Banner Portal
Recursos públicos e a reabilitação da criança com implante coclear
PDF

Palavras-chave

Criança
Políticas públicas
Implante coclear
Reabilitação

Como Citar

PEREIRA, Maria Rosa; LOPES, Natália Barreto Frederigue; MESQUITA , Sonia Tebet de. Recursos públicos e a reabilitação da criança com implante coclear. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 18, p. e019011, 2019. DOI: 10.20396/sss.v18i0.8657846. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8657846. Acesso em: 15 abr. 2024.

Resumo

Objetivo: Verificar a existência de recursos de apoio à reabilitação nas regiões de procedência dos pacientes em acompanhamento na Seção de Implante Coclear (IC) do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo, e se estes estavam contribuindo com o processo de reabilitação e com a efetivação das políticas públicas. Método: O estudo envolveu análise documental de 87 prontuários de crianças usuárias de IC, com idade entre 1 a 12 anos incompletos. A caracterização dos sujeitos considerou o perfil socioeconômico e os recursos públicos disponibilizados. Resultados: A Faixa etária predominante foi de 42,5% entre 7 a 12 anos incompletos; 67% procedentes da região sudeste e 69% pertenciam à classe social Baixa Superior. A participação dos responsáveis na reabilitação foi dada como boa, 71,2% dos casos. Quanto aos recursos públicos disponíveis notou-se que: apenas 12,6% tinham o acesso a benefícios assistenciais; a maioria estava inserida na rede pública de ensino; utilizando do Tratamento Fora do Domicílio de forma parcial para o acompanhamento no serviço e 58,7% realizavam terapias fonoaudiológicas via Sistema Único de Saúde. Conclusão: constatou-se a existência e acesso aos recursos públicos, no entanto sem contemplar qualitativamente as exigências da reabilitação para as crianças usuárias de IC.

https://doi.org/10.20396/sss.v18i0.8657846
PDF

Referências

Berro AG, Brazorotto JS, Oliveira JF. Manual de Orientação para Professores de Crianças com Deficiência Auditiva: Abordagem Aurioral. São Paulo: Santos, 2008. p.11-12.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília. 6 jul. 2015.

Bevilacqua MC. Tratado de Audiologia. 2.ed. São Paulo: Santos; 2015.

Conselho Federal de Serviço Social (Brasil). Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Política de Saúde; Brasília; 2014. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/Parametros_para_a_Atuacao_de_Assistentes_Sociais_na_Saude.pdf. Acesso em: 05 jun. 2017.

Costa LS, Silva PB, Azevedo MF, Gil D. Porcentagem de consoantes corretas (PCC) em crianças com deficiência auditiva: estudo longitudinal. Revista Cefac, v. 19, n. 2, p.171-179, 2017.

Denes G, Komatsu KB, Filho NM. Uma Avaliação dos Impactos Macroeconômicos e Sociais de Programas de Transferência de Renda nos Municípios Brasileiros. Revista Brasileira de economia, v. 72, n. 3, p.292–312, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbe/v72n3/0034-7140-rbe-72-03-0292.pdf. Acesso em: 06 jan. 2018.

Fernandes TFS, Mesquita ST. Aspectos sociais e econômicos das famílias “casos novos” de um programa de implante coclear. Revista Textos & Contextos (Porto Alegre). 2014; 13 (1): 143 – 158.

Fernandes TFS, Mesquita ST, Graciano MIG. O Assistente Social do Programa de Implante Coclear do HRAC/USP. Revista Serviço Social e Saúde. 2012; 11(1): 99-112.

Figueiredo CC, GIL D. Avaliação do grau de envolvimento familiar nos atendimentos de crianças com deficiência auditiva. Revista ACR. 2013;18(4):303-7. [acesso em 06 jan. 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/acr/v18n4/11.pdf.

Graciano MIG. Estudo Socioeconômico: Um instrumento técnico-operativo. Anais do 46º Curso de Anomalias Congênitas Labiopalatinas; Agosto 2013; São Paulo: Veras, 2013. p. 203.

Ministério da Saúde. Portaria nº 55 de 24 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre a rotina do Tratamento Fora de Domicilio no Sistema Único de Saúde - SUS, com inclusão dos procedimentos específicos na tabela de procedimentos do Sistema de Informações Ambulatoriais do SIA/SUS e dá outras providências. Brasília. 01 mar 1999. [acesso 13 dez. 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/1999/prt0055_24_02_1999.html

Ministério da Saúde. DATASUS- Departamento de Informática do SUS. Procedimentos Ambulatoriais. Brasil. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?cnes/cnv/habbr.def. Acesso em: 20 out. 2017.

Morettin M, Cardoso RMA, Delamura AM, Zabeu JS, Amantini RCB, Bevilacqua MC. O uso da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde para acompanhamento de pacientes usuários de Implante Coclear. Revista CoDAS. v. 25, n. 3, p. 216-23, 2013. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/codas/v25n3/05.pdf. Acesso em: 08 jun. 2017.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Relatório Mundial Sobre a Deficiência. São Paulo, 2011. Disponível em:http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/usr/share/documents/RELATORIO_MUNDIAL_COMPLETO.pdf. Acesso em: 12 dez 2016.

Santos AG, Motti TFG, Silva JAGG, Francelin MAS. A importância do estudo Socioeconômico para a equipe interdisciplinar em Saúde Auditiva. Revista Serviço Social & Realidade, v. 22, n. 2, p. 11-30, 2013.

Santos W. Deficiência como restrição de participação social: desafios para avaliação a partir da Lei Brasileira de Inclusão. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 10, p. 3007-3015, 2016.

Silva LSG da, Gonçalves CG de O, Soares VMN. Política Nacional de atenção a Saúde Auditiva: um estudo avaliativo a partir da cobertura de serviços e procedimentos diagnósticos. Revista CoDAS, v. 26, n. 3, p. 241-247. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2317-17822014000300241&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 05 jan. 2017.

Scalon C, Salata A. Uma Nova Classe Média no Brasil da Última Década? O debate a partir da perspectiva sociológica. Revista Sociedade e Estado, v. 27, n. 2, p. 387-407, 2012. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/se/v27n2/a09v27n2.pdf. Acesso em: 06 jan. 2017.

A Serviço Social e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.