Diminutivo do gerúndio: opções aspectuais da fala do guarapuavano

Autores

  • Mônica Cristina Metz Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v60i1.8649706

Palavras-chave:

Aspecto. Gerúndio. Diminutivo.

Resumo

Ancorado numa concepção interacionista de língua o objetivo geral deste trabalho foi refletir sobre as funções desempenhadas pelo uso específico das formas verbais em gerúndio diminutivo na região de Guarapuava no Paraná. Mais especificamente, discutiu-se a hipótese de que o uso de perífrases formadas por verbos no gerúndio diminutivo está relacionado a opções aspectuais da ação representada pelo verbo. As discussões fundamentaram-se, principalmente, nos estudos com base funcionalista e/ou descritiva de Ilari e Basso (2008), Bagno (2013) e Perini (2010) acerca da questão do aspecto no português brasileiro, como também nos estudos sobre o diminutivo em variedades do português do Brasil de Guimarães e Mendes (2010), Armelin (2011; 2015) e Rocha (2016). Por meio de uma análise interpretativa, discutimos três características dos usos do diminutivo no gerúndio que permitiram considerá-los como um recurso linguístico capaz de adicionar nuances de significado por meio de aspecto gramatical ao processo expresso pelo predicado: a) a coocorrência no sistema entre as formas primitivas e as formas diminutivas; b) a diferença semântica entre as formas diminutiva e primitiva reside numa dimensão aspectual do evento expresso pelo verbo que não se resume em função hipocorística; e c) as opções (primitivo vs. diminutivo) se exprimem por recursos gramaticais da língua, isto é, pelo uso ou não do diminutivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mônica Cristina Metz, Universidade Estadual de Maringá

Possui Graduação em Letras Português e Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO (2008) e Mestrado em Letras, na área de concentração de Estudos Linguísticos, linha de pesquisa de Ensino-Aprendizagem de línguas, pela Universidade Estadual de Maringá - UEM (2012). Atualmente é professora colaboradora da Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO e doutoranda em Letras na área de concentração de Estudos Linguísticos, linha de pesquisa de Ensino-Aprendizagem de línguas, pela Universidade Estadual de Maringá - UEM.

Referências

ARMELIN, Paula Roberta Gabbai. Sobre a interação entre as marcas de diminutivo e aumentativo no português brasileiro. ReVEL, edição especial n. 5, 2011. Disponível em: www.revel.inf.br. Acesso em: 10 out. 2016.

ARMELIN, Paula Roberta Gabbai. A relação entre Gênero e Morfologia Avaliativa nos Nominais do Português Brasileiro: Uma Abordagem Sintática da Formação de Palavras. 2015. 247f. Tese (Doutorado em Linguística). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2015.

BAGNO, Marcos. Gramática de bolso do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

BASÍLIO, Margarida. Teoria Lexical. São Paulo: Ática, 1987.

CARIELLO, Gabriel. Xé, correndinho, revertério! Gírias e sotaque do interior fazem parte de nossa identidade cultural. Disponível em: http://interiometro.blogspot.com.br/2015/04/xe-correndinho-reverterio-girias-e.html. Acesso em: 16 ago. 2016.

GUIMARÃES, Maximiliano; MENDES, Gesoel. Hipotetizandinho acerca do caráter infixal do morfema de diminutivo no PB. Handout apresentado no evento Tardes de Linguística na USP, realizado na Universidade de São Paulo, 2010. Disponível em: http://linguistica.fflch.usp.br/sites/linguistica.fflch.usp.br/files/Max-handout-27-05.pdf. Acesso em: 11 set. 2017.

ILARI, R.; BASSO, R.M. O verbo. In: ILARI, R.; NEVES, M.H.M. (Orgs.) Gramática do Português Culto Falado no Brasil. v. II. Classes de Palavras e Processos de Construção. Campinas: Ed. da Unicamp, 2008.

KENEDY, E; MARTELOTTA, M. E. T. A visão funcionalista da linguagem no século XX. In: CUNHA, Maria Angélica Furtado da; OLIVEIRA, Mariangela Rios; MARTELOTTA, Mário Eduardo Toscano (Orgs.). Linguística Funcional: teoria e prática. Rio de Janeiro: DP&A / Faperj, 2003, pp. 17-28.

LONGO, Beatriz de O.; CAMPOS, Odette de S. A auxiliaridade: perífrases de tempo e de aspecto no português falado. In.: ABAURRE, Maria Bernadete M.; RODRIGUES, Angela C. S. (Orgs.). Gramática do português falado. v. VIII. Novos Estudos descritivos. Campinas: Editora da Unicamp, 2002.

OLIVEIRA, Natália de. Comediante faz sucesso na internet com vídeos sobre gírias de Sorocaba. Disponível em: http://g1.globo.com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/noticia/2016/01/comediante-faz-sucesso-na-internet-com-videos-sobre-girias-de-sorocaba.html Acesso em: 16 ago 2016.

PERINI, Mário A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

QUADROS, Jânio. Curso prático da Língua Portuguesa e sua literatura. v. II. Fonética e Fonologia. São Paulo: Editora Formar Limitada, 1966.

ROCHA, Rafael Martins. Diminutivos: uma análise morfossemântica de morfemas avaliativos do português brasileiro. 113f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – PPGL, Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

TEIXEIRA, Taize W. A forma e o uso dos sufixos -inho e -zinho em variedades do português do sul do Brasil. 2008. 95 f. Dissertação (Mestrado em Teoria e Análise Linguística). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

WACHOWICZ, Tereza Cristina; FOLTRAN, Maria José. Sobre a noção de aspecto. Caderno de Estudos Linguísticos. Campinas, v. 48, n. 2, pp. 211-232, 2006.

Downloads

Publicado

2018-04-06

Como Citar

METZ, M. C. Diminutivo do gerúndio: opções aspectuais da fala do guarapuavano. Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas, SP, v. 60, n. 1, p. 127-141, 2018. DOI: 10.20396/cel.v60i1.8649706. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8649706. Acesso em: 28 nov. 2020.