Banner Portal
Frames, discurso e valores
PDF

Palavras-chave

Semântica de Frames. Análise do discurso. Vivências escolares.

Como Citar

MIRANDA, Neusa Salim; BERNARDO, Flávia Cristina. Frames, discurso e valores. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 55, n. 1, p. 81–98, 2013. DOI: 10.20396/cel.v55i1.8636596. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636596. Acesso em: 23 jul. 2024.

Resumo

Este artigo apresenta uma proposta de análise do discurso em desenvolvimento dentro de um projeto híbrido (Linguística e Educação), voltado para o resgate da experiência escolar. Define a vinculação teórico-metodológica desta proposta (a Semântica de Frames, o projeto lexicográfico FrameNet e os Modelos baseados-no-Uso) e apresenta  sua aplicação em um Estudo de Caso.
https://doi.org/10.20396/cel.v55i1.8636596
PDF

Referências

BAUMAN, R. (1986). Story, performance and event: contextual studies of oral narrative. Cambridge: CUP.

BAUMAN, Z. (2005). Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Zahar. [Tradução de Carlos Alberto Medeiros – Wasted Lives – Modernity and its outcasts, 2004.]

BERNARDO, F.C. (2011). Vida Escolar – O mapa da crise sob a perspectiva discente, 140f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora.

COUPLAND, N.; GARRET, P. & WILLIAMS, A. (2005). Investigating Language Attitudes: Social Meanings of Dialect, Ethnicity and Performance. International Journal of Applied Linguistics.

CROFT, W. e CRUSE, A.D. (2004). Cognitive Linguistics. Cambridge: Cambridge University Press.

FABRÍCIO, B.F.; BASTOS, L.C. (2009). Narrativas e identidades de grupo: a memória como garantia do “nós” perante o “outro”. In: PEREIRA, Maria das Graças Dias et al (Orgs.). Discursos socioculturais em interação: interfaces entre a narrativa, a conversação e a argumentação: navegando nos contextos da escola, saú-de, empresa, mídia, política e migração. Rio de Janeiro: Garamond.

FILLMORE, C. J. (1975). An alternative to checklist theories of meaning. Proceedings of the First Annual Meeting of the Berkeley Linguistics Society, p. 123-131.

FILLMORE, C. J. Topics in lexical semantics. (1977). In: COLE, R. W. Current Issues in Linguistic Theory. Bloomington: Indiana University Press.

FILLMORE, C. J. Frame Semantics. (1982). THE LINGUISTIC SOCIETY OF KOREA (org.). In: Linguistics in the morning calm. Seoul: Hanshin.

FILLMORE, C. J. Frames and the semantics of understanding. Quaderni di Semantica. (1985). vol. 6 n.2, p. 222-254.

FILLMORE, C. J. Border Conflicts: FrameNet Meets Construction Grammar. (2008). In: EURALEX,13, 2008, Barcelona. Anais. Barcelona: Universitat Barcelona Fabra.

FILLMORE, C. J. Semântica de Frames. (2009). Cadernos de Tradução, Porto Alegre, nº 25, jul-dez.

FILLMORE, C.J. e KAY, P. (1999). Grammatical Constructions and Linguistic Generalizations: The What’s X Doing Y? Construction. Language, vol. 75, n. 1, p. 1-33, mar.

FILLMORE, C.J; JOHNSON, C. R. & PETRUCK, M. R. L. (2003a). Background to FrameNet. International Journal of Lexicography. vol.16, n.3, p. 235-250.

FILLMORE, C.J.; PETRUCK, M. R. L.; RUPPENHOFER, J. & WRIGHT, A. (2003b). FrameNet in Action: The Case of Attaching. International Journal of Lexicography. vol.16, n.3, p. 297-332.

FILLMORE, C.J. et al. (2004). Reframing FrameNet Data. Proceedings of The 11th EURALEX International Congress. Lorient, France, p. 405-416.

FILLMORE, C.J., LEE-GOLDMAN, R. & RHODES, R. The FrameNet Constructicon. In: BOAS, H. & SAG, I. Sign-Based Construction Grammar. No prelo.

GOLDBERG, A.E. (1995). Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago and London: The University Chicago Press.

GOLDBERG, A. (2006). Constructions at work. Oxford: Oxford University Press.

LIMA, F.R.O. (2009). A perspectiva discente do frame aula. 2009, 144 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora.

MIRANDA,N.S. (2007). Práticas de oralidade e cidadania. Projeto de Pesquisa- FAPEMIG- PPGLinguística, UFJF: Juiz de Fora.

MIRANDA,N.S. (2009). Práticas de oralidade e cidadania. Projeto de Pesquisa. FAPEMIG- PPGLinguística, UFJF: Juiz de Fora.

MIRANDA,N.S. (2001). Práticas de oralidade e cidadania. Projeto de Pesquisa. PNPD/CAPES -PPGLinguística, UFJF: Juiz de Fora.

PETRUCK, M.R.L. (1996). Frame Semantics. In: Jef Verschueren, Jan-Ola Östman, Jan Blommaert, and Chris Bulcaen (eds.). Handbook of Pragmatics. Philadelphia: John Benjamins.

PINHEIRO, R.M.M. (2009). O frame aula: uma análise sociocognitiva do discurso docente. 2009. 140 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Programa de Pós-Graduação em Linguística – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora

RUPPENHOFER, J.; ELLSWORTH, M.; PETRUCK, M.; JOHNSON, C.; SCHEFFCZYK, J. FrameNet II: Extended Theory and Practice. Versão 14 set. 2010. Disponível em: http://framenet. icsi.berkeley.edu/ Acesso em 20 out. 2010.

SALOMÃO, M. M. M. (2008). Implantação do Projeto FrameNet Brasil. Projeto de Pesquisa.

SALOMÃO, M. M. M. (2009). FrameNet Brasil: um trabalho em progresso. Calidoscópio, São Leopoldo: UNISINOS, vol. 7 n. 3, p. 171-182, set/dez.

TOGNETTA, L.R.P. (2011). Violência na Escola X Violência da Escola. Anais do VIII Congresso Nacional de Educação da PUCPR – EDUCERE e o III Congresso Ibero–Americano sobre Violências nas Escolas – CIAVE. Curitiba: PUC, 2008. Disponível em http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/586_903.pdf. Acesso em junho.

TOMASELLO, M. (1999). The Cultural Origins of Human Cognition. Cambridge: Harvard University Press.

TOMASELLO, M. (2003). Constructing a Grammar: a usage-based theory of language acquisition. Cambridge: Harvard University Press.

TRAUGOTT, E.C. (2007). The concepts of constructional mismatch and type-shifting from the perspective of grammaticalization. In: Cognitive Linguistics 18 - 4, p. 523-557.

O periódico Cadernos de Estudos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.