Conciliação entre trabalho e vida familiar: um debate necessário

  • Patricia Maccarini Moraes Universidade Federal de Santa Catarina
  • Kênia Cristina Lopes Abrão Universidade Federal de Santa Catarina
  • Regina Célia Tamaso Mioto Universidade Católica de Pelotas
Palavras-chave: Família. Trabalho. Políticas de conciliação

Resumo

O avanço do capitalismo alterou as relações de trabalho e novas demandas foram colocadas às famílias. A participação das mulheres no mercado de trabalho e os debates propostos pelo feminismo conferiu relevância às políticas de conciliação entre trabalho e família. Este trabalho busca pontuar aspectos referentes ao desafio das famílias em equilibrar trabalho remunerado e não remunerado. Instigar esse debate no campo do Serviço Social é urgente, pois os assistentes sociais se defrontam com os conflitos gerados nas relações entre trabalho e família, inseridos no campo das políticas de seguridade social, que exaltam o papel da família na proteção de seus membros.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Maccarini Moraes, Universidade Federal de Santa Catarina

Assistente Social do Instituto Federal de Santa Catarina, Campus Canoinhas. Mestranda em Serviço Social pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pesquisadora integrante do Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Sociedade, Família e Política Social – NISFAPS / UFSC.

Kênia Cristina Lopes Abrão, Universidade Federal de Santa Catarina

Assistente Social. Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Sociedade, Família e Política Social – NISFAPS / UFSC.

Regina Célia Tamaso Mioto, Universidade Católica de Pelotas

Professora do Programa de Pós-Graduação em Política Social da Universidade Católica de Pelotas (UCPEL). Professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq (A2) membro do Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Sociedade, Família e Política Social – NISFAPS / UFSC.

Referências

ALENCAR. M. M. T. de. Transformações econômicas e sociais no Brasil dos anos 1990 e seu impacto no âmbito da família. In: Política social, família e juventude: uma questão de direitos. SALES, M.A; MATOS, M.C de; LEAL, M.C (Orgs.) 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010. p. 61-81.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 4. ed. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1997.

ASTELARRA, J. Políticas públicas e divisão entre trabalho remunerado e não remunerado na Espanha. In: ARAÚJO, C; PICANÇO, F; SCALON, C (Orgs.). Novas conciliações e antigas tensões? Gênero, família e trabalho em perspectiva comparada. Bauru, SP: EDUSC, 2007. p. 59-95.

ARRIAGADA, I. Estruturas familiares, trabalho e bem-estar na América Latina. In: ARAÚJO, C.; PICANÇO, F.; SCALON, C. (Orgs.). Novas conciliações e antigas Serv. Soc. & Saúde, Campinas, SP v.14, n.1(19), S, jan./jun. 2015 ISSN 16766806

tensões? Gênero, família e trabalho em perspectiva comparada. Bauru, SP: EDUSC,2007. p. 223-265.

BRAVERMAN, H. Trabalho e Capital Monopolista. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

BRUSCHINI, C. Trabalho doméstico: inatividade econômica ou trabalho remunerado. In: ARAÚJO, C.; PICANÇO, F.; SCALON, C. (Orgs.). Novas conciliações e antigas tensões? Gênero, família e trabalho em perspectiva comparada. Bauru, SP: EDUSC, 2007. p. 21-58.

BRUSCHINI, M. C. A.; RICOLDI, A. M.. Família e trabalho: difícil conciliação para mães trabalhadoras de baixa renda. Cadernos de Pesquisa, São Paulo v. 39, n. 136, p. 93-123. jan/abr. 2009.

CAMPOS, M. S.; MIOTO, R. C. T. Política de Assistência Social e a posição da família na política social brasileira. Revista Ser Social, Brasília, n. 12, p. 165-190, 2003.

CROMPTON, R.; LYONETTE, C. “Equilíbrio” entre trabalho e vida na Grã-Bretanha e na Europa. In: ARAÚJO, C.; PICANÇO, F.; SCALON, C. (Orgs.). Novas conciliações e antigas tensões? Gênero, família e trabalho em perspectiva comparada. Bauru, SP: EDUSC, 2007. p. 99-131.

ESPING-ANDERSEN, G. Fundamentos sociales de las economias postindustriales. Barcelona: Ariel, 2000.

MARTIN, C. Os limites da Protecção da Família: introdução a uma discussão sobre as novas solidariedades na relação Família-Estado. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 42, p. 53-76, 1995.

MELO, H. P. et. al.. O setor serviços no Brasil: uma visão global – 1985/95. In: Texto para discussão n. 549. Rio de Janeiro: IPEA, 1998.

MIOTO, R. C. Processos de responsabilização das famílias no contexto dos serviços públicos: notas introdutórias. In: SARMENTO, H. B. M. Serviço Social: questões contemporâneas. Florianópolis: UFSC, 2012. p. 125-136.

MIOTO, R. C. Família e políticas sociais. In: BOSCHETTI, I. et al. Política social no capitalismo: tendências contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2008. p. 130-148.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Trabalho e responsabilidades familiares: novos enfoques. In: Notas da OIT sobre trabalho e família. Brasília, 2009a.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Trabalho e família: rumo a ovas formas de conciliação com co-responsabilidade social. Relatório. Brasília: OIT, 2009b

RICOLDI, A. M. A noção de articulação entre trabalho e família e políticas de apoio. Nota Técnica. Mercado de Trabalho. Brasília: IPEA n. 42, p. 37-43, 2010.

SARACENO, C.; NALDINI, M. Sociologia da família. Tradução: Isabel Teresa Santos. Lisboa: Estampa, 1996.

SOARES, L. T. Os custos sociais do Ajuste Neoliberal na América Latina. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SORJ, B. Trabalho e responsabilidades familiares: um estudo sobre o Brasil. Brasília: OIT, 2004. (Relatório final).

Publicado
2015-07-23
Como Citar
Moraes, P. M., Abrão, K. C. L., & Mioto, R. C. T. (2015). Conciliação entre trabalho e vida familiar: um debate necessário. Serviço Social E Saúde, 14(1), 106-118. https://doi.org/10.20396/sss.v14i1.8638904
Seção
Artigos