Banner Portal
Os profissionais da saúde e a morte em contexto hospitalar
PDF

Palavras-chave

Pessoal de saúde
Equipe de assistência ao paciente
Hospitais
Trabalho
Morte.

Como Citar

TRUGILHO, Silvia Moreira; SILVA, Valmin Ramos; SILVA, Janine Pereira da; PINEL, Hiran. Os profissionais da saúde e a morte em contexto hospitalar: trabalho e finitude humana. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 17, n. 2, p. 215–230, 2018. DOI: 10.20396/sss.v17i2.8652652. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8652652. Acesso em: 18 maio. 2024.

Resumo

Apresenta-se neste texto algumas considerações sobre a morte e o morrer como elementos constitutivos da existência humana e da prática profissional de trabalhadores da saúde em contexto hospitalar. Toma como referência a concepção heideggeriana de morte, na qual o homem, ao reconhecer a morte como algo irremissível e insuperável, poderá se abrir para sua autenticidade, rompendo o modo de alienação existencial característico da sociedade contemporânea. No ambiente hospitalar, tanto quanto na sociedade em geral, a morte, muitas vezes negada, evoca diversos sentimentos e formas de comportamento. As afecções por ela provocadas são diversas, assim como os modos revelados de lidar com sua existência real e concreta. Em sua prática profissional, o trabalhador da saúde desenvolve ações reveladoras de diferentes modos de enfrentar e lidar com a morte, o que favorece a aquisição de aprendizagens significativas e demanda a efetivação de um espaço pedagógico educacional que auxilie o profissional da saúde na lida com a morte e o morrer no contexto hospitalar.

https://doi.org/10.20396/sss.v17i2.8652652
PDF

Referências

ARIÈS, P. A história da morte no ocidente. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1997.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2004 (Série B. Textos Básicos de Saúde).

CAMPOS, E.P. Quem cuida do cuidador: uma proposta para os profissionais de saúde. Petrópolis: Vozes, 2005.

GLEIZER, M.A. Espinosa & a afetividade humana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2002a. Parte 1

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2002b. Parte 2

INWOOD, M. Dicionário Heidegger. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.

¬MARANHÃO, J.L.S. O que é morte. 2ª Reimpr. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1998.

PINEL, H. Educadores da noite. Belo Horizonte: Nuex-Psi, livro em CD-R, 2003.

PINEL, H. Apenas dois rapazes & uma educação social: cinema, psicopedagogia e existencialismos, processos afetivos e aprendizagem. Edição experimental do autor. Vitória: UFES/CE/PPGE; 2006.

ROTHSCHILD, D; CALAZANS R.A. Morte: abordagem fenomenológico existencial. In: KOVÁCS M.J. Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992, p. 142-148.

ZIEGLER, J. Os vivos e a morte: uma “sociologia da morte” no ocidente e na diáspora africana no Brasil, e seus mecanismos culturais. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 1977.

A Serviço Social e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.