A trajetória dos agentes sociais no ensino superior do estado do Paraná

Palavras-chave: Educação superior, Formação acadêmica, Pós-graduação, Ensino de ciências

Resumo

A pesquisa trata-se de um estudo elaborado para investigar a trajetória de formação acadêmica dos professores pertencentes ao subcampo da Educação Química (EQ) dos cursos de Licenciatura em Química nas Instituições de Ensino Superior públicas do estado do Paraná. A investigação caracterizou-se como uma pesquisa qualitativa, do tipo documental, pois utilizou-se de documentos, como os currículos Lattes disponíveis na plataforma do CNPq, para mensurar informações na construção de dados. Com o estudo bibliométrico, buscou-se mapear os dados extraídos dos documentos, com o intuito de aferir o nível, a área, o local e o período de formação dos agentes sociais atuantes no Ensino de Química dentro do campo acadêmico. Para a análise dos dados, utilizou-se da metodologia de Análise de Conteúdo da Bardin (2010), sendo a elaboração de categorias estabelecidas a priori baseadas nas ideias de Bourdieu (2004, 2017a), referente ao capital cultural. Os resultados apontaram que, o subcampo da EQ é constituído por mestres e doutores, formados principalmente no estado do Paraná, Santa Catarina e São Paulo, com formações nem sempre lineares ao campo científico. Além do mais, os resultados confirmaram a expansão do subcampo da EQ no Paraná, o que é indicado pelo crescimento de agentes com formações específicas para atuação nos cursos de Licenciatura em Química, sendo este um apontamento para a consolidação e constituição da área como um campo de estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franciellen Rodrigues da Silva Costa, Universidade Estadual de Feira de Santana

Doutoranda do programa de pós-graduação em Educação para Ciência e Matemática na Universidade Estadual de Maringá (UEM). Atualmente Professora Auxiliar do Departamento de Ciências Exatas da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS.

Álvaro Lorencini Júnior, Universidade Estadual de Londrina

Mestrado e Doutorado em Educação, área de Didática pela Faculdade de Educação da USP (FEUSP). Professor do Depto. de Biologia Geral do Centro de Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Londrina (UEL/PR)

Leila Inês Follmann Freire, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutorado em Ensino de Ciências (modalidade Ensino de Química) pela Universidade de São Paulo (2015). É professora Adjunta do Departamento de Química da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BRASIL. Lei nº 11.184 de 7 de outubro de 2005. Dispõe sobre a transformação do Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná em Universidades Tecnológicas Federal do Paraná e dá outras providências. Brasília, DF: Senado Federal, 2005.

BRASIL. Portaria Normativa nº 38, de dezembro de 2007. Dispõe sobre o Programa

Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência – PIBID. Diário Oficial da União,

n.239, seção 1, p.39, 2007.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. 2002, 1p.

BRASIL. Portaria Normativa nº 122, de 16 de setembro de 2009. Dispõe sobre o

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência, no âmbito da CAPES.

Diário Oficial da União, 2009.

BOURDIEU, Pierre. Esboço de uma teoria da prática. In: ORTIZ, Renato (Org.). Pierre Bourdieu: Sociologia. 2.ed. São Paulo: Ática, 1983. p. 46-81.

BOURDIEU, Pierre. O uso das ciências sociais: Por uma sociologia clínica do campo científico. Tradução Denice Barbara Catani. São Paulo: Editora UNESP, 2004, 86p.

BOURDIEU, Pierre. Os três estados do capital cultural. In: Maria Alice e Afrânio Catani (org.). Escritos de Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 71-79, 2007.

BOURDIEU, Pierre. Para uma sociologia da Ciência. Portugal: Edição 70, 2017a, 166p.

BOURDIEU, Pierre. Homo academicus. 2.ed. Tradução Ione Ribeiro Valle, Nilton Valle. Florianópolis: Ed. as UFSC, 2017b.

CAPES. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Ministério da Educação (MEC). Documento de área: área 46, Ensino. 2019.

CAPES. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Ministério da Educação (MEC). Documento de área: área 46, Ensino. 2017a.

CAPES. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Ministério da Educação (MEC). Relatório de Avaliação 2013-2016: área 46, Ensino. 2017b.

HEY, Ana Paula. Esboço de uma sociologia do campo acadêmico: a educação Superior no Brasil. São Carlos: EdUFSCar, 2008, 177p.

MASSI, L. CARVAHO, H. GIORDAN, M. Perfil socioformativo dos orientadores, heterogeneidade e hierarquia social na área de Ensino da Capes. Revista Investigação em Ensino de Ciências, Rio Grande do Sul, v. 25, n.1, p.421-432, 2020. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/1785. Acesso em: 14 mai. 2020.

MONTAGNER. Miguel Angêlo. Trajetória e biografias: notas para uma análise bourdieusina. Sociologia. Porto Alegre, ano 9, n.17, p.240-264, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/soc/n17/a10n17.pdf. Acesso em: 13 mai. 2020.

OLIVEIRA, Maria Marly de. Como fazer pesquisa qualitativa, 6.ed. Petrópolis, RJ: Vozes,

SCHNETZLER, Roseli Pacheco. A pesquisa em ensino de Química no Brasil: conquistas e perspectivas. Química Nova, São Paulo, v.25, supl.1, p. 14-24, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/qn/v25s1/9408.pdf. Acesso em: 13 mai. 2020.

Publicado
2020-06-06
Como Citar
Costa, F. R. da S., Lorencini Júnior, Álvaro, & Freire, L. I. F. (2020). A trajetória dos agentes sociais no ensino superior do estado do Paraná. Revista Internacional De Educação Superior, 7, e021014. https://doi.org/10.20396/riesup.v7i0.8658762
Seção
Artigos