Formas tratamentais em cartas baianas: sujeito e outras funções

Autores

  • Aroldo Leal de Andrade Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
  • Zenaide de Oliveira Novais Carneiro Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Mariana Fagundes de Oliveira Lacerda Universidade Estadual de Feira de Santana

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v58i2.8647154

Palavras-chave:

Sistema de tratamento. Cartas baianas. Séculos XIX e XX

Resumo

Apresentam-se, neste trabalho, dados diacrônicos do sistema de tratamento do português baiano, na posição de sujeito e complemento, com o objetivo maior de contribuir para o estudo da configuração diatópico-diacrônica desse sistema no português brasileiro. O corpus de pesquisa é constituído por cartas de remetentes baianos dos séculos XIX e XX. Os dados extraídos das cartas foram analisados de acordo com os princípios da Sociolinguística Quantitativa, com o apoio do software Goldvarb X. Entre os resultados para a função de sujeito, observou-se uso significativo de formas de tratamento nominais, como o senhor, Vossa Excelência e Vossa Senhoria. Não houve dados de tu e vós expressos, mas em alguns casos o verbo estava flexionado nas formas correspondentes, ficando o sujeito nulo. A forma você começa a aparecer em sua forma plena no século XX, e o uso de Vosmecê ocorre de forma mais efetiva durante o século XIX, diminuindo com o tempo. Na função de complemento acusativo, a estratégia mais produtiva é lhe, com 39%, ficando a forma tradicional de acusativo o/a com 36%. A forma dativa predominante é também o clítico lhe, com 63%, ficando a forma te com meros 2%. Notou-se que a variação se concentrou nos dados de remetentes que apresentavam uso exclusivo de você na posição de sujeito. Num aspecto geral, os resultados corroboram um sistema de formas de tratamento com alguns traços importantes de conservadorismo linguístico, em comparação com dados de outros estados brasileiros, como Pernambuco, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aroldo Leal de Andrade, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Departamento de Letras, Área de Linguística

Zenaide de Oliveira Novais Carneiro, Universidade Estadual de Feira de Santana

Departamento de Letras e Artes, Área de Linguística

Mariana Fagundes de Oliveira Lacerda, Universidade Estadual de Feira de Santana

Departamento de Letras e Artes

Área de Linguística

Referências

BROWN, R. & GILMAN, A. (1960). The pronouns of power and solidarity. In: SEBEOK, T. A. (ed.) Style in Language. Massachussetts, MA: MIT Press, 253-276.

BROWN, L. & LEVINSON, S. (1987). Politeness: some universal in language usage. Cambridge: Cambridge University Press.

CARNEIRO, Z. de O. N. (2005). Cartas Brasileiras (1809-1904): um estudo linguístico-filológico. Tese (Doutorado em Linguística). Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

CARNEIRO, Z. de O. N. (Org.). (2011). Cartas Brasileiras (1809-2000): coletânea de fontes para o estudo do português. Feira de Santana: UEFS.

CARNEIRO, Z. de O. N. & OLIVEIRA, M. F. (2016). Corpus eletrônico de documentos históricos do sertão. 2011. Disponível em: http://www.uefs.br/cedohs Acesso: 10 fev.

CARVALHO JÚNIOR, A. P. D. (2000). Cícero Dantas Martins – de barão a coronel: trajetória política de um líder conservador na Bahia. Dissertação (Mestrado em História). Salvador: Universidade Federal da Bahia.

DUARTE, M. E. L. (1995). A perda do princípio ‘Evite pronome’ no português brasileiro. Tese (Doutorado em Linguística). Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

MARTINS, M. A. et al. (2015). Para um panorama sócio-diacrônico das formas de tratamento na função de sujeito na região Nordeste. LaborHistórico 1(1), 26-48.

LABOV, W. (1994). Principles of Linguistic Change: internal factors. Oxford: Blackwell.

LOPES, C. R. et al. “A reorganização do sistema pronominal de 2.a pessoa na história do português brasileiro: a posição de sujeito”. Ms. UFRJ/ UEFS/ UFSC/ Unicamp/ UFRPE/ UFRN/ UFMG, 2015. [A sair em: CASTILHO, A. (org.) História do Português Brasileiro, vol. 3.]

LOPES, C. R; CAVALCANTE, S. (2011). A cronologia do voceamento no português brasileiro: expansão de você-sujeito e retenção do clítico-te. Revista Lingüística 25, 30-65.

MARCOTULIO, L. L. (2010). Língua e História: o 2.o marquês do Lavradio e as estratégias linguísticas da escrita no Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Ítaca Comunicações.

PHPB. Projeto para a História do Português Brasileiro. Corpus Histórico do Português. (2013). Disponível em: https://sites.google.com/site/corporaphpb Acesso: 10 jun.

SANTIAGO, H. S. (2012). Um estudo do português popular brasileiro em cartas pessoais de mãos “cândidas” do sertão baiano. Dissertação (Mestrado em Linguística). Feira de Santana: UEFS.

Downloads

Publicado

2016-09-05

Como Citar

ANDRADE, A. L. de; CARNEIRO, Z. de O. N.; LACERDA, M. F. de O. Formas tratamentais em cartas baianas: sujeito e outras funções. Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas, SP, v. 58, n. 2, p. 257-276, 2016. DOI: 10.20396/cel.v58i2.8647154. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8647154. Acesso em: 31 out. 2020.