A formação da subjetividade empresarial e a implementação da cultura performativa na educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/riesup.v7i0.8658347

Palavras-chave:

Subjetividade empresarial, Performatividade, Políticas educacionais, Educação superior, Trabalho docente

Resumo

O presente artigo tem por objetivo compreender como a formação da subjetividade de cunho empresarial – produtivista e concorrencial - tem potencializado a construção de uma cultura de performatividade competitiva no âmbito da educação superior e impactado sobre as condições de trabalho e o modelo/projeto de vida dos trabalhadores docentes. A captura da subjetividade pela racionalidade toyotista/neoliberal, responsável pela formação de um novo sujeito (autogovernável/gestor de si), enseja a elevação da performance individual, de modo a reduzir os custos reais de produção, e o desenvolvimento de uma nova governança do Estado, centrada na privatização e mercadorização das empresas e dos serviços públicos. Assim, o projeto de reterritorialização capitalista vigorou o processo de mercantilização da educação superior, mediante a expansão do setor privado/mercantil e a crescente subordinação das instituições públicas às regras do mercado. A implementação de políticas de cunho mercantilistas e economicistas têm estimulado a generalização da concorrência e o aumento da performance produtiva das instituições de educação superior (públicas e privadas). O medo/instabilidade e a responsabilização, decorrentes das políticas de avaliação quantitativa e de flexibilização das relações e condições de trabalho, compreende a formação (subjetiva) de um novo profissional da educação, mais eficiente, competitivo e subserviente as condições de trabalho precarizadas. Trata-se de um estudo exploratório, quanto aos objetivos, e bibliográfico, de cunho hermenêutico-analítico, quanto aos procedimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Bechi, Universidade de Passo Fundo

Doutor em Educação no Programa de Pós-Graduação da Universidade de Passo Fundo (UPF).

Referências

ALVES, Giovanni. O espírito do toyotismo – reestruturação produtiva e “captura” da subjetividade do trabalho no capitalismo global. Confluências – Revista Interdisciplinar de Sociologia e Direito, Niterói, v. 10, n. 1, p. 97-121, 2008.

ALVES, Giovanni. Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Boitempo, 2011.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho?: ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 1999.

ANTUNES, Ricardo. O caracol e sua concha. Ensaios sobre a morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.

ANTUNES, Ricardo. Desenhando a nova morfologia do trabalho: as múltiplas formas de degradação do trabalho. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n.83, p. 19-34, dez. 2008.

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

AZEVEDO, Mário L. N. O campo global da educação superior, as organizações internacionais e a hegemonia mercadorizante. In: OLIVEIRA Dalila A.; PINI, Mónica E.; FELDFEBER, Myriam. Políticas educacionais e trabalho docente: perspectiva comparada. Belo Horizonte: Fino Traço, 2011, p. 117-145.

BALL, Stephen J. Reformar escolas/ Reformar professores e os terrores da performatividade. Revista portuguesa de educação, Braga, v. 15, n. 02, p. 03-23, 2002.

BALL, Stephen J. Performatividade, privatização e o pós-estado de bem-estar. Educação e sociedade, Campinas, v.25, n. 89, p. 1105 – 1126, set./dez., 2004.

BALL, Stephen J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de pesquisa, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez., 2005.

BALL, Stephen J. Performatividades e Fabricações na Economia Educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educação e realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 37-55, maio/ago. 2010.

BANCO MUNDIAL. La Ensenãnza Superior: las perspectivas de La experiência (El Desarrollo em la práctica). 1ª ed. em espanhol. Washington/DC: BIRD/Banco Mundial, 1995.

BECHI, Diego. As reformas da educação superior e as metamorfoses do trabalho docente na economia capitalista flexível. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v.3, n.1, p. 203-223, jan./abr. 2017.

BECHI, Diego. A subjetivação capitalística como mecanismo de precarização do trabalho docente na educação superior brasileira. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2019.

BIANCHETTI, Lucídio; MACHADO, Ana Maria N.“Reféns da produtividade” sobre a produção do conhecimento, saúde dos pesquisadores e intensificação do trabalho na pós-graduação. 30º Reunião Anual da Anped, Caxambu: ANPED, 2007.

BRINHOSA, Mário C. A função social e pública da educação na sociedade contemporânea In: LOMBARDI, José Claudinei (Org.). Globalização, pós-modernidade e educação. Campinas, SP: Autores Associados, 2009.

BRITO, Regivane dos Santos; PRADO, Jany Rodrigues; NUNES; Claudio Pinto. As condições de trabalho docente e o pós-estado de bem-estar social. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, Sergipe, Brasil, v. 10, n. 23, p. 165-174, set./dez. 2017.

BURBULES, Nicholas C.; TORRES, Carlos A. Globalização e educação: uma introdução. In: BURBULES, Nicholas C.; TORRES, Carlos A. (Org.). Globalização e educação: perspectivas críticas. Porto Alegre: Artmed, 2004, p. 11-26.

CAMPOS, Vicente Sisto. Flexibilización laboral de la docencia universitaria y la gest(ac)íon de la Universidad sin órganos: un análisis desde la subjetividad laboral del docente en condiciones de precariedad. In: GENTILI, Pablo; LEVY, Bettina (Org.) Espacio público y privatización del conocimiento: estudios sobre políticas universitarias en América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

CARVALHO, Elma J.; WONSIK, Ester C. Políticas educacionais atuais: valorização ou precarização do trabalho docente. Revista Contrapontos - Eletrônica, Itajaí, v. 15 - n. 3, p. 373-393, set-dez 2015.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016a.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. Neoliberalismo e subjetivação capitalista. O Olho da História: Revista de Teoria, Cultura, Cinema e Sociedades, Salvador, n. 22, abr. 2016b.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. Néolibéralisme et subjectivation capitaliste. Cités/CAIRN.INFO, n.41, p. 35-50, 2010.

DOURADO, Luiz Fernandes. Reforma do Estado e as políticas para a educação superior no Brasil nos anos 90. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 23, n. 80, p. 234 – 252, set. 2002.

FÁVERO, Altair. A.; BECHI, Diego. A subjetivação capitalista enquanto mecanismo de precarização do trabalho docente na educação superior. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, Arizona, Estados Unidos, vol. 28, n. 13 2020, p. 01-25, jan. 2020.

FELDFEBER, Myriam. La regulación de la formación y el trabajo docente: un análisis crítico de la “Agenda educativa” en América Latina. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 99, p. 444-465, maio/ago. 2007.

GAMBOA, Silvio S. A globalização e os desafios da educação no limiar do novo século: um olhar desde a América Latina. In: LOMBARDI, José Claudinei (Org.). Globalização, pós-modernidade e educação. Campinas, SP: Autores Associados, 2009, p. 79-106.

GARCIA, Maria M.; HYPOLITO, Álvaro M.; VIEIRA, Jarbas. As identidades docentes como fabricação da docência. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 45-56, jan./abr. 2005.

GOERGEN, Pedro. Educação Superior na perspectiva do Sistema e do Plano Nacional de Educação. Educação e Sociedade, Campinas, V. 31, n. 112, p. 895 – 917, jul. – set. 2010.

GUATTARI, Félix. Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. Trad. Suely Rolnik. São Paulo: Brasiliense, 1985.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo, SP: Loyola, 2014.

LAVAL, Christian. A Escola não é uma empresa: o neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Editora Planta, 2004.

LEDA, Denise Bessa. Trabalho docente no ensino superior sob o contexto das relações sociais capitalistas. XXIX Reunião Anual da ANPED. Caxambu: ANPED, 2006. p. 01-16.

MANCEBO, Deise. Trabalho Docente: Subjetividade, Sobreimplicação e Prazer. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 74- 80, 2007.

MAUÉS, Olgaíses C. O trabalho docente no contexto das reformas. XXVIII Reunião da Anped, 2005, Caxambu: 40 anos de Pós-graduação em Educação no Brasil, 2005.

MAUÉS, Olgaíses C.; SOUZA, Michele B. Precarização do trabalho do docente da educação superior e os impactos na formação. Em Aberto, Brasília, v. 29, n. 97, p. 73-85, set./dez. 2016.

MIRANDA, Kênia. O trabalho docente na acumulação flexível. XXVIII Reunião da Anped, 2005, Caxambu: 40 anos de Pós-graduação em Educação no Brasil, 2005.

MORROW, Raymond A.; TORRES, Carlos A. Estado, Globalização e Políticas Educacionais. In: BURBULES, Nicholas C.; TORRES, Carlos A. (Org.). Globalização e educação: perspectivas críticas. Porto Alegre: Artmed, 2004, p. 27-44.

OLIVEIRA, Romualdo Portela de. A transformação da educação em mercadoria no Brasil, Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n.108, p.739-760, out., 2009.

PINTO, Marina B. A subordinação do trabalho docente à lógica do capital. Outubro, São Paulo, n. 4, p. 17-24, 2000.

SANTOS, Sheila D. A precarização do trabalho docente no Ensino Superior: dos impasses às possibilidades de mudanças. Educar em Revista. Curitiba, n. 46, p. 229-244, out./dez. 2012.

SEVERINO, Antônio Joaquim. O ensino superior brasileiro: novas configurações e velhos desafios. Educar, Curitiba, n.31, p.73-89, 2008.

SGUISSARDI, Valdemar. Universidade brasileira no século XXI: desafios do presente. São Paulo: Cortez, 2009.

SILVA JÚNIOR, João dos R. Mudanças nas universidades públicas no contexto da mundialização do capital. EccoS – Revista Científica, São Paulo, v. 10, n. Especial, p. 95-131, 2008.

SILVA, Lúcia A; SANTOS, Nair I. Subjetividade e Trabalho na Educação. Revista Mal-estar e Subjetividade, Fortaleza, v. XI, n. 4 - p. 1429- 1460, dez/2011.

SOBRINHO, José D. Educação superior: flexibilização e regulação ou avaliação e sentido público. In: MANCEBO, Deise et. al. Políticas e gestão da educação superior: transformações recentes e debates atuais. São Paulo: Xamã; Goiânia: alternativa, 2003, p. 97-116.

TELLO, César. Perspectivas discursivas sobre profissionalização docente na América Latina. In: OLIVEIRA Dalila A.; PINI, Mónica E.; FELDFEBER, Myriam (Org). Políticas educacionais e trabalho docente: perspectiva comparada. Belo Horizonte: Fino Traço, 2011, P. 147-170.

WALKER, Verónica Soledad. El trabajo docente en la universidad: condiciones, dimensiones y tensiones. Perfiles Educativos, IISUE-UNAM, v. 38, n. 153, p. 105-119, 2016.

Publicado

2021-04-03 — Atualizado em 2021-04-11

Como Citar

BECHI, D. A formação da subjetividade empresarial e a implementação da cultura performativa na educação . Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 7, p. e021044, 2021. DOI: 10.20396/riesup.v7i0.8658347. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8658347. Acesso em: 28 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos