Banner Portal
Coesão e interatividade em texto de elocução formal
PDF

Palavras-chave

Linguística.

Como Citar

BRANDÃO, Helena Hathsue Negamine. Coesão e interatividade em texto de elocução formal. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 44, p. 239–250, 2011. DOI: 10.20396/cel.v44i0.8637079. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8637079. Acesso em: 17 abr. 2024.

Resumo

In this essay I intend to verify how a genre of textual formal elocution – the conference – is organized, from both a linguistic construction point of view as well as its pragmatic and interactive marks. I will analyze the presence of identifying elements not only related to the oral language but also the ones derived from the written language, since the conference is a genre of oral form, used in formal and academic settings. I will start by explaining the theoretical framework in which the analysis is conducted.
https://doi.org/10.20396/cel.v44i0.8637079
PDF

Referências

BAKHTIN, M. (Voloshinov, 1929), Marxismo e filosofia da linguagem, trad. M. Lahud e Y.F. Vieira, São Paulo, SP, Hucitec, 1979.

BAKHTIN, M. “Os gêneros do discurso”, em Estética da criação verbal, trad. M.E. Galvão Gomes Pereira, São Paulo, SP, Martins Fontes, 1992, 277-326.

BRAIT, B., (1998), “Elocução formal: o dinamismo da oralidade e as formalidades da escrita”, em D. Preti, (Org.), Estudos de língua falada. Variações e confrontos, São Paulo, SP, Humanitas – FFLCH-USP, 87-108.

BRAIT, B. (2002), “Interação, gênero e estilo”, em D. Preti (org), Interação na fala e na escrita, São Paulo, SP, Humanitas – FFLCH/USP, 125-157.

CASTILHO, A.T. & PRETI, D. (Orgs.), (1986), A linguagem falada culta na cidade de São Paulo, São Paulo, SP, T.A. Queiroz, Vol. I .

CHAFE, W.L. (1985). “Diferenças lingüísticas produzidas pelas diferenças entre fala e escrita” em D. R. Olson, N. Torrance, & A. Hilyard, Literacy, Language and Learning: the nature and consequences of reading and writing, Cambridge, Cambridge University Press, trad. Marcos Bagno, 1992 (versão digitada).

JUBRAN, C.C.A.S. (1993), “Inserção: um fenômeno de descontinuidade na organização tópica”, em A.T. Castilho, (Org.), Gramática do Português falado. As abordagens. Campinas, Editora da UNICAMP; São Paulo, FAPESP, 61-74.

JUBRAN, C.C. et alii (1996) “Organização tópica da conversação” em R. Ilari, (Org.) Gramática do Português falado. Níveis de análise lingüistica, Vol. II, Campinas, Editora da UNICAMP, 3a. ed, 357-439.

KOCH, P. & OESTERREICHER, W. (2002) “Langage parlé et langage écrit” (Gesprochene Sprache und geschriebene Sprache), em Günter Holtus et alii (éditores), Lexikon der Romanistischenn Linguistik (LRL), Volume I, 2. Tübingen: Max Niemeyer Verlag.

MARCUSCHI, L.A. (2000). Da fala para a escrita. Atividades de retextualização, São Paulo, SP, Cortez Editora.

MARCUSCHI, L.A. (1993). “O tratamento da oralidade no ensino de língua”, Programa de Pós-graduação em Letras e Lingüística, Recife, PE, Universidade Federal de Pernambuco (versão digitada).

MARCUSCHI, L.A. (1988) “Coesão e coerência na conversação (Organização tópica)”. (Versão digitada).

RISSO, M. & SILVA, G. & URBANO, H. (1996). “Marcadores discursivos: traços definidores”, em I. Koch, (Org.), Gramática do português falado. Desenvolvimentos. Vol. VI, Campinas, SP, Editora da UNICAMP – FAPESP, 21-94.

SOUZA-e-SILVA, M.C. & KOCH, I.V. (1996). “Estratégias de desaceleração do texto falado”, em M. Kato, (Org.), Gramática do português falado. Convergências, Vol. V, Campinas, SP, Editora da UNICAMP – FAPESP, 327-338.

O periódico Cadernos de Estudos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.