Imagens de si na tela do cinema: reflexões sobre o Ethos Fílmico

Autores

  • Carolina Assunção e Alves Centro Universitário de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v55i2.8637291

Palavras-chave:

Ethos. Discurso Fílmico. Ficção.

Resumo

Uma das funções do discurso fílmico, assim como dos outros tipos de discurso, é causar um determinado impacto sobre o público, ou seja, ele é portador de alguma dimensão argumentativa. Para isso, a instância de produção emprega estratégias dentre as quais é possível verificar a presença das provas retóricas. Uma delas é o ethos, que implica a construção de uma ou mais imagens de si por parte do enunciador, a fim de obter a adesão pretendida. No caso do filme narrativo de ficção, as circunstâncias determinantes da troca comunicativa chamam atenção para certas particularidades: a linguagem cinematográfica, o star system, os aspectos comerciais e dramáticos, as identidades envolvidas dentro e fora do mundo ficcional. O objetivo deste artigo é refletir sobre as possíveis configurações do ethos nesse gênero discursivo específico, com base principalmente nas categorias estabelecidas por Amossy (2006) e sob a perspectiva da teoria semiolinguística de Charaudeau (2001). A fim de poder melhor visualizar a aplicação das ideias propostas, será realizada uma análise do ethos no filme O Poderoso Chefão II (The Godfather Part II, 1974), de Francis Ford Coppola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Assunção e Alves, Centro Universitário de Brasília

Professora licenciada do curso de Comunicação Social do Centro Universitário de Brasília. Experiência na área de Comunicação, ênfase em telejornalismo.

Referências

AMOSSY , R. Les idées reçues – sémiologie du stéréotype. Paris: Éditions nathan, 1991.

Alves – Imagens de si na tela do cinema: Reflexões sobre o Ethos Fílmico

Alves. La notion d’ethos de la rhétorique à l’analyse de discours. In: AMOSSY, Ruth. (sous la direction de) Images de soi dans le discours: la construction de l’ethos. lausanne: Delachaux et niestlé, 1999. p. 9-30.

Alves. L’argumentation dans le discours. Paris: armand Colin, 2006.

ARISTÓTELES. Retórica. Tradução e notas de Manuel Alexandre Júnior. Estudos Gerais - série universitária – Clássicos da filosofia. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2000.

CHARAUDEAU, P. Uma Teoria dos Sujeitos da Linguagem. In: MARI, H.; MACHADO, I.; MELLO, r. (orgs.). Análise do Discurso: Fundamentos e Práticas. Belo Horizonte: NAD/FALE/UFMG, 2001, p. 23-38.

COSTA, A. Compreender o cinema. são Paulo, Globo: 1989.

DELORME, S. Le livre Francis Ford Coppola. Paris: Cahiers du cinéma, Collection Grands Cinéastes, 2007.

DUNCAN, P. (org.) The Godfather family album – photographs by Steve Schapiro. Taschen: Colônia, 2010.

EGGS, E. Ethos aristotélicien, conviction et pragmatique moderne. in: aMossY, Ruth. (sous la direction de) Images de soi dans le discours: la construction de l’ethos. lausanne: Delachaux et niestlé, 1999. p. 31-59.

MARTIN, M. A linguagem cinematográfica. são Paulo: Brasiliense, 1990.

PAVEAU, M-A.; SARFATI, G-É. As grandes teorias da linguística – da gramática comparada à pragmática. são Carlos: Claraluz, 2006.

O PODEROSO CHEFÃO – The Coppola Restoration (The Godfather). Direção: Francis Ford Coppola. São Paulo: Paramount Pictures. 2008. 4DVDs, widescreen, color., legendado.

OLBRECHTS-TYTECA, L.; PERELMAN, C. Traité de l’argumentation – la nouvelle rhétorique. Bruxelas: Editions de l’Université de Bruxelles, 2008. 6ª ed.

Downloads

Publicado

2013-12-19

Como Citar

ALVES, C. A. e. Imagens de si na tela do cinema: reflexões sobre o Ethos Fílmico. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 55, n. 2, p. 67–84, 2013. DOI: 10.20396/cel.v55i2.8637291. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8637291. Acesso em: 27 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos