Uma abordagem não-dicotomizante das questões de linguagem na doença de Parkinson: as hesitações

Autores

  • Julyana Chaves Nascimento Centro Universitário Planalto do Distrito Federal
  • Lourenço Chacon Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v60i2.8649696

Palavras-chave:

Doença de Parkinson. Discurso. Hesitação.

Resumo

Neste artigo, fazemos uma reflexão sobre fatos de linguagem que ocorrem em sujeitos cérebro-lesados. Para tanto, retomamos o modo como a literatura biomédica tem estudado os problemas de fala na doença de Parkinson. Identificamos, nessa literatura, dissociações, por exemplo, entre linguagem e fala, entre aspectos tidos como motores e o que seriam outros aspectos da fala/linguagem. Com base na proposta de Coudry (1988; 2002) sobre a complexidade da inter-relação entre cérebro e linguagem, problematizamos essas dissociações. Com o objetivo de mostrar associações entre aspectos motores e discursivos na doença de Parkinson, analisamos hesitações na conversação entre um sujeito parkinsoniano e um sujeito pesquisador. Entendemos a hesitação como acontecimento discursivo relacionado ao processo de constituição do sujeito e ao processo de constituição do discurso. Baseados em ideias de Authier-Revuz, supomos que, como forma de heterogeneidade mostrada, a hesitação indicia a negociação do sujeito com os múltiplos outros constitutivos do discurso. Na análise, observamos que a hesitação indicia momento de mudança de posição do sujeito, bem como momento em que o outro discursivo saúde/doença poderia irromper/irrompe na cadeia discursiva. Observamos também a presença de aspectos motores, no plano articulatório da fala, na ocorrência da hesitação. Destacamos, porém, que esses aspectos de base motora se mostram submetidos a fatos discursivos, o que mostra, no aparecimento da hesitação na fala de sujeitos parkinsonianos, que as questões de linguagem nesses sujeitos mais apontam para funcionamentos integrados do que para funcionamentos específicos nas relações entre cérebro e linguagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julyana Chaves Nascimento, Centro Universitário Planalto do Distrito Federal

Curso de Fonoaudiologia, UNESP Marília

Área: Linguagem

Lourenço Chacon, Universidade Estadual Paulista

Departamento de Fonoaudiologia, área de Lingüística, Campus Marília

Referências

AGONILHA, Daniela Cunha. Compreensão de sentenças nos indivíduos com doença de Parkinson. 114f. 2008. Dissertação (Mestrado em Ciências - Comunicação Humana) – Faculdade de Medicina de São Paulo, São Paulo. 2008.

ALHO, Ana Tereza de Lourenzo. Caracterização da substância negra humana durante o envelhecimento. 145 f. 2011. Tese (Doutorado em Ciências) – Faculdade de Medicina de São Paulo, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2011.

AUTHIER-REVUZ, Jacqueline. Heterogeneidade(s) enunciativa(s). Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 19, pp. 25-42, 1990.

AUTHIER-REVUZ, Jacqueline. Entre a transparência e a opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Tradução de Marlene Teixeira. Revisão de Leci Borges Barbisan e Valdir do Nascimento Flores. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

AUTHIER-REVUZ, Jacqueline. Os riscos da alusão. Revista Investigações: Linguística e Teoria Literária, Pernambuco, v. 20, n. 2, pp. 9-46, jan. 2007. Disponível em: <http://www.ufpe.br/pgletras/Investigacoes/busca-autores-jacqueline-authier.html>. Acesso em: 25-11-2009.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Estética da criação verbal. 3. ed. Tradução de Maria Ermantina Galvão. Revisão Marina Appenzeller. São Paulo: Martins Fontes, 2000, pp. 277-326.

CHACON, Lourenço; CAMILLO, Maira. Questões de linguagem na doença de Parkinson: as hesitações. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.

COUDRY, Maria Irma Hadler. Diário da Narciso: discurso e afasia. São Paulo: Martins Fontes, 1988

COUDRY, Maria Irma Hadler. Clássico é clássico e vice-versa. Texto-base de aula para Concurso de Livre-Docência. Campinas, IEL/UNICAMP, 2002. Inédito.

COUTO, Maria Inês; OLIVEIRA, Ana; LUNET, Nuno; MASSANO, João. Depression and anxiety following deep brain stimulation in Parkinson’s Disease: systematic review and meta-analysis. Acta Médica Portugal, v. 27, n. 3, pp. 372-382, 2014.

DARKINS, Adam W.; FROMKIN, Victoria Alexandra; BENSON, David Frank. A characterization of prosodic loss in Parkinson’s disease. Brain and Language, v. 34, pp. 315-27, 1988.

FERRAZ e FERRAZ, Maria da Graça Chamma. Noções básicas de psicanálise freudiana. In: FERRAZ E FERRAZ, Maria da Graça Chamma. Sujeito psíquico e sujeito lingüístico: uma introdução à psicopatologia aplicada à fonoaudiologia. Marília: Unesp-Marília-Publicações, 2001, pp. 15-36.

FERREIRA, Fernanda Vargas; CIELO, Carla Aparecida; TREVISAN, Maria Elaine. Aspectos respiratórios, posturais e vocais da doença de Parkinson: considerações teóricas. Revista CEFAC, v. 13, n. 3, pp. 534-40, 2011.

GALHARDO, Mônica Maria de Azevedo Mello Carvalho; AMARAL, Ana Karênina de Freitas Jordão do; VIEIRA, Ana Cláudia de Carvalho. Caracterização dos distúrbios cognitivos na doença de Parkinson. Revista CEFAC, v. 11, supl 2, pp 251-57, 2009.

JAKOBSON, Roman. Dois aspectos da linguagem e dois tipos de afasia. In: JAKOBSON, Roman. Lingüística e Comunicação. Tradução de Isidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Editora Cultrix, 1975, pp. 34-62.

MACHADO, Angelo. Neuroanatomia funcional. 2a ed. São Paulo: Atheneu, 1993.

MASSANO, João. Doença de Parkinson: actualização clínica. Acta Médica Portugal, v. 24, n. S4, pp. 827-834, 2011.

NASCIMENTO, Julyana Chaves. Uma perspectiva discursiva sobre a hesitação. 128 f. 2009. Tese (Doutorado em Estudos Lingüísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto. 2009.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. 5 ed. Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi. São Paulo: Pontes, 2008.

PÊCHEUX, Michel. Análise automática do discurso. In: GADET, Françoise; HAK, Tony. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethânia S. Mariani et al. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1997a, pp. 61-162.

PÊCHEUX, Michel. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas. In: GADET, Françoise; HAK, Tony. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethânia S. Mariani et al. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1997b, pp. 163-252.

SILVA, Camila Lirani; MOURÃO, Lucia Figueiredo; GOBBI, Lilian Teresa Bucken. Disartria e qualidade de vida em idosos neurologicamente sadios e pacientes com doença de parkinson. CoDAS, v. 27, n. 3, pp. 248-54, 2015.

SOHLBERG, McKay Moore; MATEER, Catherine A. Avaliação de indivíduos com deficiências cognitivas. In: SOHLBERG, McKay Moore; MATEER, Catherine A. Reabilitação cognitiva: uma abordagem neuropsicológica integrada. Tradução de Maria Cecília Brandão. São Paulo: Santos, 2011, pp. 89-122.

SOUZA, Cheylla Fabricia de Medeiros; ALMEIDA, Helayne Carolyne Pereira de; SOUZA, Jomário Batista; COSTA, Pedro Henrique; SILVEIRA, Yonara Sonaly Sousa; BEZERRA, João Carlos Lopes. A doença de Parkinson e o processo de envelhecimento motor: uma revisão de literatura. Revista Neurociências, v. 19, n. 4, pp. 718-23, 2011.

TFOUNI, Fábio Elias Verdiani. O interdito como fundador do discurso. 1998, 115f. Dissertação (Mestrado em Lingüística) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas. 1998.

VIEIRA, Roberta Cristina Rodrigues; CHACON, Lourenço. Movimentos da hesitação: deslizamentos do dizer em sujeitos com doença de Parkinson. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015.

Downloads

Publicado

2018-09-03

Como Citar

NASCIMENTO, J. C.; CHACON, L. Uma abordagem não-dicotomizante das questões de linguagem na doença de Parkinson: as hesitações. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 60, n. 2, p. 452–471, 2018. DOI: 10.20396/cel.v60i2.8649696. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8649696. Acesso em: 7 dez. 2021.

Edição

Seção

O funcionamento linguístico-cognitivo nas patologias