A construção do ethos em crônicas de Manuel Bandeira

Palavras-chave: Ethos discursivo, Crônica, Manuel Bandeira.

Resumo

Nosso objetivo neste trabalho é discutir o conceito de ethos explorando seu aspecto de construção por parte do intérprete. Trata-se de parte de uma pesquisa mais ampla que investiga as crônicas de Manuel Bandeira levando em conta as reflexões da Análise do Discurso francesa (AD) sobre o campo literário, em especial o quadro teórico-metodológico proposto por Maingueneau (2006). Aqui, apoiamo-nos nas reflexões do analista (2000, 2006, 2016) sobre ethos, a teoria que elabora a partir da noção de ethos retórico. Maingueneau parte do princípio de que os textos escritos também podem ser associados a um tom, a uma voz que remete à figura do locutor, à imagem que o intérprete dele constrói. O analista (2006) elenca algumas dificuldades ligadas à noção: a primeira advém da constatação de que o público constrói determinadas representações do locutor antes mesmo que ele enuncie, o que faz com que proponha uma distinção entre ethos discursivo e ethos pré-discursivo. Uma segunda ordem de problemas provém do fato de que, quando da elaboração do ethos, fatores diversos interagem, como a afetividade do intérprete. Baseados nessa teoria, analisamos um conjunto de dados encontrados em crônicas de Manuel Bandeira. Trata-se de um material que permite a observação de aspectos ligados à construção do ethos por parte do intérprete, aos índices em que se apoia para construí-lo. A análise aponta os vocábulos e expressões com função descritivo-avaliativa como lugar privilegiado de atribuição de um ethos franco, digno, um ethos de homem de bem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jauranice Rodrigues Cavalcanti, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Professora do curso de Letras da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Doutorado e pós-doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BANDEIRA, Manuel. Manuel Bandeira. Poesia completa e prosa. Volume único. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1985.

BANDEIRA, Manuel. Crônicas da província do Brasil. São Paulo: Cosacnaify, 2006.

BANDEIRA, Manuel. Crônicas Inéditas 1 (1920-1931). São Paulo: Cosacnaify, 2008.

BANDEIRA, Manuel. Crônicas Inéditas 2 (1930-1944). São Paulo: Cosacnaify, 2009.

BANDEIRA, Manuel. Flauta de papel. Rio de Janeiro: editora Global, 2014.

BANDEIRA, Manuel. Andorinha, andorinha. Organização de Carlos Drummond de Andrade. 4. ed. São Paulo: Global, 2015.

CAVALCANTI, J. R.; REZENDE, B. R. Reflexões sobre a construção da identidade do professor de língua portuguesa. In: BARBOSA, J. B.; SIMÕES, R. Formação de professores na educação básica. Campinas, Mercado de Letras, 2017.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. Trad. Sírio Possenti. Curitiba: Criar edições, 2000.

MAINGUENEAU, D. O discurso literário. Trad. Adail Sobral. São Paulo: Contexto, 2006a.

MAIGUENEAU, D. Cenas da enunciação. Org. Trad. Sírio Possenti e M. Cecília Pérez de Souza-e-Silva. Curitiba: Criar edições, 2006b.

MAINGUENEAU, D. Não há autor sem imagem. Trad. Adail Sobral. In: Doze conceitos em Análise do Discurso. São Paulo, Parábola Editorial, 2010.

MAINGUENEAU, D. Retorno crítico sobre o ethos. In: BARONAS, R. L.; MESTI, C. P.; CARREON, R. (Org.). Análise do discurso: entorno da problemática do ethos, do político e de discursos constituintes. Campinas: Pontes editores, 2016.

Publicado
2019-08-22
Como Citar
Cavalcanti, J. R. (2019). A construção do ethos em crônicas de Manuel Bandeira. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 61, 1-15. https://doi.org/10.20396/cel.v61i0.8655017
Seção
Dossiê Ethos discursivo em diversas dimensões