Algumas considerações semântico-pragmáticas sobre “capaz”

Palavras-chave: Semântica de mundos possíveis, Capaz, Modal.

Resumo

Neste artigo analisamos o item ‘capaz’ sob um viés semântico-pragmático, sugerindo que ele pode desempenhar três funções diferentes na gramática do Português Brasileiro (PB), tais como: marcador conversacional, negação e modal. Especificamente, aqui, focamos no comportamento modal de ‘capaz’, utilizando como bases teóricas a Semântica de Mundos Possíveis (KRATZER, 1981, 1991, 2012) e as abordagens para os modais do PB de Pires de Oliveira; Scarduelli (2008) e Pessotto (2011a, 2011b, 2015). Verificamos que o item tem força modal de possibilidade e veicula leituras: epistêmica, doxástica, epistêmico-tácita e físico-intelectual. Desse modo, ‘capaz’ é um legítimo modal do PB e merece figurar no rol dos modais das línguas naturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lovania Roehrig Teixeira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora Adjunta A da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Letícia Lemos Gritti, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora efetiva de Linguística e Língua Portuguesa do Departamento de Letras, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Eliza Koslinski, Vrije Universidade de Brussel

Licenciada em Letras - Português/Inglês pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Referências

BASSI, A.; GÖRSKI, E. M. A multifuncionalidade do item ‘capaz’ na fala gaúcha: uma abordagem baseada no uso. Alfa: Revista de Linguística. v. 58, p. 593-622, 2014.

BRANQUINHO, J.; MURCHO, D.; GOMES, N. Enciclopédia de termos lógico-filosóficos. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FERREIRA, M. Curso de Semântica Formal. Berlin: Language Science Press, 2018.

FREGE, G. Sobre o sentido e a referência. In: ALCOFORADO, P. (Ed.). Lógica e filosofia da linguagem. São Paulo: Cultrix, 1892. p. 129 -158.

HAACK, S. Filosofia das Lógicas. São Paulo: Editora Unesp, 2002.

ILARI, R. GERALDI, J. W. Semântica. São Paulo: Ática. 2011.

KRATZER, A. Modality. In: von Stechow, A.; Wunderlich, D. (eds). Semantics: an international handbook of contemporary research. New York: W. de Gruyter, 1991. p. 639-650.

KRATZER, A. Modals and Conditionals. New York: Oxford University Press, 2012.

KRATZER. A, The notional category of modality. In: Eikmeyer, H-J.; Rieser, H. (Ed.). Word, worlds, and contexts: new approaches to word semantics. Berlin: W. de Gruyter, 1981. p. 38-74.

MIOTO, C. Tipos de Negação. Cadernos de Estudos Linguísticos. v. 34 , p. 103-117, 1998.

MORTARI, C. A.; PIRES DE OLIVEIRA, R. Operadores modais: sistemas formais e línguas naturais. Revista Virtual de Estudos da Linguagem, edição especial n. 8, 2014.

PENHAVEL, E. Sobre as funções dos Marcadores Discursivos. Estudos Linguísticos XXXIV, p. 1296-1301, 2005.

PENHAVEL, E. O que diferentes abordagens de marcadores discursivos têm em comum? Revista (Con)textos Linguísticos, Vitória. v. 6, p. 78 -98, 2012.

PESSOTTO, A. L. ‘Pode’ e ‘podia’: uma proposta semântico-pragmática. In: Revista da Abralin, Natal, v. 10, n. 2, p.11-42. 2011a.

PESSOTTO, A. L. ‘Pode’ e ‘podia’: uma proposta semântico-pragmática. Dissertação de Mestrado (UFSC): Florianópolis. 2011b.

PESSOTTO, A. L. Força e evidência:uma análise teórico experimental da semântica de ‘pode’, ‘deve’ e ‘tem que’. Tese de Doutorado (UFSC): Florianópolis. 2015.

PIRES DE OLIVEIRA, R. Semântica Formal: uma breve introdução. Campinas: Mercado de Letras, 2001.

PIRES DE OLIVEIRA, R.; SCARDUELLI, J. Explicando as diferenças semânticas entre ‘ter que’ e ‘deve’: uma proposta em semântica de mundos possíveis. Alfa Revista de linguística. v. 52, p. 215-236, 2008.

RISSO, M. S.; SILVA, G. M.; URBANO, H. Traços definidores dos marcadores discursivos. In: Gramática do português culto falado no Brasil, 2006.

TRAUGOTT, E. C. The role of the development of discourse markers in a theory of grammaticalization.1995. Disponível em: <http://www.stanford.edu/~traugott/papers/discourse.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2018.

URBANO, H. Marcadores conversacionais. In: Preti, D. (Org.) Análise de textos orais. São Paulo: Humanitas, 2003.

von FINTEL, K. Modality and Language. In: Encyclopedia of Philosophy. Detroit: Mac Millan, 2006.

Publicado
2019-04-23
Como Citar
Teixeira, L. R., Gritti, L. L., & Koslinski, E. (2019). Algumas considerações semântico-pragmáticas sobre “capaz”. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 61, 1-25. https://doi.org/10.20396/cel.v61i0.8654342

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)