Editorial: Tempo, história, saúde e defesa da vida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v19i0.8665482

Palavras-chave:

Editorial, Serviço social, Saúde, História

Resumo

No ano de ano de 2020, nos encontramos com um desafio histórico, a emergência de
uma nova doença, a pandemia decorrente do novo coronavírus desencadeou um contexto de elevada incerteza quanto à capacidade do Estado e dos Sistemas de Saúde de responderem de forma pertinente ao enfrentamento desse agravo à saúde, tanto da dimensão sanitária, quanto econômica, política e social da pandemia. A combinação da crise estrutural do capital, com os efeitos adversos da pandemia tem exigido dos Estados Nacionais a adoção de ações imediatas por parte dos governos. As autoridades sanitárias internacionais e um amplo conjunto de governos nacionais têm de diferentes formas, combinado três grandes estratégias, são elas, i) recomendação ou determinação de isolamento e de distanciamento social; ii) a ampliação da capacidade de atendimento dos serviços de saúde; iii) formas de apoio econômico a cidadãos, famílias e empresas (PIRES, 2020, p. 7). E, após o desenvolvimento de vacinas, uma outra estratégia passou a ser requerida, o planejamento combinado das estratégias anteriores com a oferta de vacinas às populações concernidas, fazendo-o em consonância com o compromisso e a responsabilidade de cada governo nacional...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edna Maria Goulart Joazeiro, Universidade Federal do Piauí

Assistente Social. Doutora e Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas e Pós-Doutorado em Serviço Social pela PUC-SP. Docente do Departamento de Serviço Social e do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Federal do Piauí.Bolsista de Produtividade CNPq. Editora da Serviço Social & Saúde. Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa Formação, Trabalho, Desigualdade Social e Políticas Públicas, CNPq.

Referências

CHESNAIS, F. As raízes da crise econômica mundial. O Olho da História, Salvador (BA), n. 18, jul. de 2013.

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

FRIGOTTO, G. Empresários mais ricos do Brasil: a ignorância, o cinismo e a ganância que matam. Espaço e Economia [Online], v. 17, 2020.

IANNI, O. Enigmas da modernidade-mundo. 3ª e. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

PEREIRA. P. A. P. A intersetorialidade das políticas sociais na perspectiva dialética In. MONNERAT, G. L; ALMEIDA, N. L. T.; SOUZA, R. G. A intersetorialidade na agenda das políticas sociais. Campinas (SP): Papel Social, 2014, p. 21-40.

PIRES, R. R. C. Os Efeitos sobre grupos sociais e territórios vulnerabilizados das medidas de enfrentamento à crise sanitária da Covid-19: propostas para o aperfeiçoamento da ação pública. Repositório do Conhecimento do IPEA. 2020.

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

JOAZEIRO, E. M. G. . Editorial: Tempo, história, saúde e defesa da vida. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 19, p. e020014, 2021. DOI: 10.20396/sss.v19i0.8665482. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8665482. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Editorial

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>