Gênero, mídia e recepção: sobre as narrativas televisivas e seus espectador

Autores

  • Anna Christina Bentes Universidade Estadual de Campinas
  • Ingedore Grunfeld Villaça Koch Universidade Estadual de Campinas
  • Cássia Michela Alves Nogueira Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v44i0.8637081

Palavras-chave:

Linguística.

Resumo

The main objective of this article is to describe some of the ways certain individuals belonging to an specific social group exibit their knowledge about the themes, composicional structure and functioning of a mass media genre: Brazilian soap operas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anna Christina Bentes, Universidade Estadual de Campinas

Atualmente é professora do Departamento de Linguística da Universidade Estadual de Campinas.

Ingedore Grunfeld Villaça Koch, Universidade Estadual de Campinas

Professora titular do Instituto de Estudos da Linguagem.

Cássia Michela Alves Nogueira, Universidade Estadual de Campinas

Atualmente, atua como professora e coordenadora da área de Língua Portuguesa (Ensino Médio) do colégio Visconde de Porto Seguro - Valinhos. 

Referências

ANDRADE, R.M.B. de. (2002). “Telenovela e vida cotidiana”. Comunicação & Educação, São Paulo, (25): 28 a 35, set.dez.

BAKHTIN, M. (1988). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Editora Hucitec. (Edição original, 1929).

BAKHTIN, M. (1992). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes. (Edição original, 1979).

BENJAMIM, Walter. (1994). “O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov”. In: Obras escolhidas I – Magia e técnica, Arte e política: ensaios sobre a literatura e história da cultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 7ª edição.

BENTES, A.C. (2003). A abordagem etnográfica em pesquisa sociolingüística: implicações teóricas e analíticas para o campo. Comunicação apresentada no 51º Seminário do GEL, Taubaté, São Paulo, 22 a 24/05/03. (no prelo)

BHATIA, V.K. (1997). “Genre analysis today”. Revue Belge de Philologie et d’Histoire. Bruxelles, 75:629652. [Tradução: Benedito Gomes Bezerra].

CANCLINI, N.G. (1997). Consumidores e cidadãos. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ. (Edição original, 1995).

CERTEAU, M. (1996). de. A invenção do cotidiano – 1: artes de fazer. Rio de Janeiro: Vozes. (Edição original, 1994)

CLIFFORD, J. (2002). A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ. (Edição original, 1994).

COSTA, S.R. “Entre o rural e o urbano: a recepção da telenovela em Serra da Saudade, MG”. Revista Brasileira de Ciência da Comunicação. Vol. XXII, no.1, jan/jul.1999, p. 123-142.

GEERTZ, C. (1999). O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Rio de Janeiro: Vozes.

GOMES-SANTOS, S.N. (2003). Recontando histórias na escola: gêneros discursivos e produção da escrita. São Paulo: Martins Fontes.

HAMBURGER, E. (1998). “Vale Tudo e as conseqüências não antecipadas da modernização”. Imagens. nº 8, maio/agosto, p. 34-43.

JACKS, N. (1996). “Tempo e espaço e recepção”. In: FAUSTO NETO, A. & PINTO, M.J. (orgs.) O indivíduo e as mídias. Rio de Janeiro: Diadorim.

KOCH, I.G.V. (2002). Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez.

MACHADO, A. (1998). “Televisão: a questão do repertório”. Imagens. nº 8, maio/agosto, p. 09-19.

MARTÍN-BARBERO, J. (2003). Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ. (Edição original, 1987)

MARCUSCHI, L.A. (2002). “Gêneros textuais: definição e funcionalidade”. In: Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Editora Lucerna.

MORATO, E. & BENTES, A.C. (2002). “Das intervenções de Bourdieu no campo da Lingüística: reflexões sobre competência e língua legítima”. Horizontes: Dossiê: Bourdieu, vol. 20, jan./dez. 2002. p.

NOGUEIRA, C.M. “Relatório de final de atividades do projeto ‘Narrativa e sociedade: descrevendo as diferentes recepções da telenovela brasileira’”. Projeto de Iniciação Científica financiado pelo CNPq e desenvolvido no Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, agosto de 2002 a julho de 2003.

RIO, V.C. “Processos de recepção de narrativas midiáticas: um estudo sociolingüístico da recepção do programa ‘Brava gente’”. Projeto de Iniciação Científica financiado pela FAPESP e desenvolvido no Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, iniciado em agosto de 2003.

ROMANO, M.C.J. (1996). “Análise da composição textual das telenovelas – percurso necessário para pensar o fenômeno da recepção”. In: FAUSTO NETO, A. & PINTO, M.J. (orgs.) O indivíduo e as mídias. Rio de Janeiro: Diadorim.

RONDELLI, E. (1998). “Realidade e ficção no discurso televisivo”. Imagens. nº 8, maio/agosto, p. 26-35.

RONSINI, V.M. (1996). “O que acontece aqui e lá no fim do mundo: como pensar esta relação nos estudos de recepção”. In: FAUSTO NETO, A. & PINTO, M.J. (orgs.) O indivíduo e as mídias. Rio de Janeiro: Diadorim.

THOMPSON, J.B. (2002). A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Rio de Janeiro: Vozes. (Edição original, 1995).

Downloads

Publicado

2011-08-24

Como Citar

BENTES, A. C.; KOCH, I. G. V.; NOGUEIRA, C. M. A. Gênero, mídia e recepção: sobre as narrativas televisivas e seus espectador. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 44, p. 265–282, 2011. DOI: 10.20396/cel.v44i0.8637081. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8637081. Acesso em: 7 dez. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>