Plágio e similaridade: o que as universidades devem fazer para manter a Integridade Acadêmica

Plágio e similaridade: o que as universidades devem fazer para manter a Integridade Acadêmica

Gildenir Carolino Santos

Falar de integridade acadêmica nos dias de hoje é um assunto recente para as universidades notoriamente jovens, enquanto que alguns anos atrás esse tema já era conhecido no meio acadêmico por universidades mais antigas.

Com a evolução dos sistemas de informação, e mais precisamente dos softwares de plágio e similaridade, esses assuntos se tornam mais polêmicos e importantes nas universidades, pois as mesmas estão investindo cada vez mais na agilidade e eficiência desses sistemas para evitar que suas produções acadêmicas venham a inferir a integridade acadêmica de seus trabalhos técnico-científicos.

Ao mesmo tempo, as agências de fomento que lidam com a pesquisa cotidianamente e defendem ações  do uso de código de condutas e boas práticas científicas, estão tornando obrigatório o ato de uso de sistema antiplagiarismo nas instituições financiadas por essas agências, precisamente nas universidades.

Uma vez identificado o plágio em um trabalho acadêmico, a reputação da universidade pode correr sérios riscos, bem como da pesquisa que envolva o nome dessas agências.
Em um trabalho desenvolvido recentemente publicado com 958 alunos (graduação, pós-graduação e pós-doc) por pesquisadores da UNICAMP, em que mencionam sobre a classificação de plágio como o “uso do trabalho de terceiros como seu próprio sem devido reconhecimento”, aponta a existência de uma taxa percentual em torno de 46% referente às retratações dos trabalhos acadêmicos no país. (SUGIMOTO, 2018).

Esse problema deve ser solucionado com a implantação de sistema antiplagiarismo nas universidades, campanhas de prevenção, e formas educacionais como treinamentos e aplicação de cursos voltados para essa temática evitando esse alto índice de retratações dos trabalhos acadêmicos, combatendo de certa forma, a evolução da má conduta, outro item importante e comentado no meio acadêmico.

No Brasil, existem empresas que atuam em parceria com as universidades, como a Turnitin e a Crossref em que desenvolvem sistemas antiplagiarismo para evitar a ocorrência de plágio e similaridade no mundo acadêmico, e no atual momento são os mais reconhecidos na comunidade científica.

Entre as duas empresas citadas anteriormente, a Turnitin elaborou um panfleto em que fala o que é plágio ou não é dando ao pesquisador o caminho para que ele conheça os 10 exemplos mais comuns na criação de conteúdo não original. A empresa Turnitin nomeou cada tipo de exemplo para que seja mais fácil o ato de memorização, realizando a enumeração de acordo com seu grau de gravidade (#1-10), e atribuindo uma escala de frequência em que são utilizados (1 – menor, 10 – maior), conforme figura 1 abaixo:

Figura 1.  10 exemplos do que é plágio ou não é

Fonte: ©Turnitin, 2017.

Consideramos assim, que esse instrumento (panfleto) apresentado pela Turnitin, conduza um primeiro caminho para que o autor detecte o que é ou não plágio para a realização da sua pesquisa, é preciso também uma campanha de educação, baseada em treinamentos in locus, para  autores e usuários, onde aprendam a se prevenirem contra o plágio, tornando-os mais conscientes no que se diz sobre o desenvolvimento de pesquisas originais.

 

Referências

SUGIMOTO, L. Só 13% dos ingressantes na UNICAMP sabem o que é plágio. In: Portal da UNICAMP. Comunidade Interna. (Entrevista). 30 out. 2018. Disponível em: <http://www.unicamp.br/unicamp/noticias/2018/10/30/so-13-dos-ingressantes-na-unicamp-sabem-o-que-e-plagio>. Acesso em: 31 out. 2018.

TURNITIN. É plágio ou não é. 2017. Disponível em: <http://www.turnitin.com>. Acesso em: 31 out. 2018.

 

Como citar esse post

SANTOS, Gildenir Carolino. Plágio e similaridade: o que as universidades devem fazer para manter a Integridade Acadêmica. Blog PPEC, Campinas, v.10, n.1, out. 2018. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/blog/index.php/2018/10/31/plagio/>. Acesso em: dia mês abreviado ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.