Políticas de estágio e o contexto do serviço social

  • Tatiana Machiavelli Carmo Souza Universidade Federal de Goiás
  • Cirlene Aparecida Hilário da Silva Oliveira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
  • Cléria Maria Lobo Bittar Pucci Bueno Universidade de Franca
Palavras-chave: Políticas de estágio. Estágio supervisionado. Serviço social. Formação profissional

Resumo

O presente artigo busca explorar o contexto do estágio supervisionado em Serviço Social tendo como ponto de partida as políticas de estágio brasileiras. É certo que a importância do estágio aumenta frente às profundas transformações no mundo do trabalho e ao constante desenvolvimento científico e tecnológico, provocando o acirramento das discussões sobre o tema e instigando a academia a repensar seu processo formador, notadamente o Serviço Social. O estágio tem como finalidade a vinculação da educação formal ao mundo do trabalho e a prática social. No Serviço Social, o estágio supervisionado constitui-se como elemento do processo formativo, sendo que nesse locus, o estagiário tem a possibilidade de decifrar as relações institucionais e elaborar novos conhecimentos a partir do conhecimento das expressões da questão social que constituem o objeto de intervenção profissional. Nesse sentido, o estágio prático tem como função preponderante contribuir para que o estagiário aproprie-se do significado social do Serviço Social e da construção de sua identidade profissional, individual e coletiva. O desafio posto, na contemporaneidade, é o de direcionar o estagiário à formação reflexiva e analítica, a fim de que as práticas do Serviço Social não incidam apenas na imediaticidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana Machiavelli Carmo Souza, Universidade Federal de Goiás
Professora Adjunta II na Universidade Federal de Goiás no curso de Psicologia. É Doutora e Mestre em Serviço Social (2012) pela Unesp/Franca; Especialista em Psicopedagogia (2007); e possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Uberlândia (2003). Apresenta experiência profissional em Psicologia e Processos Psicossociais, atuando principalmente nos seguintes temas: sociedade, políticas públicas, subjetividade, trabalho sociojurídico, gênero e violência.
Cirlene Aparecida Hilário da Silva Oliveira, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Doutorado em Serviço Social pela UNESP (2003), mestrado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1994) e graduação em Serviço Social pela UNESP (1987). É Livre-Docente (2010) pela UNESP - Universidade Estadual Paulista e docente do curso de Serviço Social e do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - UNESP/ Campus de Franca. Tem experiência como profissional e pesquisadora na área de Serviço Social, com ênfase nos temas: formação e trabalho profissional, diretrizes curriculares, estágio supervisionado curricular, ensino superior, serviço social e educação. É lider do Grupo de Estudos e Pesquisa Formação Profissional em Serviço Social - GEFORMSS desde 2003. Exerce a tutoria do Grupo PETSS - Programa de Educação Tutorial de Serviço Social, através de convênio da PROGRAD - Pró-Reitoria de Graduação da UNESP com o MEC/SESu/DIFES.
Cléria Maria Lobo Bittar Pucci Bueno, Universidade de Franca
Graduação em Psicologia (1992) e Direito (2010), ambos pela Universidade de Franca. Mestrado(1998) e Doutorado (2004) em Serviço Social pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Pós-Doutorado pelo "Instituto de Estudios Universitarios de la Mujer",(2005) pela Universidade de Valência, Espanha. Especialista em Didática para o Ensino Superior (1999) e em Psicologia Transpessoal (ALUBRAT - 2014). Aprimoramento em Psicomotricidade (2002 -Instituto Pieron de Campinas) e Bioética aplicada ás pesquisas envolvendo seres humanos (FIOCRUZ/ ENSP- 2013). Docente permanente do Programa de Mestrado e Doutorado em Promoção da Saúde e do curso de Psicologia da Universidade de Franca. Coordenadora do CEPe - Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade de Franca. (2014-2017).

Referências

ANDRADE, M.A.R.A. Pensar e repensar a formação profissional: a experiência do curso de Serviço Social da Faculdade de História, Direito e Serviço Social – UNESP – Franca. 2007. 197f. Tese (Livre-docência) - Faculdade de História, Direito e Serviço Social, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2007.

BASSO, Guilherme Mastrichi. Notificação Recomendatória 741/2002. Disponível em: http://www.prg.unicamp.br/IIIENE/notificacao7412002.pdf. Acesso em: 4 ago. 2008.

BRASIL. Decreto 2.080, de 26 de novembro de 1996. Disponível em: http://www.fclar.unesp.br/sta/indice%20estagios%20decreto%202080%2096.pdf. Acesso em: 31 jul. 2008.

BRASIL. Decreto 87.497, de 18 de agosto de 1982. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d87497.htm. Acesso em: 31 jul. 2008.

BRASIL. Lei 11.788, de 25 de setembro de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11788.htm. Acesso em: 15 jan. 2009

BRASIL. Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6494.htm. Acesso em: 31 jul. 2008.

BRASIL. Lei 8.859, de 23 de março de 1994. Disponível em: http://www3.dataprev.gov.br/SISLEX/paginas/42/1994/8859.htm. Acesso em: 31 jul. 2008.

BURIOLLA, M.A.F. O estágio supervisionado. São Paulo: Cortez, 1995

BURIOLLA, M.A.F. Supervisão em Serviço Social: o supervisor, sua relação e seus papéis. São Paulo: Cortez, 1996.

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO DO FORGRAD. Gestão administrativa e pedagógica do estágio. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTÁGIOS, 3., 2004, Campinas. Anais eletrônicos... Campinas: Unicamp, 2004. Disponível em: http://www.prg.unicamp .br/IIIENE. Acesso em: 4 ago. 2008.

IAMAMOTO, M.V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez, 2007.

MARTINELLI, M.L. Serviço Social: identidade e alienação. São Paulo: Cortez, 2007.

OLIVA, M.H.B.O estágio na formação profissional. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, ano 10, n. 29, p. 149–60, abr. 1989.

OLIVEIRA, C.A.H. S. O estágio supervisionado na formação profissional do assistente social: desvendando significados. Serviço Social & Sociedade. São Paulo, ano 25, n. 80, p. 59–81, nov. 2004.

OLIVEIRA, C.A.H. S. A centralidade do estágio supervisionado na formação profissional em Serviço Social. 178 f. Tese (Doutorado em Serviço Social) Faculdade de História, Direito e Serviço Social, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2003.

PACCHIONI, M.M. Estágio e supervisão: uma reflexão sobre a aprendizagem significativa. Lorena/SP: Stiliano, 2000.

PINTO, R.M.F. Estágio e supervisão: um desafio teórico-prático do Serviço Social. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica, 1997.

PINTO, R.M.F. Política Educacional e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1986.

PROAC – Pró-Reitoria de Assuntos Acadêmicos – Coordenadoria Geral de Estágios. Políticas de Estágios. [2008]. Disponível em: http://estagio.proac.uff.br. Acesso em: 11 ago. 2008.

SILVA, M.D. O estágio na formação profissional: elementos para análise. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, ano 15, n. 45, p. 147–255, ago. 1994.

SILVA e SILVA, M.O. A formação profissional do assistente social: inserção na realidade social e na dinâmica da profissão. São Paulo: Cortez, 1995.

SIQUEIRA, M.M.N.T. A formação do assistente social: a afetividade na supervisão de estágio. 2006. 196f. Dissertação (Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica, Campinas, 2006.

Publicado
2015-05-06
Como Citar
Souza, T. M. C., Oliveira, C. A. H. da S., & Bueno, C. M. L. B. P. (2015). Políticas de estágio e o contexto do serviço social. Serviço Social E Saúde, 9(1), 131-156. https://doi.org/10.20396/sss.v9i1.8634874
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)