Elementos discursivos da governamentalidade do corpo das populações em enunciados midiáticos sobre a AIDS, nos anos 1980

Autores

  • Hoster Older Sanches Universidade Estadual de Maringá (UEM)
  • Pedro Luis Navarro Barbosa UEM - Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v57i2.8642398

Palavras-chave:

Discurso. Aids. Governamentalidade

Resumo

Em 1987, o jornal Folha de S.Paulo, diário impresso de notícias, fez circular uma vasta produção discursiva cuja temática era a aids. O mês de junho desse jornal apresentou uma sequência de discursos políticos voltados ao crescimento da contaminação do vírus HIV em todo o mundo. Uma análise voltada para essa história de curta duração dá visibilidade à governamentalidade do corpo da população, tema deste artigo.  Para tanto, buscou-se, no acervo digitalizado desse periódico, o registro de discursos sobre o acontecimento da aids na segunda metade da década de 1980. A partir da constituição e da descrição desse corpus, pode-se compreender como o governo dos corpos é enunciado e como esse enunciado é materializado, em notícias e em reportagens. A fundamentação teórica do trabalho está alicerçada em pressupostos teóricos de Michel Foucault, especialmente no que tange aos estudos sobre enunciado, governo e poder. Observa-se que Estado deve saber tudo sobre as práticas dessas populações e dos indivíduos, especialmente, as inerentes à sexualidade, que se configuram como objeto, nos termos de Foucault, de um “controle-repressão”. A produção de saberes sobre a aids ocorre em meio ao exercício desse poder governamental e da resistência que a ele é feita. Nesse jogo discursivo, ressalta-se uma preocupação em conhecer o estado biológico de cada população, sendo algumas o foco de atuação do poder político, como a população homossexual e a carcerária. Observa-se que a governamentalidade do corpo do indivíduo e das populações é prioridade do Estado com a realidade da aids; em vista disso, o corpo da população de estrangeiros, de homossexuais e de prisioneiros é mantido sob o olhar clínico e político do Estado e da ciência, a fim de identificá-lo e separá-lo. O Estado, portanto, submete o corpo do portador do vírus HIV a relações de poder/saber e resistência presentes nas tramas sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hoster Older Sanches, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Graduação em Letras Português/Espanhol pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), com conclusão em 2003. Pós-graduação (latu sensu) em Ensino de Língua pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), com conclusão em 2004; Mestrado em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Maringá (UEM); Doutorando em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Maringá (UEM)

 

Pedro Luis Navarro Barbosa, UEM - Universidade Estadual de Maringá

Pós-Doutorado.  Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil. Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.  Grande área: Lingüística, Letras e Artes / Área: Lingüística.  Grande Área: Lingüística, Letras e Artes / Área: Lingüística / Subárea: Teoria e Análise Lingüística / Especialidade: Análise do Discurso.

Referências

DOSSE, F. A história à prova do tempo: da história em migalhas ao resgate do sentido. Trad. Ivone C. Beneditti. São Paulo: Editora da UNESP, 2001.

FERNANDES, C. A. Discurso e sujeito em Michel Foucault. Editora Intermeios. São Paulo, 2012.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Tradução: Luiz Felipe Baeta Neves. 8a edição. Editora: Forense Universitária. Rio de Janeiro, 1972.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A vontade de saber. Tradução. Maria Tereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 21a reimpressão. Editora Graal. Rio de Janeiro, 1988.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Trad. Adalberto de O. Souza. Série Apontamentos no 29. Maringá: Universidade Estadual de Maringá, 1995.

FOUCAULT, M. O Nascimento da Clínica. Tradução Roberto Machado. 5 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1998.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. 3a edição. Tradução: Márcio Alves da Fonseca. Editora WMF Martins Fontes. São Paulo, 2010.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 25a edição. Editora Graal. São Paulo, 2012.

http://acervo.folha.com.br/fsp.

Downloads

Publicado

2015-12-16

Como Citar

SANCHES, H. O.; BARBOSA, P. L. N. Elementos discursivos da governamentalidade do corpo das populações em enunciados midiáticos sobre a AIDS, nos anos 1980. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 141–156, 2015. DOI: 10.20396/cel.v57i2.8642398. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8642398. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos