Onde está o déficit? – polêmica em torno da dislexia

Autores

  • Patrícia Aparecida de Aquino Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v60i2.8648687

Palavras-chave:

Dificuldades escolares. Polêmica. Déficit de formação.

Resumo

Neste texto, apresento o resumo da gênese da polêmica em torno daquilo que alguns chamam “dislexia” e analiso enunciados e materiais produzidos por profissionais que, embora se digam especialistas em alfabetização, não têm formação linguística adequada para acompanhar e alfabetizar crianças consideradas ou não disléxicas. Na sequência, apresento algumas razões linguísticas para os erros ortográficos e analiso um dado do acompanhamento de uma criança em processo de aquisição de leitura e escrita no Centro de Convivência de Linguagens (CCazinho), do IEL/Unicamp, fundamentado no trabalho realizado por Coudry (1986/1988). Esse percurso tem o objetivo de argumentar que o déficit não está nas crianças diagnosticadas como disléxicas ou portadoras de outros problemas, mas na formação inadequada dos profissionais que estão “tratando” de dificuldades de leitura e de escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Aparecida de Aquino, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Linguística/Análise do Discurso

Mestrado em Linguística/Fonética

Graduação em Letras

Referências

ABAURRE, M. B. M. Dados da escrita inicial: indícios de construção da hierarquia de constituintes silábicos? In: HERNANDORENA, C.L.M. Aquisição de língua materna e de língua estrangeira: aspectos fonético-fonológicos. Pelotas: EDUCAT/ALAB, 2001. p. 63-85.

ABAURRE, M. B. M., FIAD, R. S. e MAYRINK-SABINSON, M. L. Cenas de aquisição da escrita: o sujeito e o trabalho com o texto. Campinas – SP: Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil – ALB, 1997.

AJURIAGUERRA, J. A dislexia em questão: dificuldades e fracassos na aprendizagem da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1984.

AQUINO, P. A. Polêmica em torno de dislexia: um caso de interincompreensão. Tese de doutorado em Linguística, Universidade Estadual de Campinas, 2016.

BEÀ, E. T. de. Dislexia: una comprensión de los trastornos de aprendizaje. Barcelona: Octaedro, 2011.

BERGER, E. Les maladies des yeux, 1982. Disponível em <https://archive.org/details/lesmaladiesdesye00berg>. Acesso em: 11 de março de 2014.

CAGLIARI, L. C. [1989]. Alfabetização e lingüística. 10ª ed. São Paulo, SP: Scipione, 2000.

COUDRY, M. I. H. Neurolinguística Discursiva: afasia e infância. Encontro possível/inevitável. Relatório de Pesquisa CNPq, período: 03/2014 a 03/2017, abril/maio de 2017.

COUDRY, M. I. H. [1986]. Diário de Narciso: Discurso e afasia. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1988.

COUDRY, M. I. H. O que é o dado em neurolingüística? In: CASTRO, M. F. P.(Org).

COUDRY, M. I. H. O método e o dado no estudo da linguagem. Campinas: Ed. da Unicamp, 1996.

COUDRY, M. I. H. e SCARPA, E. M. De como a avaliação de linguagem contribui para inaugurar ou sistematizar o déficit. In: GARCIA, A. L., CUNHA, M. C. E ROJO, R. H. R. (Orgs.). Cadernos de distúrbios de comunicação. Série Linguagem, n. 2, 1985.

COUDRY, M. I. H. e FREIRE, M. F. P. O trabalho do cérebro e da linguagem: a vida e a sala de aula. In: Linguagem e Letramento em foco. Cefiel/IEL/Unicamp, 2005 – 2010.

DE LEMOS, C. T. G. Sobre a aquisição da escrita: algumas questões. In: ROJO, R. (Org.) Alfabetização e letramento. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1995. p. 7-17.

DEUSCHLE, V. P & CECHELLA, C. O déficit em consciência fonológica e sua relação com a dislexia: diagnóstico e intervenção. Revista CEFAC, 2009; 11(Supl2): pp 194-200.

ELLIOTT, J.G., GRIGORENKO, E.L. The dyslexia debate. Cambridge University Press, 2014.

HINSHELWOOD, J. Congenital word-blindness. London: H.K.Lewis & Co. LTD., 1917.

HINSHELWOOD, J. [1896] Letter- word- and mind-blindness. London, 1900. Disponível em: < https://archive.org/details/letterwordmindbl00hinsuoft>. Acesso em: 15 de novembro de 2015.

JAKOBSON, R. [1963] Linguística e comunicação. 22a ed. São Paulo: Cultrix, 2010.

JARDINI, R. S. R. Método das boquinhas: alfabetização e reabilitação dos distúrbios da leitura e escrita. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. (Livro 1, fundamentação teórica).

MORGAN, M. B. W. P. A case of congenital word blindness. In: Congenital word blindness, The British medical journal, November, 7th, 1896.

MOYSÉS, M. A. A. e COLLARES, C. A. L. “A história não contada dos distúrbios de aprendizagem”. In: Caderno CEDES 28: O sucesso escolar: um desafio pedagógico. Campinas: Papirus, 1992.

ÖHMAN, S Coarticulation in VCV Utterances: Spectrographic Measurements. Journal Acoustical Society America. 1966 Jan;39(1):151-68.

OLIVEIRA, I. B. O conhecimento na era dos transtornos: limites e possibilidades, In: COLLARES, C. A. L, MOYSÉS, M. A. A & RIBEIRO, M. C. F. (Orgs.) Novas capturas, antigos diagnósticos na era dos transtornos. Campinas: Mercado de Letras, 2013.

POSSENTI, S. Aprendendo a escrever (re)escrevendo: Linguagem e Letramento em foco língua Portuguesa. 2005 – 2010.

SILVA, A. H. P. Para a descrição fonético-acústica das líquidas no português brasileiro: dados de um informante paulistano. Dissertação de Mestrado em Linguística, Universidade Estadual de Campinas; 1996.

Downloads

Publicado

2018-09-03

Como Citar

AQUINO, P. A. de. Onde está o déficit? – polêmica em torno da dislexia. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 60, n. 2, p. 538–544, 2018. DOI: 10.20396/cel.v60i2.8648687. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8648687. Acesso em: 7 dez. 2021.

Edição

Seção

Neurolinguística discursiva: reflexões sobre ensino-aprendizagem de crianças com ou sem patologias