Nomes infinitos: referência e contexto

Autores

  • Heronides Moura Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v59i1.8648311

Palavras-chave:

Aristotle. Reference. Context.

Resumo

Neste artigo, examino o conceito de nomes infinitos de Aristóteles (também chamados de nomes indefinidos). Proponho que a denotação dos nomes infinitos pode se tornar definida por meio de recursos contextuais. Esses recursos podem ser relações semânticas entre nomes e também enriquecimentos inferenciais com base no contexto de enunciação. Argumento, finalmente, que não há distinção entre nomes infinitos e nomes genuínos, pois ambos estão sujeitos à variação contextual, no processo de determinação da referência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heronides Moura, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Licenciatura em Letras pela Universidade Federal da Paraíba (1985), mestrado em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina (1988) , doutorado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas (1996) e pós-doutorado pela Sorbonne Nouvelle (2000). É professor Titular da Universidade Federal de Santa Catarina, onde atua desde 1990. Desenvolve pesquisas nos seguintes temas: semântica lexical, linguística cognitiva, metáfora, e relação entre forma e sentido. Já orientou vinte e três dissertações de mestrado, onze teses de doutorado e dois estágios pós-doutorais. Foi Presidente da ANPOLL (2012-2014) e é conselheiro desta associação científica. Foi coordenador da Pós-graduação em Linguística da UFSC (2010-2014). Coordena o NES (Núcleo de Estudos Semânticos).

Referências

ANGIONI, L. Introdução à teoria da predicação em Aristóteles. Campinas: Ed. UNICAMP, 2006.

BOETHIUS. On Aristotle On interpretation. London: Bloomsbury, 2011.

CARSTON, R. Thought and Utterances: the Pragmatics of Explicit Communication. Oxford: Blackwell, 2002.

CHARLES, D. Aristotle on meaning and essence. Oxford: Clarendon Press, 2000.

DE RIJK, L. M. Aristotle. Semantics and ontology. Vol 1. Leiden: Brill, 2002.

MADER, G; MOURA, H. O masculino genérico sob uma perspectiva cognitivo-funcionalista. Revista do GELNE. Vol 17, 2015, p. 33-54.

FRANKEL, J. The red ring. Toronto: Xeno Publications, 2013.

JONES, R. B. The Organon: The Works of Aristotle on Logic. London, RB Jones Editions, 2012.

MODRAK, D. Aristotle´s theory of language and meaning. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

RECANATI, F. Literal Meaning. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

SAUSSURE, F. de. Curso de Linguística Geral. 11. ed. São Paulo: Cultrix, s/d. (original de 1915).

SAUSSURE, F. Escritos de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, 2012.

SPERBER, D; WILSON, D. Relevance. Oxford: Blackwell, 1986.

WHITAKER, C.W.A. Aristotle´s De interpretatione. Contradiction and dialectic. Oxford: Clarendon Press, 1996.

Downloads

Publicado

2017-04-26

Como Citar

MOURA, H. Nomes infinitos: referência e contexto. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 59, n. 1, p. 23–35, 2017. DOI: 10.20396/cel.v59i1.8648311. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8648311. Acesso em: 30 nov. 2021.

Edição

Seção

A questão do contexto e da referência no campo da filosofia da linguagem e no campo semântico-pragmático