Salvador, 2009.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GRINSPUN, Mirian Paura Sabrosa Zippin (Org). Educação tecnológica: desafios e perspectivas. São Paulo: 1999.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MORAN, José Manuel. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2012.

MOROSINI, Marilia Costa. Enciclopédia de pedagogia universitária: glossário v. 2. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2006.

NOGARO, Arnaldo. CERUTTI, Elisabete. As TICs nos labirintos da prática educativa. Curitiba: CRV, 2016.

PERNISA JUNIOR, Carlos. VIANA, Fernanda. Interfaces do Saber: o uso das tecnologias digitais na difusão do conhecimento. Impulso, Piracicaba, SP, v. 20, n. 49, jan./jun. 2010.

PINTO, Marcianinha Aparecida. As novas tecnologias e a educação. 2004. Disponível em: http://www.portalanpedsul.com.br/admin/uploads/2004/Poster/Poster/04_53_48_AS_NOVAS_TECNOLOGIAS_E_A_EDUCACAO.pdf. Acesso em: 08 jun. 2017.

SANTAROSA, Lucila Maria Costi. “Escola virtual” para a educação especial: ambientes de aprendizagem telemáticos cooperativos como alternativa de desenvolvimento. Revista de Informática Educativa, Bogotá, Colômbia, v. 10, n. 1, p. 115-138, 1997.

STUMPF, Marianne Rossi. Mudanças estruturais para uma inclusão ética. In: QUADROS, Ronice Muller de. Estudos Surdos III. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2008. p. 14-29.

VALENTE, José Armando. As tecnologias digitais e os diferentes letramentos. Pátio Revista Pedagógica, Porto Alegre, v. 11, p. 12-15, 2007.

VALENTE, José Armando. As tecnologias e a verdadeira inovação. Ensino Fundamental, Pátio Revista Pedagógica, Porto Alegre, v. 14, p. 6-9, 2010.

VALENTINI, Carla Beatris. Inclusão no Ensino Superior: especificidades da prática docente com estudantes surdos. Caxias do Sul: Educar, 2012.

WAGNER, Geovane Cristina. LAZZERI, Cristiane. RAMOS, Fabiane dos Santos. Tecnologia assistiva: uma ferramenta para inclusão escolar. In: SILUK, Ana Cláudia Pavão. (Org.). Atendimento Educacional Especializado: Processos de Aprendizagem na Universidade. 1. ed. 1. Reimpr. Santa Maria: Laboratório de pesquisa e documentação – CE. Universidade de Santa Maria: UFSM, 2014.

Publicado
2020-02-20
Como Citar
Cerutti, E. (2020). Tecendo saberes sobre as tecnologias assistivas para o sujeito surdo no ensino superior. Revista Internacional De Educação Superior, 6, e020040. https://doi.org/10.20396/riesup.v6i0.8656427
Seção
Artigos