A escuta dos silêncios

o atendimento às crianças e aos adolescentes envolvidos em situação de violências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v20i00.8665426

Palavras-chave:

Abuso sexual, Adolescentes, Crianças, Sistema de garantia de direitos

Resumo

Este artigo contém reflexões acerca do atendimento em situação de violências contra crianças e adolescentes. Sob uma perspectiva interdisciplinar e com apoio na experiência profissional em serviços de atenção a esse público – vivência profissional constituída na relação entre teoria, mediação e prática –, problematiza-se e reflete-se sobre os sentidos e as complexidades no tratamento das violências em suas diversas expressões e linguagens (como de abuso sexual); os desafios e as possibilidades do trabalho sociofamiliar; o atendimento voltado para a pessoa que praticou a violência; o trabalho em equipes multi e interdisciplinar; e a articulação com o Sistema de Garantia de Direitos (SGD). Dentre as várias considerações apresentadas, destaca-se a importância de os serviços de atendimento, bem como a rede interinstitucional, serem compostos por profissionais identificados com essa modalidade de atuação e qualificados para desenvolver ações éticas, reflexivas e criativas e, ainda, que os serviços/profissionais tenham as condições adequadas a esse tipo de trabalho. Considera-se também primordial a “escuta das linguagens”, ou seja, dos silêncios, gestos e das palavras dos sujeitos atendidos, para identificar e respeitar a sua singularidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Péricles Arruda, Universidade Federal de São Paulo

Professor da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), campus Baixada Santista, vinculado ao Curso de Graduação em Serviço Social e ao Departamento de Saúde, Educação e Sociedade. Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Vivências Artísticas, Culturais e Periféricas. Mestre (bolsista do Ford Foundation International Fellowships Program, turma de 2010) e Doutor em Serviço Social pela PUC-SP. Pós-doutor em Psicologia Social pela PUC-SP.

Referências

AMADO, R. M. Os serviços de educação e responsabilização para homens autores de violência contra mulher: uma análise de quadros interpretativos, modelos de intervenção e atores. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra, 2014.

BAPTISTA, M. V. Algumas reflexões sobre o sistema de garantia de direitos. Revista Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 109, p. 179-199, jan./mar. 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-66282012000100010. Acesso em: 26 jul. 2014.

BRASIL. Lei n. 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Brasília. Diário Oficial da União, 13 jul. 1984.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, Diário Oficial da União, 13 jul. 1990.

BRASIL. Lei n. 9.970, de 17 de maio de 2000. Institui o dia 18 de maio como Dia Nacional de Combate ao Abuso Sexual e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Brasília, Diário Oficial da União, 17 maio 2000.

BRASIL. Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. (Lei Maria da Penha). Brasília, Diário Oficial da União, 8 ago. 2006.

BRASIL. Resolução n. 109, de 11 de novembro de 2009. Aprova a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Conselho Nacional de Assistência Social. Diário Oficial da União, 25 nov. 2009.

CHAUÍ, M. H. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2000.

CIDADANIA, ESTUDO, PESQUISA, INFORMAÇÃO E AÇÃO (CEPIA). Relatório de pesquisa violência contra as mulheres: os serviços de responsabilização dos homens autores de violência. Rio de Janeiro, 2016.

FERRARI, D. C. A. Definição de abuso na infância e na adolescência. In: FERRARI, D. C. A.; VECINA, T. C. C. (Orgs.). O fim do silêncio na violência familiar: teoria e prática. 4. ed. São Paulo: Ágora, 2002.

FUKS, L. B. Consequências do abuso sexual infantil. In: FRANÇA, C. P. (Org.). Perversão: variações clínicas em torno de uma nota só. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.

FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA (UNICEF) BRASIL. É urgente proteger crianças e adolescentes contra a violência durante o isolamento social. Comunicado de Imprensa. 16 abr. 2020.

MINISTÉRIO DA MULHER, DA FAMÍLIA E DOS DIREITOS HUMANOS. Geral de denúncias. Balanço geral – crianças e adolescentes (2011 a 2019). Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos, 2020.

NOTHAFT, R. J.; BEIRAS, A. O que sabemos sobre intervenções com autores de violência doméstica? Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 27, n. 3, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n356070. Acesso em: 20 mar. 2021.

Downloads

Publicado

2021-04-30

Como Citar

ARRUDA, D. P. . A escuta dos silêncios: o atendimento às crianças e aos adolescentes envolvidos em situação de violências. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 20, n. 00, p. e021003, 2021. DOI: 10.20396/sss.v20i00.8665426. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8665426. Acesso em: 25 set. 2021.