Um gesto de perpetuação: as profissões científicas em revista de divulgação científica para crianças

Autores

  • Angela Corrêa Ferreira Baalbaki Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v56i2.8641479

Palavras-chave:

Análise do discurso. Divulgação científica. Memória.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar a seção “Quando crescer, vou ser ...”, da revista de divulgação científica Ciência Hoje das Crianças (CHC). Destacamos a memória como o conceito teórico basilar para a reflexão desenvolvida. Detivemo-nos em dois enunciados que povoam o imaginário sobre o futuro da criança brasileira: “cientistas de amanhã” e “criminosos de amanhã”. Importa sublinhar que, considerando esses dois enunciados, pudemos conjugar a historicidade inscrita no título da seção da revista CHC; de fato, um enunciado que ressoa o imaginário de infância atrelada à profissão de cientista, diga-se uma profissão socialmente prestigiada. O efeito de sentido produzido na seção é o da promoção da perpetuação imaginária de futuro promissor para os leitores da revista. Observa-se que o trabalho da memória constrói uma previsibilidade, produzindo a ilusão de que nada muda, ou melhor, a ilusão de perpetuação da valorização da atividade científica, sobretudo, da valorização das ciências naturais e exatas

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Corrêa Ferreira Baalbaki, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora adjunta do Departamento de Estudos da Linguagem do Instituto de Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Em 2011, foi professora temporária do Curso Bilíngue de Pedagogia do Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES). Mestre em Letras (UERJ, 2002) e doutora em Letras (Universidade Federal Fluminense - UFF, 2010). Integra os seguintes grupos de pesquisa: Discurso, historicidade e subjetividade: inconsciente e ideologia (UFF), PraLinS: Práticas de Linguagem e Subjetividade (UERJ). Desenvolve pesquisas na área de Análise de Discurso de linha francesa e História das Ideias Linguísticas com ênfasenos seguintes temas: formação de professores de línguas; processo de gramatização de línguas; ensino de Língua Portuguesa como línguaeEstrangeira e como segunda língua para alunos surdos;discurso de divulgação científica.

Referências

ARIÈS, PHILIPPE. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de; SALES, Zeli Efigênia Santos. Escolarização da infância brasileira: a contribuição do bacharel Bernardo Pereira de Vasconcelos. In: FREITAS, Marcos César; KUHLMANN JÚNIOR, Moysés (org.). Os intelectuais na história da infância. São Paulo: Cortez, 2002, p. 245-266.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 9 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

GUIMARÃES, Eduardo. A ciência entre as políticas científicas e a mídia. In: GUIMARÃES, Eduardo. (org.) Produção e Circulação do Conhecimento. v. 1. Campinas: Pontes, 2001, p.73-79.

GUIMARÃES, Eduardo. Linguagem e conhecimento: produção e circulação da ciência. RUA, Campinas, v. 2, n15, p. 6-14, nov.2009.

MAIA, Maria Claudia G. Instâncias de subjetivação em relatórios sobre adolescentes infratores. Niterói: UFF, 2006. 265f. Tese (Doutorado em Letras). Programa de Pós-Graduação em Letras, Faculdade de letras, UFF, Niterói, 2006.

MARIANI, Bethania. O PCB e a imprensa: os comunistas no imaginário dos jornais (1922-1989). Rio de Janeiro: renavan; Campinas, SP: editora da Unicamp, 1998.

MARIANI, Bethania. Os primórdios da imprensa no Brasil (ou: de como o discurso jornalístico constrói memória). in: ORLANDI, E. (org.). Discurso fundador: a formação do país e a construção da identidade nacional. 3ed. Campinas: pontes, 2003, p.31-41.

ORLANDI, Eni. Discurso e argumentação: um observatório do político. Fórum Linguístico, Florianópolis: n. 1, jul-dez., p.73-81, 1998.

ORLANDI, Eni. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 4ed. Campinas: Pontes, 2003.

ORMASTRONI, Maria Julieta. Concurso cientistas de amanhã. In: KREINZ, G.; PAVAN, C. Idealistas isolados: ensaios sobre divulgação científica: linguagens e posturas. Vol. 2. São Paulo: NJR/ ECA/USP, 1999, p. 103-117.

PASSETI, Edson. Crianças carentes e políticas públicas. In: PRIORE, M. D. (org.). História das crianças no Brasil. 4 ed. São Paulo, Contexto, 2004, p. 347-375.

PAYER, M. O. Linguagem e sociedade contemporânea. Sujeito, mídia e mercado. Rua: revista do Núcleo de Desenvolvimento da criatividade da UNICAMP. UNICAMP- NUDECRI, Campinas - SP, n.11, 2005, p. 9-26.

BAALBAKI – Um gesto de perpetuação: as profissões científicas em revista de divulgação... PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas. Editora da Unicamp, 1988.

PFEIFFER, Cláudia C. Bem dizer e retórica: um lugar para o sujeito. 2000. 183 f. Tese (Doutorado em linguística). Universidade estadual de Campinas, instituto de estudos da linguagem, Campinas, 2000.

PRIORE, Mary Del. Apresentação. In: PRIORE, Mary Del. (org.). História das crianças no Brasil. 4 ed. São Paulo, Contexto, 2004, p. 7-17.

REIS, José. Educação é investimento. São Paulo: Imbrasa, 1968.

SANTOS, Marco Antonio. Criança e criminalidade no início do século. In: PRIORE, M. D. (org.). História das crianças no Brasil. 4 ed. São Paulo, Contexto, 2004, p. 210-230.

ZOPPI FONTANA, Mónica G. Cidadãos modernos: discurso e representação política. Campinas: UNICAMP, 1997.

Downloads

Publicado

2015-06-29

Como Citar

BAALBAKI, A. C. F. Um gesto de perpetuação: as profissões científicas em revista de divulgação científica para crianças. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 56, n. 2, p. 273–288, 2015. DOI: 10.20396/cel.v56i2.8641479. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8641479. Acesso em: 30 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)