Dimensão da participação em saúde no debate internacional da atenção primária à saúde

Autores

  • Andréia de Oliveira Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v12i1.8635754

Palavras-chave:

Atenção primária à saúde. Participação. Participação em saúde. Comunidade

Resumo

Este artigo reflete sobre a trajetória da Atenção Primária à saúde - APS no contexto internacional, com ênfase no debate atribuído à dimensão da participação em saúde e em seus principais marcos históricos, conceitos e abordagens, com destaque para os mecanismos e estratégias de participação social. Conclui que a participação em saúde é inexpressiva na APS e as propostas evidenciadas nos documentos e referências analisadas a direcionam para uma participação de caráter instrumental, voltadas para ações individuais de autocuidado, redução de custos, planejamento e fiscalização, com forte tendência à despolitização e ausência de sentido político-crítico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréia de Oliveira, Universidade de Brasília

Assistente social; Mestre em Saúde Pública pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP); professora adjunta do Departamento de Serviço Social da Universidade de Brasília (UnB).

Referências

ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo. In: SADER, E.; GENTILI, P. (Org.) Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995. p. 9-23.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Atenção primária e promoção da saúde. Brasília: CONASS, 2011. Coleção para Entender a Gestão do SUS, v. 3.

BRASIL. Ministério da saúde. Diretrizes do NASF: núcleo de apoio à saúde da família. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Caderno de Atenção Básica, n. 27, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde/ Organização Pan-americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde/ Observatório Europeu de Sistemas e Políticas de Saúde. Atenção primária conduzindo as redes de atenção à saúde: Reforma organizacional na atenção primária europeia. Tradução e impressão, 2010b.

CAMPOS, G. W. de S. O SUS entre a tradição dos sistemas nacionais e o modo liberal-privado para organizar o cuidado à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 12 (Sup), 2007.

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDE. Declaração de Alma-Ata. Alma-Ata, 1978. Disponível em: <http://www.opas.org.br/coletiva/uploadArq/Alma-Ata.pdf>. Acesso em: 12 set. 2011.

CONILL, E. M. Ensaio histórico-conceitual sobre a atenção primária à saúde: desafios para a organização de serviços básicos e da estratégia saúde da família em centros urbanos no Brasil. Caderno de Saúde Pública, v. 24, supl.1, Rio de Janeiro, 2008.

CORTES, S. M. V. As origens da ideia de participação na área de saúde. Saúde em Debate, n. 51, Londrina, Paraná, jun. 1996.

GIOVANELLA, L.; MENDONÇA, M. H. G. Atenção primária à saúde. In: GIOVANELLA, L. et al. (Orgs.). Políticas e sistemas de saúde no Brasil. Rio deJaneiro: Fiocruz, 2008.

GÖTTEMS, L. B. D. et al. Trajetória da política de atenção básica à saúde no Distrito federal, Brasil (1960 a 2007): análise a partir do marco teórico do neo-institucionalismo histórico. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n. 6, Rio de Janeiro, jun. 2009. ________.

PIRES, M. R. G. M. Para além da atenção básica: reorganização do SUS por meio da interseção do setor político com o econômico. Rev. Saúde e Sociedade. São Paulo, v. 18, n. 2, p.189-198, 2009.

IAMAMOTO, M. V. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro. Trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2008.

JARA, F. H. de La. A institucionalização da participação cidadã: análise dos marcos legais da participação na América Latina. In: DAGNINO, E.; OLVERA, A.; PANFICHI, A. A disputa pela construção democrática na América Latina. São Paulo: Paz e Terra, Campinas: Unicamp, 2006.

MENDES, E. V. Uma agenda para a saúde. São Paulo: Hucitec, 1996.

MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. Brasília: OPAS/CONASS, 2011.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE (OPAS). Renovação da atenção primária em saúde nas Américas. Documento de Posicionamento da Organização Pan-americana da Saúde/OMS. Washington, 2007 (em inglês), publicação em português, 2008. Disponível em: <http://www.opas.org.br/servico/arquivos/Sala5575.pdf>. Acesso em: 20 set. 2011.

STARFIELD, B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco, Ministério da Saúde, 2002. 726p.

PAIM, J. S. Modelos de atenção à saúde no Brasil. In: GIOVANELLA, L. et al. (Org.). Políticas e sistemas de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008.

Downloads

Publicado

2015-06-10

Como Citar

OLIVEIRA, A. de. Dimensão da participação em saúde no debate internacional da atenção primária à saúde. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 12, n. 1, p. 9–30, 2015. DOI: 10.20396/sss.v12i1.8635754. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8635754. Acesso em: 27 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos