Banner Portal
Pedagogia crítica para a gestão pública e social
Imagem: Universidade de Nápoles Federico II, fundada em 1224. - Google / Licença Creative Commons.
PORTUGUÊS
ENGLISH (English)
ÁUDIO
VÍDEO

Palavras-chave

Pedagogia crítica
Extensão universitária
Práticas de oficina
Aprendizagem pela experiência

Como Citar

GIANNELLA, Valéria. Pedagogia crítica para a gestão pública e social: o dispositivo da oficina temática como experiência integral. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 10, n. 00, p. e024017, 2022. DOI: 10.20396/riesup.v10i00.8669959. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8669959. Acesso em: 17 jun. 2024.

Resumo

Introdução: O campo teórico-prático deste artigo é o do reconhecimento das práticas educativas e extensionistas como campos de disputa, entre paradigmas, teorias e significados possíveis. O contexto é a construção do Plano Político Pedagógico de um Bacharelado em gestão pública/social e políticas públicas, em uma das mais novas Universidades do país. Objetivo: O artigo objetiva socializar e refletir em torno da experiência de construção de um dispositivo pedagógico que chamamos de Oficina Temática (OT) a partir da vontade de construir uma pedagogia crítica em gestão pública/social e políticas públicas. Metodologia: Em termos metodológicos, trata-se de uma abordagem reflexiva, suportada por pesquisa bibliográfica, de uma prática de construção político-pedagógica buscando aprofundar as apostas teórico-metodológicas que o desenho do mesmo subtende e implica. Resultados: O resultado é o de enuclear as implicações teórico-práticas de inovações metodológicas instigadas pela exigência de creditação curricular da extensão, buscando avançar na efetiva integração entre ensino /pesquisa/ extensão. Conclusão: O desenho da OT interpreta criativamente o cenário de curricularização da extensão permitindo indagar o significado do conceito de experiência na construção curricular e abrindo um espaço autônomo de autoconhecimento por parte discente em relação ao tipo de profissional que pretende ser.

https://doi.org/10.20396/riesup.v10i00.8669959
PORTUGUÊS
ENGLISH (English)
ÁUDIO
VÍDEO

Referências

ALCOFF, Linda, M. An epistemology for the next revolution, internet media. Disponível em: https://escholarship.org/uc/item/3492v2pt, 2011. Acesso em: 20 mai. 2022.

ALMEIDA FILHO, Naomar, COUTINHO, Denise. Counter-Hegemonic Higher Education in a Remote Coastal Region of Brazil: The Federal University of Southern Bahia as a Case Study. In: AMAN, Robert, IRELAND, Timothy (Eds.) Educational Alternatives in Latin America. New Modes of Counter-Hegemonic Learning. Disponível em: https://bityli.com/qxSyc. Acesso em: 18 maio. 2022.

BATESON, Gregory. Mente e Natureza. A Unidade Necessária. Rio de Janeiro, RJ: editora Francisco Alves, 1986.

BOULLOSA, Rosana, F. de. Mirando ao Revés as políticas públicas: o desenvolvimento de uma abordagem crítica e reflexiva para o estudo das políticas públicas. Pensamento & Realidade. v. 28, n. 3. 2013. Disponível em: https://bityli.com/QLpQv. Acesso em: 15 maio 2022.

BONDÍA, Jorge L. Tecnologias do eu e educação. In: Silva, Tomaz Tadeu. O sujeito da educação. Petrópolis: Vozes, 1994, p.35-86.

BONDÍA, Jorge L. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/Ycc5QDzZKcYVspCNspZVDxC/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 19 jun. 2021.

BRIGHENTE, Miriam F., MESQUIDA, Peri. Paulo Freire: da denúncia da educação bancária ao anúncio de uma pedagogia libertadora. Pro-Posições, v. 27, n. 1 (79), p. 155-177, jan./abr. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pp/a/kBxPw6PW5kxtgJBfWMBXPhy/?format=pdf&lang=pt, acesso em: 19 jun. 2021.

CAITITE, Amanda, L., M. Pistas para uma reinvenção da epistemologia: ser afetado, ciência no feminino, pesquisar com e saberes localizados. Pesquisas e práticas psicossociais, versão On-line. São João del-Rei, v. 11, n. 1, p. 37-52, jun. 2016. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082016000100004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 19 maio 2022.

CARVALHO, José, J. de. Encontro de Saberes, descolonização e transdisciplinaridade: três conferências introdutórias. In: TUGNY, Rosângela. P. de, GONÇALVES, Gustavo. (orgs) Universidade popular e encontro de saberes. Salvador: EDUFBA; Brasília: Instituto de Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa -UNB, 2020, pp. 13-56.

DEWEY, John. Art as experience. New York: Perigee Printing, 1980.

DEWEY, John. Arte como experiência. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

DIAS, Julice, CERNY, Roseli Z., BRUNETTA, Antonio, A. A Curricularização da Extensão na Formação de Professores: os Percursos da Faed/Udesc e Ced/Ufsc. Formação em Movimento. v.2, i.1, n.3. p. 275-286, jan./jun.2020.

DOWBOR, Fátima, F. Quem Educa Marca o Corpo do Outro. S. Paulo: Cortez, 2008.

FISCHER, Frank. Beyond Empiricism: Policy Inquiry in Postpositivist Perspective. Policy Studies Journal, Vol. 26, 1998, p. 146.

FISCHER, Frank. Para além do empirismo: policy inquiry na perspectiva pós-positivista. NAU Social, v. 7, n. 12, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/nausocial/article/view/31350. Acesso em: 20 maio 2022.

FREIRE, Paulo. Education for Critical Consciousness. New York: Seabury Press, 1973.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à pratica educativa. SP., RJ.: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

FREIRE, Roberto. Sem tesão não há solução. São Paulo: Trigrama, 1990.

GADOTTI, Moacir. Extensão Universitária: Para quê? Instituto Paulo Freire, 2017. Disponível em: https://bityli.com/Qph3J. Acesso em: 13 mai. 2022.

MATURANA, Humberto R.; VARELA, Francisco J. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. São Paulo: Palas Athena, 2010.

MELLO, Maristela B. C. de. Uma Educação Ambiental como Estética da Existência e Epistemologia dos Nexos. A experiência sócio-educativa do Projeto Florescer. Tese de doutoramento. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2011.

MENDONÇA, Ana W. P.C. A universidade no Brasil. Revista Brasileira de Educação. Nº 14, agosto, 2000.

MIGNOLO, Walter. The Geopolitics of Knowledge and the Colonial Difference. South Atlantic Quarterly 101.1 (Winter): 56-96, 2002.

MORAES, Maria C. Ecologias dos Saberes. Complexidade, Transdisciplinariedade e Educação. São Paulo: Antakarana/ WHH, 2008.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

MUNANGA, Kabengele. O papel da universidade na luta contra o racismo e em defesa das políticas afirmativas. In: TUGNY, Rosângela. P. de, GONÇALVES, Gustavo. (Orgs.) Universidade popular e encontro de saberes. Salvador: EDUFBA; Brasília: Instituto de Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa -UNB, 2020, p. 59-68.

OLIVEIRA, Albertina L. de. A autonomia na aprendizagem e a educação e aprendizagem ao longo da vida: a importância dos fatores sociológicos. Práxis Educacional, Vitória da Conquista v. 11, n. 20 p. 165-188 set./dez. 2015. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/845. Acesso em: 15 maio 2022.

PATIÑO, Rafael, LAMEGO, Gabriela, FARIA, Lina. Emoções sociais e metodologias participativas nos Bacharelados Interdisciplinares em Humanidades e Saúde. In: TUGNY, Rosângela. P. de, GONÇALVES, Gustavo. (orgs.) Universidade popular e encontro de saberes. Salvador: EDUFBA; Brasília: Instituto de Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa -UNB, 2020, pp. 585-604.

PEIXOTO, Joana, A inovação pedagógica como meta dos dispositivos de formação a distância. EccoS – Revista Científica, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 39-54, jan./jun. 2008. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/eccos/article/view/1280. Acesso em: 15 maio 2022.

PRIGOGINE, Ilya, STENGERS, Isabelle. A nova Aliança. Metamorfose da ciência. Brasília: Universidade de Brasília, 1991.

PERES, Janaína, L. P. Reinterpretando o fluxo das políticas públicas a partir da experiência: do pragmatismo crítico ao Hip Hop da Ceilândia/DF. Tese de doutoramento do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Sociedade e Cooperação Internacional da Universidade de Brasília – UnB. 2020.

PRIGOGINE Ilya, STENGERS Isabelle. A Nova Aliança: Metamorfose da ciência. Brasília: Universidade de Brasília, 1991.

SANTOS, Boaventura de S. Epistemologies of the South. Routledge. 2014.

SILVA, Kátia, C., KOCHHANN, Andréa. Tessituras entre concepções, curricularização e avaliação da extensão universitária na formação do estudante. Espaço Pedagógico, v. 25, n. 3, Passo Fundo, p. 703-725, set./dez. 2018. Disponível em: https://bityli.com/8SvWy. Acesso em: 10 maio 2022.

TEIXEIRA, Anísio. O ensino superior no Brasil: análise e interpretação de sua evolução até 1969. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1968.

TUGNY, Rosângela. P. de, GONÇALVES, Gustavo (Orgs.). Universidade popular e encontro de saberes. Salvador: EDUFBA ; Brasília: Instituto de Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa -UNB, 2020.

UFSB. Plano Orientador. Universidade Federal do Sul da Bahia. Itabuna/Porto Seguro/ Teixeira de Freitas, BA. 2014.

UFSB. Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Gestão Pública e Social. Universidade Federal do Sul da Bahia, Porto Seguro, BA, 2020.

UNIFESP. Guia para curricularização das atividades de extensão nos Cursos de graduação da Universidade Federal de São Paulo. Universidade Federal de São Paulo, 2017. Disponível em: https://bityli.com/lmexv.Acesso em: 15 mai. de 2022.

VARELA, Francisco; THOMPSON, Evan; ROSCH, Eleanor. Mente Incorporada: Ciências Cognitivas e Experiência Humana. Porto Alegre: Artmed, 2003.

YONEZAWA, Fernando SILVA, Fábio. H. O paralelismo corpo-mente em Spinoza: notações (im)pertinentes para a educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 44, e176074, 2018.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Valéria Giannella

Downloads

Não há dados estatísticos.