Estudos discursivos da intolerância: o ator da enunciação excessivo

Autores

  • Diana Luz Pessoa de Barros Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v58i1.8646151

Palavras-chave:

Intolerância. Inclusão. Semiótica. Discursos do excesso

Resumo

Este trabalho tenta sustentar as hipóteses de que os discursos intolerantes consideram o “diferente” como o que rompe pactos e acordos sociais, por não ser humano, por ser contrário à natureza, doente e sem ética ou estética, e que, por isso mesmo, é temido, odiado, sancionado negativamente e punido.  Por sua vez, os discursos de aceitação e inclusão, que a eles se contrapõem, são elaboradoscom estratégias, temas e valores contrários aos acima. Seus contratos são os de multilinguismo, mestiçagem, diversidade sexual, pluralidade religiosa, e não mais de pureza das línguas, de branqueamento da sociedade, de heterossexualidade, de identidade religiosa. A partir daí, examina, especificamente, os discursos intolerantes de sites e blogs da internet, que se caracterizam como discursos do excesso, ou mesmo pela exacerbação do excesso, e por se apresentarem, sobretudo, como discursos de intolerância ao intolerável.Essa intensificação do excesso decorre dos traços específicos dos discursos na internet e, ainda, de procedimentos discursivos diversos, dentre os quais se destacam a forte figurativização dos temas e o emprego de recursos retóricos, como o do argumento do excesso, com suas hipérboles, metáforas e metonímias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diana Luz Pessoa de Barros, Universidade de São Paulo

Professora na Universidade Presbiteriana Mackenzie – UPM e na Universidade de São Paulo – USP, Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq.

Referências

BARROS, D. L. P. de (2000). Entre a fala e a escrita: algumas reflexões sobre as posições intermediárias. In: Preti, D. Fala e escrita em questão. São Paulo: Humanitas, p. 57-77.

BARROS, D. L. P. de (2006). Efeitos de oralidade no texto escrito. In: Preti, D. Oralidade em diferentes discursos. São Paulo: Humanitas, p. 57-84.

BARROS, D. L. P. de (2008a). Preconceito e intolerância em gramáticas do português. In: D. L. P. de

BARROS. D. L. P. de e FIORIN, J. L. (orgs) A fabricação dos sentidos – estudos em homenagem a IzidoroBlikstein. Ed. São Paulo: Humanitas, v. 1, p. 339-363.

BARROS, D. L. P. de (2008b). A identidade intolerante no discurso separatista. Filologia e Lingüística Portuguesa, v. 9, p. 147-167.

BARROS, D. L. P. de (2008c). Discurso, indivíduo e sociedade: preconceito e intolerância em relação à linguagem. In: O discurso nos domínios da linguagem e da história. São Carlos – SP: Ed. Claraluz, v. 1.

BARROS, D. L. P. de (2011). A construção discursiva dos discursos intolerantes. In: BARROS, D. L. P. de. Preconceito e intolerância. Reflexões linguístico-discursivas. São Paulo: Editora Mackenzie, p.255-270.

BARROS, D. L. P. de (2013). Política e intolerância. In: FULANETI, O. N. e BUENO, A. M. (orgs.). Linguagem e política: princípios teórico-discursivos. São Paulo: Contexto, p.71- 92.

BUENO, A. M. (2014). Intolerância, preconceito e exclusão. In: LARA, G. P. e LIMBERTI, R. P. (orgs.). Discurso e (des)igualdade social. São Paulo: Contexto, p.61-78.

DISCINI, N. (2003). O estilo nos textos. São Paulo: Contexto.

FIORIN, J. L. (1988a). O regime de 1964. São Paulo: Atual.

FIORIN, J. L. (1988b). Linguagem e ideologia. São Paulo: Ática.

FIORIN, J. L. (1992). Algumas considerações sobre o medo e a vergonha. Cruzeiro Semiótico, no 16, p.55-63.

FIORIN, J. L. (1996). As astúcias da enunciação. São Paulo: Ática.

FIORIN, J. L. (2014). Figuras de retórica. São Paulo: Contexto.

FIORIN, José Luiz (2015). Argumentação. São Paulo: Contexto.

GREIMAS, A. J. (1983). Sobre o sentido II. São Paulo: Nankin/EDUSP. 2014

GREIMAS, A. J. e COURTÉS, J.(1979). Dicionário de Semiótica. São Paulo: Contexto. 2008.

GREIMAS, A. J. e FONTANILLE, J. (1991). Semiótica das paixões. São Paulo, Ática.1993.

LANDOWSKI, E. (1979). Du politique au politologique. In: Greimas, A. J. et LANDOWSKI, E. Introduction à l’analyse du discours en sciences sociales. Paris: Hachette, p. 103-127.

LANDOWSKI, E. (1982). Les discours du pouvoir. In: J-C Coquet. Sémiotique L’école de Paris. Paris: Hachette, p. 151-172.

LANDOWSKI, E. (1992). A sociedade refletida: ensaios de sociossemiótica. São Paulo: EDUC/Pontes (original francês de 1989).

LANDOWSKI, E. (1997). Présences de l’autre. Paris, PUF.

LOTMAN, I. M. (1981). Semiótica dos conceitos de “vergonha” e “medo”. In: LOTMAN, I. M. et al. Ensaios de semiótica soviética, Lisboa: Horizonte, p. 237-240.

ZILBERBERG, C. (2004). As condições semióticas da mestiçagem. In: CAÑIZAL, E. P. e K.

E. CAETANO, K. E. (orgs.). O olhar à deriva: mídia, significação e cultura. São Paulo: Annablume.

ZILBERBERG, C. (2006a). Éléments de grammaire tensive, Limoges : Pulim.

ZILBERBERG, C. (2006b). Síntese da gramática tensiva. Significação 25, p.163-204.

Downloads

Publicado

2016-04-20

Como Citar

BARROS, D. L. P. de. Estudos discursivos da intolerância: o ator da enunciação excessivo. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 58, n. 1, p. 7–24, 2016. DOI: 10.20396/cel.v58i1.8646151. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8646151. Acesso em: 8 dez. 2021.