Neurolinguística discursiva: contribuições para uma fonoaudiologia na área da linguagem

Autores

  • Sonia Maria Sellin Bordin Universidade Estadual de Campinas
  • Fernanda Maria Pereira Freire Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v60i2.8650677

Palavras-chave:

Neurolinguística Discursiva. Fonoaudiologia. Linguagem.

Resumo

Neste ensaio procuramos apresentar e discutir as diferenças fundantes entre uma Fonoaudiologia de caráter biomédico, por um lado, e uma Fonoaudiologia orientada discursivamente, por outro, enfatizando as contribuições dos princípios teórico-metodológicos e éticos da Neurolinguística Discursiva (ND) no trabalho com a linguagem. Para tanto, apresentamos como o campo da Fonoaudiologia tem tradicionalmente delineado e reconhecido questões de linguagem, em geral filiando-se à área médica e, em seguida, argumentarmos em favor do compromisso da área com a prática reflexiva de linguagem, o que vai impactar tanto sua avaliação quanto o acompanhamento terapêutico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sonia Maria Sellin Bordin, Universidade Estadual de Campinas

Doutora pela Universidade Estadual de Campinas na área de Linguística com o estudo de crianças e jovens com dificuldades em fala, leitura e escrita.

Fernanda Maria Pereira Freire, Universidade Estadual de Campinas

Graduada em Fonoaudiologia em 1984 pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCamp), fez mestrado (1999) e doutorado (2005) em Linguística no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL); pós-doutorado (2009) no Instituto de Computação (IC) na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Referências

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. 2ª. ed. Tradução de Maria Ermantina Galvão G. Pereira. Martins Fontes: São Paulo, pp. 277-326. Original de 1952/52, 1997.

BENVENISTE, E. Os níveis de análise linguística. In: BENVENISTE, E. Problemas de Linguística Geral I. 4. ed. Campinas, SP: Pontes, original de 1966, 1995a, pp 127-140.

BENVENISTE, E. A natureza dos pronomes. In: BENVENISTE, E. Problemas de Linguística Geral I. 4. ed. Campinas, SP: Pontes, original de 1966, 1995b, pp 277-283.

BERBERIAN, A. P. Fonoaudiologia e educação: um encontro histórico. 2ª. Edição. Editora Plexus. 1995.

BORDIN, S. S. Fala, leitura e escrita: encontro entre sujeitos. 137 p. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

COUDRY, M. I. H. Diário de Narciso: avaliação e acompanhamento longitudinal de linguagem de sujeitos afásicos de uma perspectiva discursiva. 1986. 284 p. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. Publicada em livro, São Paulo: Martins Fontes, 1988.

COUDRY, M. I. H. O que é dado em neurolinguística? In: CASTRO, M. F. P. (Org.) O Método e o dado no estudo da linguagem. Campinas. Editora da Unicamp. pp. 179-192, 1996.

COUDRY, M. I. H. Clássico é clássico e vice-versa. Prova Didática apresentada para Concurso de Livre Docência, na área de Neurolinguística, no Departamento de Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, 54p. Unpublished manuscript, 2002.

COUDRY, M. I. H. Neolinguística Discursiva: afasia como tradução. Estudos da Lingua(gem). Vol. 6, n. 2. pp 7-36. Vitória da Conquista, 2008.

COUDRY, M. I. H. Dificuldade de viver - Homenagem a François Dolto. 2012. 92 p. Memorial para Concurso de Professor Titular na Área de Neurolinguística do Departamento de Linguística. Instituto de Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012. (Unpublished manuscript).

COUDRY, M. I. H. Patologização de crianças sem patologia. In: VIÉGAS, L.S.; RIBEIRO, M.I.S.; OLIVEIRA, E.C.; TELES, V.A.L. (Orgs.). Medicalização da educação e da sociedade: ciência ou mito?. Salvador: EDUFBA, p. 227-247, 2014.

COUDRY, M. I. H.; BORDIN, S. S. Excluir para depois incluir. In: BARROS, R. C. B. B.; MASINI, L. (Orgs.). Sociedade e Medicalização. Campinas: Pontes Editores, p. 129-146, 2015.

COUDRY, M. I. H.; BORDIN, S. S. Afasia e Infância: registro do (in)esquecível. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 54, n.1, pp. 135-154. jan./jun. 2012.

COUDRY, M. I. H.; FREIRE, F. M. P. Avaliação discursiva das Afasias. Revista Pesquisa Qualitativa, v. 5, n. 8, pp 360-377, 2017.

COUDRY, M. I. H.; MORATO, E. M. Aspectos Discursivos da Afasia. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 1, n. 19, p. 127-145, Jul./Dez. 1990.

COUDRY, M. I. H.; MORATO, M. E. A ação reguladora da interlocução e de operações epilinguísticas sobre objetos linguísticos. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas v. 15, pp. 117-135, jul./dez., 1988.

FLOSI, L. C. L.; FEDOSSE, E. Interfaces da Neurolinguística Discursiva com a Fonoaudiologia. In: COUDRY, M. I. H.; FREIRE, F. M. P.; ANDRADE, M. L. F.; SILVA, M. A. (Orgs.). Caminhos da Neurolinguística Discursiva: teorização e práticas com a linguagem. Campinas, SP: Mercado de Letras, pp. 93-120, 2010.

FRANCHI, C. 1992 (1977). Linguagem – Atividade Constitutiva. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas. v. 22, p. 9-39.

FREUD, S. A interpretação das afasias. 1. ed. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, original de 1891, 1973.

HELLER-ROAZEN, D. Ecolalias: sobre o esquecimento das línguas. Trad. Fabio A. Durão. Campinas, São Paulo: Editora UNICAMP, original de 2005, 2010.

JAKOBSON, R. Dois aspectos da linguagem e dois tipos de afasia. In: JAKOBSON, R., Linguística e comunicação. 24ª Edição. São Paulo: Cultrix, pp 34-63, original de 1956, 2007a.

JAKOBSON, R. Aspectos linguísticos da tradução. In: JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. 24ª Edição. São Paulo: Cultrix, pp 63-72, original de 1956, 2007b.

LABIGALINI, A. P. V. Reflexões sobre a práxis fonoaudiológica à luz da Neurolinguística Discursiva. 111p. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2009.

LURIA, A. R. Fundamentos de Neuropsicologia. 1a Edição. São Paulo: EDUSP, 1981.

MAINGUENEAU, D. Novas Tendências em Análise do Discurso. 1. ed. Campinas, SP: Pontes, 1989.

MORATO, E. M.; COUDRY, M. I. H. Processos enunciativo-discursivos e patologia da linguagem: algumas questões linguístico-cognitivas. Cadernos CEDES, v. 24, pp 66-78, 2000.

NAVARRO, P. R. Fonoaudiologia no contexto da Equoterapia: um estudo Neurolinguístico no atendimento de crianças com Transtorno do Espectro Autista. 145 p. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2016.

POSSENTI, S. Língua: sistemas de sistemas. In: DAMASCENO, B. P; COUDRY, M. I. H. (Eds.) Temas em Neuropsicologia e Neurolingüística, v.4. São Paulo: TecArt, pp.20-26. 1995.

VIEGAS, L. S.; RIBEIRO, M. I. S.; OLIVEIRA, E. C.; TELES, L. A. L. (Orgs.). Medicalização da Educação e da Sociedade: Ciência ou Mito. Salvador: EDUFBA, 342p., 2014.

VYGOTSKY, L. S. (1991). A formação social da mente. 4. ed. São Paulo. Martins Fontes.

VYGOTSKY, L. S. Pensamiento Y Habla. 1. ed. Buenos Aires: Colihue, original de 1934, 2007.

ZANIBONI, L. F. A contribuição da Neurolinguística Discursiva para a Fonoaudiologia na construção de um novo olhar sobre a linguagem de sujeitos cérebro-lesados. 174p. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2007.

Downloads

Publicado

2018-09-03

Como Citar

BORDIN, S. M. S.; FREIRE, F. M. P. Neurolinguística discursiva: contribuições para uma fonoaudiologia na área da linguagem. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 60, n. 2, p. 384–399, 2018. DOI: 10.20396/cel.v60i2.8650677. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8650677. Acesso em: 7 dez. 2021.

Edição

Seção

Neurolinguística discursiva: autoria, transmissão, revolução conceitual e metodológica