Algumas considerações semântico-pragmáticas sobre “capaz”

Palavras-chave: Semântica de Mundos Possíveis. Capaz. Modal.

Resumo

Neste artigo analisamos o item ‘capaz’ sob um viés semântico-pragmático, sugerindo que ele pode desempenhar três funções diferentes na gramática do Português Brasileiro (PB), tais como: marcador conversacional, negação e modal. Especificamente, aqui, focamos no comportamento modal de ‘capaz’, utilizando como bases teóricas a Semântica de Mundos Possíveis (KRATZER, 1981, 1991, 2012) e as abordagens para os modais do PB de Pires de Oliveira; Scarduelli (2008) e Pessotto (2011a, 2011b, 2015). Verificamos que o item tem força modal de possibilidade e veicula leituras: epistêmica, doxástica, epistêmico-tácita e físico-intelectual. Desse modo, ‘capaz’ é um legítimo modal do PB e merece figurar no rol dos modais das línguas naturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BASSI, A.; GÖRSKI, E. M. A multifuncionalidade do item ‘capaz’ na fala gaúcha: uma abordagem baseada no uso. Alfa: Revista de Linguística. v. 58, p. 593-622, 2014.

BRANQUINHO, J.; MURCHO, D.; GOMES, N. Enciclopédia de termos lógico-filosóficos.

São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FERREIRA, M. Curso de Semântica Formal. Berlin: Language Science Press, 2018.

FREGE, G. Sobre o sentido e a referência. In: ALCOFORADO, P. (Ed.). Lógica e filosofia da linguagem. São Paulo: Cultrix, 1892. p. 129 -158.

HAACK, S. Filosofia das Lógicas. São Paulo: Editora Unesp, 2002.

ILARI, R. GERALDI, J. W. Semântica. São Paulo: Ática. 2011.

KRATZER, A. Modality. In: von Stechow, A.; Wunderlich, D. (eds). Semantics: an international handbook of contemporary research. New York: W. de Gruyter, 1991. p. 639-650.

KRATZER, A. Modals and Conditionals. New York: Oxford University Press, 2012.

KRATZER. A, The notional category of modality. In: Eikmeyer, H-J.; Rieser, H. (Ed.). Word, worlds, and contexts: new approaches to word semantics. Berlin: W. de Gruyter, 1981. p. 38-74.

MIOTO, C. Tipos de Negação. Cadernos de Estudos Linguísticos. v. 34 , p. 103-117, 1998.

MORTARI, C. A.; PIRES DE OLIVEIRA, R. Operadores modais: sistemas formais e línguas naturais. Revista Virtual de Estudos da Linguagem, edição especial n. 8, 2014.

PENHAVEL, E. Sobre as funções dos Marcadores Discursivos. Estudos Linguísticos XXXIV, p. 1296-1301, 2005.

PENHAVEL, E. O que diferentes abordagens de marcadores discursivos têm em comum? Revista (Con)textos Linguísticos, Vitória. v. 6, p. 78 -98, 2012.

PESSOTTO, A. L. ‘Pode’ e ‘podia’: uma proposta semântico-pragmática. In: Revista da Abralin, Natal, v. 10, n. 2, p.11-42. 2011a.

PESSOTTO, A. L. ‘Pode’ e ‘podia’: uma proposta semântico-pragmática. Dissertação de Mestrado (UFSC): Florianópolis. 2011b.

PESSOTTO, A. L. Força e evidência:uma análise teórico experimental da semântica de ‘pode’, ‘deve’ e ‘tem que’. Tese de Doutorado (UFSC): Florianópolis. 2015.

PIRES DE OLIVEIRA, R. Semântica Formal: uma breve introdução. Campinas: Mercado de Letras, 2001.

PIRES DE OLIVEIRA, R.; SCARDUELLI, J. Explicando as diferenças

semânticas entre ‘ter que’ e ‘deve’: uma proposta em semântica de mundos possíveis. Alfa Revista de linguística. v. 52, p. 215-236, 2008.

RISSO, M. S.; SILVA, G. M.; URBANO, H. Traços definidores dos marcadores discursivos. In: Gramática do português culto falado no Brasil, 2006.

TRAUGOTT, E. C. The role of the development of discourse markers in a theory of grammaticalization.1995. Disponível em: <http://www.stanford.edu/~traugott/papers/discourse.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2018.

URBANO, H. Marcadores conversacionais. In: Preti, D. (Org.) Análise de textos orais. São Paulo: Humanitas, 2003.

von FINTEL, K. Modality and Language. In: Encyclopedia of Philosophy. Detroit: Mac Millan, 2006.

Publicado
2019-04-23
Como Citar
Teixeira, L. R., Gritti, L. L., & Koslinski, E. (2019). Algumas considerações semântico-pragmáticas sobre “capaz”. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 61, 1-25. https://doi.org/10.20396/cel.v61i0.8654342

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)