Estereótipos e desigualdades sociais: contribuições da psicilogia social à análise do discurso

  • Anna Flora Brunelli Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas - UNESP - Câmpus de São José do Rio Preto (SP)
Palavras-chave: Análise do discurso. Estereótipos. Desigualdades sociais

Resumo

Neste trabalho, procuramos demonstrar como estudos de Psicologia Social podem servir aos interesses da Análise do Discurso, dadas as reflexões que promovem sobre o conteúdo e sobre as funções que exercem certos estereótipos presentes nos discursos, incluindo aí esclarecimentos sobre o modo como os estereótipos podem colaborar, à sua maneira, para a manutenção da desigualdade social. Para tanto, apresentamos inicialmente algumas teses desenvolvidas no âmbito da Psicologia Social sobre o tema, com destaque para a “Teoria da Justificação do Sistema”; posteriormente, tratamos de empregá-las para avaliar estereótipos presentes em dois tipos distintos de discursos, o que nos permite revelar aspectos não evidentes desses discursos. Os resultados confirmam, assim, a pertinência desse intercâmbio teórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anna Flora Brunelli, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas - UNESP - Câmpus de São José do Rio Preto (SP)

Professora da área de língua portuguesa do Departamento de Estudos Linguísticos e Literários (DELL) do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE) - UNESP - Câmpus de São José do Rio Preto (SP). Integrante do grupo FEsTA (Fórmulas e Estereótipos: Teoria e Análise), grupo de pesquisa CNPq.

 

 

 

Referências

AMOSSY, R.; PIERROT, A. H. Estereótipos y clichés. Buenos Aires: Eudeba, 2001.

ASHMORE, R. D.; DEL BOCA, F. K. Conceptual approaches to stereotypes and stereotyping. In: HAMILTON, D. L. (ed.). Cognitive processes in stereotyping and intergroup behavior. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates, 1981, p.1-35.

BRUNELLI, A. F. O sucesso está em suas mãos: análise do discurso de autoajuda. 2004. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

BRUNELLI, A. F. Estereótipos de mulher no discurso de autoajuda. Cadernos de Linguagem e Sociedade, vol.13, n.2, p.102-116, 2012.

CARTER, S; SOKOL, J. O que toda mulher inteligente deve saber: como lidar com os homens com sabedoria e conseguir o amor que você merece. Rio de Janeiro: Sextante, 2006.

CUNNINGHAM, F. Democratic Theory and Socialism. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

EAGLETON, T. Ideologia. São Paulo: Boitempo/Editora da UNESP, 1997.

FERREIRA, M. B.; GARCIA-MARQUES, L.; TOSCANO, H.; CARVALHO, J.; HAGÁ, S. Para uma revisão da abordagem multidimensional das impressões de personalidade: o culto, o irresponsável, o compreensivo e o arrogante. Análise Psicológica, vol.29, n.2, p.315-33, 2011.

FISKE, S. T. Managing ambivalent prejudices: smart-but-cold and warm-but-dumb stereotypes. Annals of the American Academy of Political and Social Science, vol.639, n.1, p.33-48, 2012.

FISKE, S. T., CUDDY, A. J. C.; GLICK, P. Universal dimensions of social perception: warmth and competence. Trends in Cognitive Science, vol.11, n.2, p.77–83, 2007.

GLICK, P., FISKE, S.T. The ambivalent sexism inventory: differentiating hostile and benevolent sexism. Journal of Personality and Social Psychology, vol.70, p. 491–512, 1996.

JOST, J. T.; BANAJI, M. R.The role of stereotyping in system-justification and the production of false consciousness.British Journal of Social Psychology, vol.33, p.1-27, 1994.

JOST, J. T.; KAY, A. C. Exposure to benevolent sexism and complementary gender stereotypes: consequences for specific and diffuse forms of system justification. Journal of Personality and Social Psychology, vol.88, n.3, p.498-509, 2005.

JOST, J.T.; PIETRZAK, J.; LIVIATAN, I.; MANDISODZA, A.; NAPIER, J. System justification as conscious and nonconsciousgoal pursuit. In: SHAH, J.; GARDNER, W. (eds.). Handbook of Motivation Science. New York: Guilford, 2008, p.591-605.

LIPPMANN, W. Public opinion. New York: Harcourt, Brace, Jovanovitch, 1922.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 1998.

PAVEAU, M. A. Os pré-discursos: sentido, memória, cognição. Campinas: Pontes, 2013.

RIDGEWAY, C. L. Framed before we know it: how gender shapes social relations. Gender & Society, vol.23, n.2, p.145-160, 2009.

SCHALLER, M.; CONWAY III, L. G.; PEAVY, K. M. Evolutionary processes. In: DOVIDIO, J. F.; HEWSTONE, M.; GLICK, P.; ESSES, V. M. (eds.). The Sage handbook of prejudice, stereotyping, and discrimination. Thousand Oaks CA: Sage, 2010, p.81-96.

STEELE, C. M. A threat in the air: how stereotypes shape intellectual identity and performance. American Psychologist, vol.52, p.613-629, 1997.

STEELE, C. M.; ARONSON, J. Stereotype threat and the intellectual test-performance of African Americans.Journal of Personality and Social Psychology, vol.69, n.5, p.797-811, 1995.

SUNAR, D. Stereotypes of the powerless: a social analysis. Psychological Reports, vol.43, p.511-528, 1978.

TAJFEL, H. Human groups and social categories.Cambridge: Cambridge University Press, 1981.

Publicado
2016-03-23
Como Citar
Brunelli, A. F. (2016). Estereótipos e desigualdades sociais: contribuições da psicilogia social à análise do discurso. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 58(1), 25-43. https://doi.org/10.20396/cel.v58i1.8646152