Os profissionais da saúde e a morte em contexto hospitalar

trabalho e finitude humana

Palavras-chave: Pessoal de saúde, Equipe de assistência ao paciente, Hospitais, Trabalho, Morte.

Resumo

Apresenta-se neste texto algumas considerações sobre a morte e o morrer como elementos constitutivos da existência humana e da prática profissional de trabalhadores da saúde em contexto hospitalar. Toma como referência a concepção heideggeriana de morte, na qual o homem, ao reconhecer a morte como algo irremissível e insuperável, poderá se abrir para sua autenticidade, rompendo o modo de alienação existencial característico da sociedade contemporânea. No ambiente hospitalar, tanto quanto na sociedade em geral, a morte, muitas vezes negada, evoca diversos sentimentos e formas de comportamento. As afecções por ela provocadas são diversas, assim como os modos revelados de lidar com sua existência real e concreta. Em sua prática profissional, o trabalhador da saúde desenvolve ações reveladoras de diferentes modos de enfrentar e lidar com a morte, o que favorece a aquisição de aprendizagens significativas e demanda a efetivação de um espaço pedagógico educacional que auxilie o profissional da saúde na lida com a morte e o morrer no contexto hospitalar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Moreira Trugilho, Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória

Professora do Mestrado em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória.

Valmin Ramos Silva, Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória

Docente no Programa de Mestrado em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória.

Janine Pereira da Silva, Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória

Pós-Doutoramento pelo Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória.

Hiran Pinel, Universidade Federal do Espírito Santo

Professor titular aposentado da Universidade Federal do Espírito Santo. Pós-Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo.

Referências

ARIÈS, P. A história da morte no ocidente. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1997.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2004 (Série B. Textos Básicos de Saúde).

CAMPOS, E.P. Quem cuida do cuidador: uma proposta para os profissionais de saúde. Petrópolis: Vozes, 2005.

GLEIZER, M.A. Espinosa & a afetividade humana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2002a. Parte 1

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2002b. Parte 2

INWOOD, M. Dicionário Heidegger. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.

¬MARANHÃO, J.L.S. O que é morte. 2ª Reimpr. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1998.

PINEL, H. Educadores da noite. Belo Horizonte: Nuex-Psi, livro em CD-R, 2003.

PINEL, H. Apenas dois rapazes & uma educação social: cinema, psicopedagogia e existencialismos, processos afetivos e aprendizagem. Edição experimental do autor. Vitória: UFES/CE/PPGE; 2006.

ROTHSCHILD, D; CALAZANS R.A. Morte: abordagem fenomenológico existencial. In: KOVÁCS M.J. Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992, p. 142-148.

ZIEGLER, J. Os vivos e a morte: uma “sociologia da morte” no ocidente e na diáspora africana no Brasil, e seus mecanismos culturais. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 1977.

Publicado
2018-12-14
Como Citar
Trugilho, S. M., Silva, V. R., Silva, J. P. da, & Pinel, H. (2018). Os profissionais da saúde e a morte em contexto hospitalar. Serviço Social E Saúde, 17(2), 215-230. https://doi.org/10.20396/sss.v17i2.8652652
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)