Hesitações na fala infantil: indícios da complexidade da língua

Autores

  • Lourenço Chacon Universidade Estadual de São Paulo
  • Cristyane Camargo Sampaio Villega Universidade Estadual de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v54i1.8636973

Palavras-chave:

Hesitação. Aquisição da Linguagem. Discurso.

Resumo

O objetivo do presente estudo é identificar características do funcionamento das hesitações na produção oral de crianças com desenvolvimento típico de linguagem. O material foi extraído de gravações (individuais) em áudio de uma narrativa estruturada como uma parlenda por 26 crianças entre 5-6 anos de idade. Cinco juízes fizeram a identificação dos pontos de hesitação em cada gravação bem como das marcas com as quais as hesitações se mostraram: pausas silenciosas; repetições hesitativas; interrupções; e alongamentos hesitativos. Considerado o plano mais global da narrativa, 80,66% dos pontos de hesitação ocorreram em situações em que se combinavam mudanças: de estruturação rítmica dos versos; de posicionamento do narrador; e de tempo e modo verbais. Complementarmente, a estrutura interna dos versos em que se deram essas mudanças era construída com palavras de configuração fonológica complexa para os padrões de fala infantil. Os 19,34% restantes de pontos de hesitação ocorreram em situações mais estáveis, tanto do ponto de vista da composição global da narrativa quanto da estrutura interna de seus versos. Esses versos caracterizavam-se por: repetição de estrutura rítmica; apresentação do conflito e do desfecho da narrativa; palavras de estrutura fonológica menos complexa para o vocabulário infantil. O aspecto não-casual, não-aleatório desses pontos reforça, portanto, a visão de que as hesitações indiciam negociações do sujeito com os outros constitutivos do (seu) discurso, já que ocorreram, privilegiadamente, em pontos nos quais co-ocorrências menos esperadas da própria língua se mostraram como um outro turbulento para as crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lourenço Chacon, Universidade Estadual de São Paulo

Faculdade de Filosofia, Ciências da Universidade Estadual de São Paulo - Departamento de Fonoaudiologia. Bolsista Pq/CNPq.

Cristyane Camargo Sampaio Villega, Universidade Estadual de São Paulo

Faculdade de Filosofia, Ciências da Universidade Estadual de São Paulo - Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Fonoaudiologia. Apoio FAPESP.

Referências

ANDRADE, C. R. F. (2000). Processamento da fala: aspecto da Fluência. Revista Pró-Fono, Barueri, v.12, n.1, p. 67-71.

ANDRADE, C. R. F. (2002a). História natural da gagueira – estudo I: perfil da fluência. Revista Pró-Fono, Barueri, v.14, n.3, p 351-360.

ANDRADE, C. R. F. (2002b). História natural da gagueira – estudo III: vocabulário, fonologia e pragmática. Revista Pró-Fono, Barueri, v.14, n.3, p 371-382.

BARROS, R.P.; FRIEDMAN, S. Concepções sobre fluência: ideologias subjacentes. Distúrbios da Comunicação. São Paulo, v.12, n.2, 2000.

BATISTA, C. G. (1997). Concordância e fidedignidade na observação. Psicologia, v. 3, n.2, 39-49, jul.

BEFI-LOPES, D.; PAULA, E. M. (2008). Habilidades de resolução de conflito e ocorrência de disfluências comuns em crianças em desenvolvimento normal de linguagem. Revista da Sociedade brasileira de Fonoaudiologia, v.13, n.3.

CHACON e VILLEGA - Hesitações na fala infantil: indícios... DEGIOVANI, V. M.; CHIARI, B. M.; SCHIEFER, A. M. Disfluência: caracterização dos tipos e freqüência de ocorrência em um grupo de escolares. Revista Pró-Fono, v.11, n.1, p.32-41, 1999

DUCROT, O. (1987). O dizer e o dito. Campinas: Pontes.

FARIA, A. A.; FERRIOLLI, B. H. V. M. (2005). Perfil dos sujeitos gagos do Projeto em Fluência da Fala da Universidade de Ribeirão Preto. Revista Fono Atual, São Paulo, v.8, n.34, p.58-64.

FERRIOLLI, B. H. V. M. (2002). A análise de discurso como proposta clínica fonoaudiológica nos casos de disfluência da fala. Relato de um caso. In: MEIRA, I. (Org.). Tratando gagueira: diferentes abordagens. São Paulo: Cortez, p.67-78.

FRIEDMAN, S. (1986). Gagueira: origem e tratamento. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v.1, n.3, p.189-191.

FRIEDMAN, S. (1999). Fluência: normalidade e patologia. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v.11, n.1, p.131-136.

GELAMO, R. P. (2006). Organização prosódica e interpretação de canções: a frase entonacional em quatro diferentes interpretações de Na batucada da vida. 107f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto.

LEMOS, S. M. A.; CHIARI, B. M. (1995). Pausas plenas: sua ocorrência na estruturação de frases. Revista Pró-Fono, Barueri, v. 7, n.2, p.10-13.

MARCUSCHI, L. A. (!999). A hesitação. In: NEVES, M. H. M. Gramática do português falado: novos estudos. Campinas: UNICAMP/FAPESP, p.159-194.

MARTINS, V. O.; ANDRADE, C. R. F. A. Perfil evolutivo da fluência da fala de falantes do português brasileiro. Revista Pró-Fono, Barueri, v.20, n.1, p.7-12, 2008.

MERÇON, S. M. A.; NEMR, K. Gagueira e disfluência comum na infância: análise das manifestações clínicas nos seus aspectos qualitativos e quantitativos. Revista CEFAC, v.9, n.2, p. 174-179, 2007.

NASCIMENTO, J. C. (2005). Fenômeno hesitativo na linguagem: um olhar para a doença de Parkinson. 158f. Dissertação (Mestrado em Estudos Lingüísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto.

NASCIMENTO, J. C. (2010). Uma perspectiva discursiva sobre a hesitação. 128 f. Tese (Doutorado em Estudos Lingüísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto.

NASCIMENTO, J. C.; CHACON, L. (2006). Por uma visão discursiva do fenômeno da hesitação. Alfa, São Paulo, v.50, n.1, p.59-76.

NASCIMENTO, J. C. (2011). Um olhar enunciativo-discursivo sobre a hesitação em um sujeito com Doença de Parkinson. In: TFOUNI, L. V.; MONTE-SERRAT, D. M.; CHIARETTI, P. (Orgs.) A análise do discurso e suas interfaces. São Carlos: Pedro & João Editores, pp.125-143.

OLIVEIRA, A. M. C. C.; RIBEIRO, I. M.; MERLO, S.; CHIAPPETTA, A. L. M. L. (2007). O que fonoaudiólogos e estudantes de fonoaudiologia entendem por fluência e disfluência. Revista CEFAC, v.9, n.1, p.40-46.

SCARPA, E. M. (1995). Sobre o sujeito fluente. Caderno de Estudos Lingüísticos, Campinas: v.29, p.163-184.

SCHIEFER, A. M.; CHIARI, B. M.; BARBOSA, L. M. G. (1992). Orientação aos pais: uma proposta de atuação preventiva na fala de crianças disfluentes. Revista Pró-Fono, Barueri, vol. 4, n.1, p.03-06.

SILVEIRA, A. L. S. (1989). Considerações sobre a anamnese da gagueira. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v.3, n.1, p.67-70.

VIEIRA, R. C. R. (2009). Doença de Parkinson: deslizamentos do dizer marcados por hesitações em contexto fonético-fonológico recorrente, 106f. Dissertação (Mestrado em Estudos Lingüísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto.

Downloads

Publicado

2012-07-19

Como Citar

CHACON, L.; VILLEGA, C. C. S. Hesitações na fala infantil: indícios da complexidade da língua. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 54, n. 1, p. 81–98, 2012. DOI: 10.20396/cel.v54i1.8636973. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636973. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos